Suely Mara Simões dos Santos possui a formação nos níveis I, II e III do Reiki, e afirma que essa nova alternativa de cura mudou a sua vida. (Foto: Cláudia Burdzinski/Gazeta Informativa)

“Quando somos tocados por essa energia, um novo caminho se abre. O amor começa a vibrar em nosso campo sutil, deixando nossa vibração mais leve e serena, amenizando e até curando os distúrbios do corpo, mente e alma”, afirma a psicóloga e reikiana Suely Mara Simões dos Santos, que trabalha com o Reiki: prática de cura pelas mãos usando a energia vital do universo.

Quem acompanha as postagens de Suely nas redes sociais sobre o Reiki, percebe os inúmeros comentários e testemunhos de pessoas que se sentem motivadas a entender ainda mais sobre a metodologia, e compartilham entre elas esse sentimento positivo, repassando para mais pessoas esse novo método.

A psicóloga explica que o Reiki atua através de símbolos sagrados, contudo, ele não está relacionado ou vinculado com nenhum sistema religioso. “O Reiki é usado como terapia complementar, (agora integrativa) ao tratamento médico convencional, harmoniza nosso corpo físico, emocional, mental e energético, promove o bem estar e auxilia na cura de doenças do corpo e da alma, alinha os chacras, melhorando os sistemas circulatório, endócrino, excretório, digestivo, locomotor, reprodutor, sistema nervoso central e periférico e ainda em processos degenerativos como Alzheimer e Parkinson, aliviando os sintomas fazendo com que a pessoa tenha uma melhor qualidade de vida”, diz.

Suely possui especializações nos níveis I, II e III do Reiki, e conheceu a metodologia quando buscava compreender e colaborar para a melhora da relação das pessoas com sua própria consciência, levando-a a prestar mais atenção a si mesma. “Quando falamos em cura, pensamos em dores físicas e psíquicas e que fazem com que o ser humano sofra. Tem ainda os males que afetam simultaneamente o corpo e a mente e são chamados distúrbios psicossomáticos. E temos a dor da alma que pode estar presente em todas as dores físicas ou morais. A dor da alma pode ser desencadeada por um grande sofrimento devido a diversos motivos: problemas na família, doença grave de parentes próximos, perda de um ente querido e até problemas afetivos, sociais ou financeiros. Vítimas de agressão física ou moral também podem ser acometidas de doença da alma. O desafio é entender e diagnosticar a doença da alma como tal, e dar a ela o tratamento adequado”, explica.

A profissional esclarece que hoje muitos psicólogos unem o Reiki nos tratamentos, formando uma única intervenção. Ela explica que a psicologia é a ciência que estuda a mente e os comportamentos, facilitando a felicidade e o bem estar, consigo próprio e com o mundo. O Reiki visa o equilíbrio físico, psicológico e espiritual dos indivíduos. “Apesar de muitos relatos de benefícios, existe alguma controversa relativa às suas provas científicas, contudo alguns estudos já apontam para evidências científicas e desde março de 2018 o Ministério da Saúde incluiu o Reiki como nova prática integrativa no SUS. Parece então que apesar de tudo a energia Reiki começa a ser reconhecida – oficialmente”, diz.

Para aplicar o Reiki em uma pessoa, os reikianos precisam do aceite para que a energia flua e a pessoa se conecte a ela. “Nas pesquisas foram descobertas que o padrão de ondas cerebrais do receptor se sincronizam no estado alfa — um estado de relaxamento profundo, sem estar dormindo, a pessoa fica de olhos fechados, mas não exibe nenhum esforço mental, não pensa no que tem que fazer depois dali, por exemplo, a ansiedade desaparece, a pessoa experimenta uma sensação de paz e bem estar. Uma das características especiais do Reiki: tanto o terapeuta quanto o paciente recebem os benefícios em um tratamento, o que torna muito eficiente”, explica.

Os envios do Reiki a distância

Os tratamentos de cura a distância com Reiki podem ser realizados em qualquer parte do mundo, não havendo distância limite entre quem emite e quem recebe. “A energia enviada a distância é a mesma aplicada localmente com a presença da pessoa, o que muda é apenas a técnica e a forma de conexão. A terapia Reiki segue o princípio de que estamos todos conectados e preenchidos por forças e energias que podemos usar para a cura e para o bem estar. Para facilitar a concentração eu tenho um espaço próprio, isolado e tranquilo durante o envio do Reiki a distância”, conta.

A partir do momento que a pessoa dá seu aceite no post do Facebook automaticamente ela já inicia a sintonia com a energia e nos 30 minutos que ocorre a prática do Reiki, todas ficam conectadas com a energia. Suely conta que recebe muitos testemunhos de pessoas que após receberem a energia Reiki sentem um profundo relaxamento neurológico, atuando dessa maneira no bem estar físico, mental e espiritual.

“Antes de ser reikiana, quando me deparava com os problemas não conseguia pensar em uma solução, hoje escuto o meu coração e fico em silêncio para obter as respostas de que necessito. Percebi que só trabalhando muito o nosso interior somos capazes de ter uma maior compaixão para conosco e para com os outros. Passei a agradecer todas as coisas boas e más na minha vida e compreendi que até as más são favoráveis. Tomei consciência que todos somos um e que estamos ligados, e por isso, devo respeitar todos os seres. Estamos em evolução e devo respeitar a evolução de cada um. Tenho feito trabalho de voluntariado atendendo pessoas que não podem pagar psicoterapia. Sem dúvidas, o Reiki ensinou-me a ser uma pessoa melhor!”, garante Suely.

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
O são-mateuense e seu baú de histórias
Posse da nova diretoria da subseção da OAB em União da Vitória, na qual São Mateus do Sul faz parte, é realizada
Conheça o Conselho da Comunidade, órgão da execução penal que atua dentro da 3ª Subdivisão Policial do município

Deixe seu comentário

*