Jornal de São Mateus do Sul (PR) e região

Entenda como funcionará a elaboração dos sete novos projetos da SIX

Os projetos visam contribuir para manutenção, segurança dos processos, confiabilidade e aumento do tempo de operação da SIX. (Foto: Alexandre Müller/Gazeta Informativa)

No mês de maio, a Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), divulgou a implantação de sete projetos que serão realizados na SIX de São Mateus do Sul. Todo ano, a equipe tem um ciclo de projetos para serem desenvolvidos com objetivos diversos, dentre projetos de melhoria operacional, confiabilidade, segurança e rentabilidade.

Para 2018 a empresa contará com o início da execução dos seguintes projetos:

1º – Abertura da terceira fase da mina Dois Irmãos: nova área a ser explorada na SIX para a continuidade operacional.

2º – Atualização do Sistema Digital de Controle Distribuído (SDCD) das unidades de produção: é a modernização do sistema computacional de controle da unidade, proporcionando maior confiabilidade e segurança.

3º – Substituição da tubulação da adutora no trecho externo à área da SIX: a adutora é responsável pela captação de água do rio Iguaçu para a Unidade. Haverá substituição da tubulação para aumento da confiabilidade.

4º – Instalação de novo cone superior da retorta com mudança de tecnologia para reduzir desgaste por abrasão: a retorta é o principal equipamento da SIX, que faz o aquecimento (pirólise) do xisto para ser convertido em óleo e gás. O projeto é a substituição de uma parte da retorta (cone), para torná-la mais resiste e robusta aos desgastes normais decorrentes da operação.

5º – Substituição da tubulação de água potável da unidade: por uma questão de modernização, haverá troca da tubulação das áreas internas para distribuição de água em toda a Unidade. O objetivo é garantir qualidade e potabilidade da água que será entregue para consumo.

6º e 7º – Mudança de metalurgia do teto de dois tanques: os tetos dos dois tanques usados na unidade serão trocados para um material mais resistente (inox). Os ganhos dessa substituição são o aumento da durabilidade e diminuição da possibilidade de desgaste dessa região que é mais afetada por corrosão.

De acordo com informações disponibilizadas para a Gazeta Informativa pela assessoria da Petrobras, estes projetos passaram por um processo de priorização de carteira, em que todas as ideias propostas foram analisadas com base em seu potencial de ganho e na aderência aos objetivos estratégicos da Petrobras.

Questionados sobre os investimentos aplicados na efetivação do projeto, a assessoria informa que a verba faz parte do Plano de Negócios e Gestão 2018 – 2022 da companhia. “Esses recursos na SIX estão sendo aplicados em paradas programadas de manutenção e nos sete novos projetos”, explicam.

A equipe diz que como se trata de projetos novos, a grande maioria já possui concluído o que se chama de pré-projeto (conceitual e básico). “Estes pré-projetos foram desenvolvidos por equipe multidisciplinar própria da SIX, responsável também pelos projetos. Quanto à conclusão dos projetos executivos, parte destes será feita pela equipe interna de projetos da SIX, e outra parte será feita pelo escritório de projetos unificado da área Industrial da Petrobras, que fica localizado na Refinaria de Paulínia (Replan). Já a etapa de construção e de montagem será executada em parte pelos contratos atuais e também a partir de alguns novos contratos específicos”, esclarecem.

Os projetos já começaram a ser desenvolvidos na SIX e no escritório de projetos unificado da Industrial. Alguns deverão ser concluídos nos próximos anos, já que se tratam de projetos plurianuais.

Questionados sobre o desenvolvimento de projetos ao longo da história da SIX, a assessoria confirma que a companhia no município sediou mais de 15 unidades piloto de pesquisa. “Isso torna a SIX o maior parque da América Latina em plantas-piloto de grande porte. Outro projeto importante que vem contribuindo fortemente para a melhoria de resultados da SIX é o processamento de lastro oleoso”, informa a assessoria.

Histórico da SIX

A exploração do xisto pela Petrobras foi iniciada em 1954, no município de Tremembé – São Paulo, no Vale do Paraíba. Em 1959, a companhia decidiu pela construção de uma usina no município de São Mateus do Sul.

A obra ocorreu na primeira metade da década de 1960, após aquisição e preparação dos terrenos para a implantação da SIX. O início da operação da primeira unidade de produção ocorreu em 1972.

Com a entrada em operação da segunda unidade, o Módulo Industrial, em dezembro de 1991, foi concluída uma etapa importante de consolidação da tecnologia patenteada pela Petrobras de processamento do xisto.

A SIX conta atualmente com cerca de 40 contratos de prestação de serviços e bens, totalizando um efetivo médio de 800 profissionais (entre empregados Petrobras e colaboradores). Esse contingente varia em função de novas necessidades, como novos investimentos ou paradas programadas de manutenção.

“Ratificamos que a Petrobras, no desenvolvimento de suas atividades, realiza a contratação para prestação de serviços e que a seleção de profissionais, assim como a definição do número de efetivo necessário, é de responsabilidade das empresas contratadas”, informa a assessoria.

Cláudia Burdzinski

Cláudia Burdzinski

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br
Cláudia Burdzinski
Compartilhe esta reportagem...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Print this page


Comentários: