Reflexão com Padre Marcelo S. de Lara

Escolhendo a Melhor Parte

A correria de nosso dia a dia, as frenéticas atividades, as várias ocupações, dão às pessoas a sensação de produtividade. É a mentalidade que o mundo atual nos passa, muito mais, pela influência da agilidade da comunicação.

Contudo, é fato que por vezes sentimos uma sensação de vazio, ainda que diante de muitas ocupações e cansaço ao final do dia, ou da noite, com a ideia de dever cumprido. Refletindo a realidade do mundo atual, o papa Francisco em sua Exortação Apostólica, Evangelii Gaudium, no parágrafo 82, diz que: “O problema não está sempre no excesso de atividades, mas, sobretudo, nas atividades mal vividas, sem as motivações adequadas, sem uma espiritualidade que impregne a ação e a torne desejável”.

Neste domingo, 17, a Liturgia da Igreja Católica traz nas celebrações, o Evangelho de Lucas, capítulo 10, versículos 38 ao 42, relatando a passagem em que Jesus vai visitar duas imãs: Marta e Maria. No relato, enquanto Maria “faz a sala” para Jesus, ouvindo suas palavras, Marta se ocupa com o afazeres da casa: limpeza, comida.

Marta reclama a Jesus se ele não se importava que Maria não a ajudasse nas tarefas, e Jesus lhe diz: “Marta, Marta. Tu te preocupas e andas angustiada com muitas coisas. No entanto, uma só coisa é necessária. Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada”, disse o Senhor.

Ambas as irmãs receberam bem Jesus na casa exercendo a hospitalidade. Se Maria dava atenção à Jesus ouvindo suas palavras, Marta dava conta de preparar o almoço e deixar a casa arrumada. As duas coisas são importantes, desde que contudo, não deixemos a melhor parte de fora que é, ouvir a Palavra de Jesus. Os afazeres podem ficar em segundo plano, mas em primeiro lugar vem, escutar a Deus, esta é a melhor parte.

Em sintonia com a frase do papa Francisco, exercemos muito o papel de Marta, fazendo muitas atividades, mas por vezes, deixamos de lado a parte que alimenta as nossas tarefas, que dá sentido, e que gera verdadeira produtividades, não somente de quantidade, mas de qualidade.

A correria pode esvaziar nossas atividades. A falta de parar para ouvir a Deus, meditar sua Palavra, gera falta de sentido no que fazemos. Desde uma notícia pública às pressas em busca de um alucinado “furo de reportagem” pode gerar uma desinformação, uma falta de prestação de serviço de qualidade.

Assim são nossas diversas atividades e nossa vida. Se não fizermos o papel de Maria, dando tempo para sentar aos pés do Senhor e Ouvi-lo, viveremos uma vida vazia de sentido, de alegria e de motivação.

Entre os diversos afazeres elejamos as prioridades, e escolhamos sempre, a melhor parte.

Últimos posts por Pe. Marcelo S. de Lara (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Não deixe o tempo passar
Um Novo Relacionamento
Política é Serviço, e não, disputa de poder