(Fotos: Acervo Pessoal)

Luciano Castilho é empresário e presidente licenciado da Associação Comercial, Industrial e Agropecuária de São Mateus do Sul (ACIASMS), justamente para ser pré-candidato. Esaú Paul é agricultor são-mateuense e compõe como pré-candidato a vice-prefeito. Junto na chapa do PSL, na pré-campanha, figuram 14 nomes na disputa pelas nove cadeiras do Poder Legislativo.

“Primeiramente, estou filiado ao PSL e levo em conta as bandeiras que o PSL, em nível nacional levanta. Principalmente com relação aos princípios de valores: família, Deus. Estes em 1º lugar. 2º pela carência no município, pelo atraso que o município de São Mateus do Sul está. Hoje se você andar em volta vê cidades muito mais desenvolvidas”, afirma sobre o interesse em ser pré-candidato.

Para ganhar tempo e agilizar o atendimento ao empreendedor, ele propõe criar um setor específico. Somado de ações para atrair indústrias, empresas de tecnologia e inovação e universidades. ‘De olho em novas tecnologias’ para promover o desenvolvimento e criar oportunidades. Para isso, saindo da ‘zona de conforto’. Num trabalho “com muita vontade de fazer São Mateus do Sul crescer.”

Desenvolvimento e desafios

Sobre os desafios, nos próximos anos, o pré-candidato especula a necessidade de várias mudanças. Segundo ele, há carências e potencialidades tanto no meio urbano quanto no rural e que são questões chaves. “Falta muito desenvolvimento para São Mateus do Sul”, opina. Mas, somente o acesso aos dados da gestão, num mandato, vai permitir compreender e ter um diagnóstico mais preciso da prefeitura.

“A grande realidade”, frisa, é que os números por não estarem transparentes impedem um diagnóstico mais pontual. Ele avaliou que “a máquina pública está enferrujada e precisa ser lubrificada”, colocando para funcionar com inovação, novas ideias e perspectivas. A gestão precisa ser moderna e rápida de forma que os cidadãos tenham acesso aos serviços públicos, com agilidade e eficiência.

Luciano Castilho frisa, entre outras coisas, que a administração humanizada, mais perto do povo e trabalhando por seus anseios, é outra perspectiva fundamental. Somados de uma qualificação disponível aos servidores públicos, fazendo do atendimento para além do essencial e melhorando a vida de todos. “Ter aplicativos públicos de informações e soluções que podem ser parte de uma gestão moderna.”

O pré-candidato aponta que há um desafio imposto pela Covid-19 nos setores de Saúde e Educação. Ao passo que diz não ver “resultados eficientes, de destaque”, mesmo com grandes aportes recentes de recursos. “Sem saúde não somos ninguém”, explica. Para tanto, seu foco é humanizar e ter empatia. “Precisamos de um atendimento melhor na Saúde. Isso é essencial”, observa.

Luciano Castilho exemplifica que foi dado muito valor, por exemplo, em pinturas de escolas, mas na sua avaliação deixado de lado a qualidade do ensino. “Fazer com que as escolas se modernizem”, propõe. Para tanto, disponibilizando o uso de equipamentos e fomentando o incentivo e apoio aos educadores. Criar aplicativos para atendimentos, sem deixar pais e mães em filas de matrículas, exemplifica.

Neste cenário, ele entende que é necessário um trabalho de planejamento, para definir prioridades e atuar nos quatro anos. Alocando recursos no município e buscando recursos estaduais e federais. Reduzir cargos, fazer junção de secretarias, deixando o custo menor, é outra proposição que elenca como primordial. Cada secretário cumprindo metas de gestão, com avaliação que se for negativa leva à troca.

