Especial

Encontro da Família Glinski e Staniszewski reúne gerações em almoço festivo em São Mateus do Sul

O almoço da família aconteceu no Santuário de São João Paulo II, na Colônia Taquaral, saída para São João do Triunfo. Cerca de 300 familiares compareceram no local. (Fotos: Acervo da Família)

Aconteceu na sexta-feira (12), o quarto encontro da família Glinski, sediado pela primeira vez em São Mateus do Sul. Nos anos anteriores, o evento acontecia no município de Irati. Em 2018, a família Staniszewski, que possui familiares na mesma árvore genealógica, também participou do evento. De acordo com Sandra Cristina Glinski, uma das principais organizadoras, o evento reuniu mais de 300 membros das duas famílias, vindos de algumas comunidades de São Mateus do Sul, Irati, Curitiba, Piraquara, Campo Mourão, Canoinhas, Irineópolis e Florianópolis.

O almoço das famílias aconteceu no Santuário de São João Paulo II, na Colônia Taquaral, saída para São João do Triunfo. Sandra, que é natural de Irati, comenta que o principal objetivo desses encontros é fazer com que os mais velhos revejam os parentes e conheçam as famílias que já formaram. “Sempre tive contato pela internet com os familiares mais novos, e quando os vejo nas festas e nos conhecemos pessoalmente é uma alegria”, afirma.

 

Esses encontros iniciaram quando os irmãos do pai de Sandra começaram a falecer, levando junto deles, a história da família. “Meu primo Antônio Braz Glinski sugeriu que começássemos a escrever, e fui montando a árvore genealógica do meu avô Félix, que era até onde eu sabia”, explica. Com a ajuda de sua mãe, Celina Kieras Glinski (em memória), Sandra ficou sabendo dos oito irmãos do seu avô, e acabou descobrindo que seu bisavô, Miguel Glinski, nasceu em São Mateus do Sul, na Colônia Taquaral, e dessa maneira a árvore genealógica foi ganhando mais vida.

“Nas minhas buscas em redes sociais, quando eu encontrava um Glinski e este dizia que não era parente eu ficava intrigada, como não ser parente?”, questiona Sandra. Dessa maneira, ela acabou descobrindo através de um dos parentes mais velhos que seu bisavô Miguel teve um irmão chamado Wadislau. Ele teve nove filhos, sendo 5 meninas e 4 meninos. Dessas meninas, duas se casaram com dois irmãos Staniszewski.

Sandra descobriu que os Staniszewski também possuíam uma árvore genealógica e entrou em contato com os familiares. “Conversei com José Zenildo Staniszewski e junto com Denise Maria Biesczad, tudo por internet, aumentei a árvore da família Glinski, incorporando os Staniszewski”, conta.

O primeiro encontro oficial foi uma mistura de reencontro e saudade. “É uma alegria imensa ver a adesão das pessoas se reunindo num propósito de conciliação, amizade e fraternidade”, testemunha Sandra. Ela também é responsável por organizar crachás com o nome de cada familiar, com cores que representam cada geração. “Na hora da edição do crachá fico imaginando a fisionomia da pessoa, e quando a gente se encontra é uma festa.”

Tonico Glinski, de 96 anos, nascido em Faxinal dos Ilhéus, era o homem mais velho da família presente no evento. “Sem dúvida nenhuma a melhor parte desses eventos é o carinho dos mais velhos em agradecer o reencontro, pois há pessoas que nunca tinham se conhecido. A minha recompensa é a amizade, a gratidão no olhar, o abraço de perdão e de saudade”, garante Sandra.

O próximo encontro da família já está agendado, e acontecerá no dia 12 de outubro de 2019, no mesmo local. Se você faz parte, ou conhece alguém da família Glinski e Staniszewski, procure Sandra nas redes sociais e participe!

CHARGE:

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Menção Honrosa é entregue para policial que salvou bebê em São Mateus do Sul
Você pode ajudar?
O dom da cura por orações