Artigo de Opinião

Esquecemos de ter tempo?

O mundo anda cada vez mais agitado, e consequentemente a nossa vida também. Vamos dormir pensando e calculando o tempo do que temos que fazer no outro dia, aprendemos a viver em um tipo de vida cronometrada, onde se eu perco um horário, descontrolo todo o resto.  O mundo anda cada vez mais agitado, e consequentemente a nossa vida também. Vamos dormir pensando e calculando o tempo do que temos que fazer no outro dia, aprendemos a viver em um tipo de vida cronometrada, onde se eu perco um horário, descontrolo todo o resto.

Buscamos uma vida com mobilidade, mas caímos cada vez mais em uma vida rotineira, com planos traçados, horários calculados, os mesmos caminhos e preocupações. Esquecemos que no meio de tudo isso o tempo está passando, e em uma questão lógica, a nossa vida também.

Até que ponto vale a pena se preocupar tanto com o tempo? Será que o caminho da rotina acrescenta em minha vida, ou apenas faz com que eu esqueça o verdadeiro sentido dela? Somos extremamente dependentes, isso é uma necessidade do ser humano. Dependemos de questionamentos, de respostas e de afeto. Gostamos da valorização e vamos sempre em busca dela. Mas essa livre (e necessária) dependência acaba nos afastando cada vez mais de nós mesmos, e perdemos a noção de que vai chegar o momento em que vamos sentir as consequências de tudo isso.

Já ouviu aquela frase que “só damos valor quando perdemos”? Perdemos tempo a todo momento, e esquecemos o verdadeiro valor dele. As pessoas estão cada vez mais cansadas, estressadas e descrentes em diversas relações intrapessoais (tipo de relação que temos com nós mesmos), esquecendo que o tempo não voltará mais, e principalmente, esquecendo que isso está acontecendo agora. Valorize o seu tempo e as pessoas que estão em sua volta, o tempo não está passando só para você, mas para elas também. Aproveite cada segundo, pois o relógio está correndo e sua vida está com pressa.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Aquela frase, “não adianta ir na missa todo domingo e matar o gato envenenado”
Apostando nos “ervales”
O poder de influência pela generalização