Em letras de bronze, gravado na proa do vapor, o nome Pery sempre despertou a minha curiosidade. Lançado nas águas do Iguaçu em 1912, em São Mateus do Sul, por Luiz Guiublin, era um dos maiores do rio Iguaçu. Media 27m de comprimento por 5,30m de boca e tinha 1,30 de pontal. A potência era de 75 HP. Destinado a condução de mercadorias, aos poucos foi sendo adaptado para passageiros.

Em 1915, foi realizada uma fusão entre algumas empresas de navegação que deu origem ao “Lloyd Paranaense S.A.” Essa empresa teve sede em São Mateus do Sul e durou até 1953, a partir desta data, praticamente encerrou a navegação dos antigos vapores que trafegavam no rio Iguaçu. Essa empresa foi criada quase que exclusivamente por industriais ervateiros que tinham por objetivo o transporte da erva-mate. A empresa adquiriu o vapor Pery em 1915.

Em determinada época, o vapor Pery fazia a linha de União da Vitória a Rio Negro transportando somente erva mate. Tinha capacidade para 500 sacas de erva mate. As duas lanchas, Cecy e Iara, tinham capacidade para 600 sacas, totalizando 1100 sacas de erva mate por viagem. Passou por algumas reformas onde seu casco foi substituído por casco de ferro entre outras melhorias. Na terceira reforma, houve até inauguração. Em 18 de dezembro de 1939(data da inauguração), com a presença de autoridades, população, convidados, o vapor Pery, estrela da festividade, foi abençoado pelo padre Estanislau Pozycki.

Na maioria das vezes, a tripulação de um vapor compunha-se de um piloto, um maquinista e um foguista, cada um com um auxiliar para o revezamento do serviço e de vários homens, em média seis, para os trabalhos de carga, aos quais se dava o nome de “marinheiros”, por analogia com os trabalhadores do mar. Alguns comandantes do vapor Pery, têm seu retrato na Casa da Memória Padre Bauer: José do Nascimento Teixeira, Paulino Ferreira Döepfer, Raul Ferreira Döepfer, Pedro Padilha de Souza.

A fotografia em preto e branco, pertence ao acervo de José Nelson Chaves de Souza e está exposta na Casa da Memória Padre Bauer, na Sala da Navegação. A imagem é uma das raras, que mostra a popa do vapor Pery com sua roda traseira. Hoje, as letras de bronze não estão mais na proa do vapor, mas o seu significado, através do nome de um bravo índio guerreiro, ecoará pelos tempos, na memória dos são-mateuenses. O vapor Pery encontra-se exposto no Parque do Iguaçu, próximo ao rio, em São Mateus do Sul.

Últimos posts por Hilda Jocele Digner (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Fotografia da Cooperativa do Mate
FOTOPINTURA: Luiz Dâmaso Santos Lima
Fotografia: O homem do cachimbo