Diferenciais e proposições

O alinhamento numa conexão com Emerson Bacil “que é o deputado de São Mateus do Sul e tem as portas fechadas no atual governo municipal”, segundo Luciano Castilho é algo que pretender conectar, se for o escolhido para a prefeitura. Da mesma forma, com Felipe Francischini, no cenário federal, e acesso no governo estadual e presidente Jair Bolsonaro. Ambos os parlamentares da sua sigla, o PSL.

O pré-candidato disse “não ver nada novo e nenhum programa de desenvolvimento rural nos últimos anos”. A carência de assistência técnica é aparente, segundo ele. A recuperação das estradas rurais, em sua avaliação, foi feita no último ano da gestão, sendo “um caos em anos anteriores”. Atender dentro da propriedade “porteira à dentro” é outra proposição sua, com nova Lei e atualizada.

Luciano Castilho, por estar participando de discussões e debates em entidades empresariais regionais por mais de 15 anos, avalia “estar qualificado” para a gestão pública. Transformar São Mateus do Sul em cidade empreendedora é outro objetivo da pré-campanha. Desburocratizar o atendimento ao empresário, buscar por indústrias e empresa de inovação é uma de suas estratégias.

Por atuar na área comercial, e ser empresário, o pré-candidato entende que é necessária uma gestão empreendedora e buscar investidores. É nisso que ele se sustenta para atrair empresas e promover emprego e renda, com base nas potencialidades. Em sua análise, é inerente a inovação e o interesse para desenvolver. Como, a criação de um centro tecnológico em parceira com iniciativa privada ou pública.

Observações e entendimentos

Luciano Castilho avalia como regular “um arroz e feijão” a atual gestão. No seu entendimento falta ousadia e atenção às pessoas. “Ele é lembrado somente de quatro em quatro anos quando faltam alguns meses para a eleição e a administração aparece como salvadora da pátria”, opina se referindo ao povo. Mas para o pré-candidato isso serve de base para planejar mudanças e em estar próximo da população.

A observação é estendida não apenas ao atual governo, mas a sucessão de gestões municipais, em especial “os dois últimos administradores”, observou. Luciano Castilho avalia que “grupos políticos permanecem no poder desde a década de 1980 a 1990” e ele entende que é necessária uma oxigenação, uma mudança. É neste sentido que constrói sua linha de análise sobre a administração de uma cidade.

“Sempre passa de mão nestes mesmos grupos, pessoas e famílias. Por isso precisamos de nomes novos, nova ideias e melhorar o município”, propõe. O seu entendimento é da necessidade de uma reforma política para evitar que cargos virem ‘profissão’. O pré-candidato observa o exemplo do prefeito de Colatina/ES, Sergio Meneguelli, que mesmo tendo aprovação popular não disputará reeleição.

Também, neste contexto administrativo, avalia a educação e saúde de forma negativa, em especial pela ausência de atendimento humanizado e falta de modernização. Colocando tablets e equipamentos no ensino, com uso de aplicativos para facilitar a vida escolar. Mesmo contexto em que discorda de investimentos recentes, aplicação de aproximadamente R$ 16 milhões em recursos financeiros.

A mobilidade urbana, para Luciano Castilho, precisa de planejamento mais amplo. A reavaliação da estrutura seria um passo, anterior à colocação de asfalto. Prevendo deste o sentido da rua até o tipo de veículo que usa a via. A concessão de empréstimo não é o caminho para o gestor e sim por meio dos deputados, citando Emerson Bacil e Francischini, busca de recursos no Estado e Federação.

Sidnei Muran

Sidnei Muran

Jornalista (MTB 7597 DRT/PR), formado pelo Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv), pós-graduado em História e Cultura pela Unespar – campus de União da Vitória e Licenciado em História pela Unespar – campus de União da Vitória.
Sidnei Muran

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Pressão faz vereadores desistirem de reajuste salarial
Câmara de Vereadores aprova em 1ª votação projeto de lei de atendimento prioritário em estabelecimentos do município
Câmara Municipal aprova projeto de lei que doa terreno à COHAPAR para construção de moradias em São Mateus do Sul