Odontologia e Saúde Bucal - Valéria Kruchelski Huk

Erosão dental: quando a alimentação pode afetar a saúde bucal

Imagem Ilustrativa

Imagem Ilustrativa

Queridos leitores, todos nós sabemos o quanto a nossa alimentação influencia na nossa saúde, é assim também com a saúde bucal. No entanto, hoje quero mostrar o quanto alguns alimentos, quando ingeridos em excesso, podem afetar a saúde dos nossos dentes.

A erosão dentária é a perda da estrutura dental devido a um processo químico, sem o envolvimento bacteriano direto. Ou seja, o excesso de substâncias ácidas no meio bucal – que podem ser de origem interna ou externa – irão causar o desgaste do dente, ocasionando uma mudança em seu formato, na sua coloração e também ocasionando sensibilidade na maioria das vezes.

É importante saber que existem diversas classificações para a erosão dentária, e a mais comum é classificar essa situação de acordo com o agente que causou tal alteração. Dessa forma, simplificaremos em dois tipos: erosão intrínseca e erosão extrínseca.

A erosão intrínseca é aquela causada por alguma substância ácida que tem origem no nosso próprio organismo, ou seja, em casos de regurgitação do conteúdo gástrico. Vamos exemplificar para ficar mais claro: temos uma erosão intrínseca em casos de pacientes que fazem a autoindução do vômito (pacientes que sofrem de bulimia). A erosão extrínseca é aquela causada por substâncias que consumimos, ou seja, está intimamente associada com a nossa dieta – por exemplo: ingestão excessiva de refrigerante, de frutas e sucos ácidos, entre outros.

Os sinais da erosão dentária são aqueles citados acima: os dentes poderão apresentar sensibilidade (que pode variar em cada paciente e dependendo do grau de erosão do dente), há também uma mudança de coloração dos dentes – isso porque o esmalte é desgastado deixando aparecer a estrutura que chamamos de dentina e que tem coloração mais amarelada, além de ocorrer mudança no formato dos dentes. De um modo geral podemos observar estas mudanças em qualquer dente, porém os dentes da frente e a região próxima à gengiva (região cervical) são as mais acometidas.

O diagnóstico é feito pelo dentista, que através de várias perguntas conseguirá identificar qual a causa da erosão dentária. O tratamento é individual para cada paciente e está relacionado com o tipo de erosão. De um modo geral podemos dizer que o tratamento consiste em restaurações e orientações quanto aos hábitos e dieta alimentar.

Fique atento com a sua dieta. A dica é: evite refrigerantes e sucos muito ácidos, controle a ingestão de balas e alimentos cítricos, reduza o consumo de alimentos industrializados, mantenha uma adequada higiene bucal e visite regularmente seu dentista.

Até a próxima semana!

Saiba mais:

http://www.colgate.com.br/app/CP/BR/OC/Information/Articles/Oral-and-Dental-Health-Basics/Common-Concerns/Sensitivity/article/Enamel-Erosion-How-It-Affects-Your-Teeth.cvsp

http://www.revodontolunesp.com.br/files/v37n3/v37n3a06.pdf

http://www.pucminas.br/imagedb/documento/DOC_DSC_NOME_ARQUI20070530170318.pdf

Últimos posts por Valéria Kruchelski Huk (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
A equipe odontológica: Auxiliar de Saúde Bucal (ASB)
Aftas: conheça um pouco mais
Xerostomia: Você sabe o que é?