Educação e Cultura

Estudantes de São Mateus do Sul ingressam em matemática e medicina pelo Enem

Da direita para a esquerda estão: vice-diretora do Colégio Estadual São Mateus Glacira Prohmann, os calouros de matemática da Unespar Guilherme Voigt e Gabriel Henrique, e a diretora Telma Staniszewski. (Foto: Arquivo Pessoal)

Da direita para a esquerda estão: vice-diretora do Colégio Estadual São Mateus Glacira Prohmann, os calouros de matemática da Unespar Guilherme Voigt e Gabriel Henrique, e a diretora Telma Staniszewski. (Foto: Arquivo Pessoal)

Em novembro de 2016, estudantes de todo o país realizaram o Exame Nacional do Ensino Médio, por meio do qual buscam o ingresso em instituições de ensino superior público (via Sisu) e em instituições particulares por meio dos programas de financiamento estudantil do Governo Federal (ProUni e FIES). Houve, porém, exceções em que as provas foram realizadas em dezembro, por conta do movimento de ocupação dos colégios, mas, segundo o Ministério da Educação, nada que comprometesse a forma de avaliação e o processo de ingresso no ensino superior.

Em São Mateus do Sul vários estudantes garantiram vagas em instituições públicas, como no caso de Gabriel Henrique, ex-aluno do Colégio Estadual São Mateus, que é calouro em matemática na Universidade Estadual do Paraná (Unespar). Gabriel conta que estudou para o Enem durante meses, “pois sonhava com a vaga na Unespar, no curso de matemática, e precisava obviamente me preparar para isso.” Sobre o deslocamento até a instituição, Gabriel diz que “no momento não irei me mudar, terei que alugar um ônibus para ir até a faculdade, com o custo mensal em torno de R$400, mas futuramente pretendo me mudar para União da Vitória, trabalhar e estudar lá”.

Sobre a prova do Enem, Gabriel diz que “houve matérias que não havia estudado durante o Ensino Médio, mas para a realização da mesma precisava de muito mais esforço do que apenas estudar no horário de aula, eu acredito que a prova estava em um nível mediano”. Sobre as oportunidades para ingresso no ensino superior público no Brasil, o estudante afirma que “essa é uma questão delicada, porém, com minha experiência ao conseguir fazer Enem, me inscrever no Sisu e ProUni, onde que não paguei taxa alguma, eu afirmo que oportunidade há pra todos, basta se informar e correr atrás”. Sobre o motivo que o levou a optar pelo curso, o estudante diz que pretende ser professor, inspirado por seu professor de matemática do Ensino Médio.

Outro ex-aluno do Colégio São Mateus, Guilherme Voigt, também foi admitido no curso de matemática na Unespar e também tem como pretenção seguir na área da docência. Guilherme relata que teve como rotina estudar pelo menos uma hora por dia além do período em que estava no colégio. O estudante conta que “a prova não estava muito difícil, mas um pouco confusa, nada que uma boa interpretação não desse conta”. Assim como Gabriel, Guilherme afirma que se deslocará de ônibus até a instituição de ensino, a qual escolher por ser “a de mais fácil acesso, levando em conta transporte e futuros planos”.

Enzo Pauli foi aprovado em medicina na instituição de ensino Unioeste. (Foto: Arquivo Pessoal)

Enzo Pauli foi aprovado em medicina na instituição de ensino Unioeste. (Foto: Arquivo Pessoal)

Mas um dos destaques do município foi o estudante Enzo Pauli, que foi aprovado em medicina na instituição de ensino Unioeste. Procurado pela reportagem, Enzo contou sua longa trajetória em busca da tão concorrida vaga e afirma que “a educação é interessante porque dá a possibilidade de desistir e começar de novo”. Enzo diz isso porque já havia iniciado outro curso: “quando saí do ensino médio, ingressei no curso de jornalismo, por não me adaptar resolvi tentar medicina. Fiz pré-vestibular durante um ano e meio, mas os seis primeiros meses foram só de adaptação, pois eu não sabia estudar. Nesse tempo consegui elaborar um plano de estudos que me ajudou muito no ano seguinte”. Sobre o tempo diário dedicado aos estudos, Enzo afirma que “durante 2016, estudei cerca de treze horas por dia. Eram cerca de sete horas em sala de aula e seis horas em cabine estudando a matéria que havia visto durante as aulas. Passar em um vestibular, principalmente em um tão concorrido como o de medicina, requer disciplina e organização”.

Sobre estudar, Enzo diz que “não se trata de apenas abrir um livro e ler, é preciso desenvolver um método para estudar cada matéria específica. Para mim, por exemplo, o que funcionava em geografia física era desenhar mapas com diversas informações interligadas; em exatas era melhor fazer esquemas mnemônicos e resolver muitos exercícios; a redação também é só uma questão de treino, e é o mais importante. A vaga que conquistei foi graças a minha nota na redação [940 pontos]”.

Enzo ainda deixa um conselho que também pretende seguir estas vias: “se pudesse dizer algo a quem agora irá trilhar o caminho que estou deixando é: treine com foco, quanto mais difícil é o treino, mais fácil será a prova real. É preciso, no entanto, treinar de maneira correta, encarar seus erros e corrigi-los. Muitas pessoas ficam anos no cursinho não por falta de inteligência, mas sim por falta de método e por insistirem em estudar de uma forma que, comprovadamente (pelas reprovações), não funciona. Por muitas vezes bati na trave, perdi vagas por uma questão ou outra, por uma vírgula na redação, mas ergui a cabeça e continuei, fiz o que tinha que ser feito”.

Enzo ainda contou sobre sua reação ao descobrir que foi aprovado: “Quando abri o site do Sisu e vi que fui selecionado em medicina na Unioeste não conseguia acreditar. Para falar a verdade, ainda não caiu a ficha. Espero que isso possa mostrar aos estudantes a importância do Enem, pois muita gente minimiza as oportunidades que essa prova oferece. São pelo menos três chances a mais do que um vestibular tradicional, já que com a mesma nota é possível participar do Sisu, ProUni e FIES”.

Em abril Enzo iniciará seus estudos em Francisco Beltrão e, para ele, a mudança não será difícil, levando em conta que ele já morou em Ponta Grossa enquanto estudava jornalismo e, posteriormente, o cursinho.

As inscrições do ProUni vão do dia 30 de janeiro ao dia 03 de fevereiro.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Datas para matrículas 2020 no ensino estadual são divulgadas
Companhia teatral faz apresentação para mais de 200 alunos
Colégio Estadual do Campo Duque de Caxias de Antonio Olinto recebe verba destinada ao projeto Escola 1000

Os comentários estão fechados