Artigo de Opinião

Eu compro aqui!

(Foto: Alexandre Müller/Gazeta Informativa)

Quando encontramos alguma roupa ou materiais como eletrodomésticos e objetos decorativos para casa na promoção, os olhos chegam a brilhar. Tudo que é “mais em conta” aumenta o nosso interesse pelo produto.

Andando lado a lado nessas grandes promoções, encontramos em lojas pela internet uma variedade de marcas e tendências, e às vezes optamos por comprar o que desejamos em pedidos online. Porém, nessa semana quero colocar uma ideia na cabeça de vocês, que involuntariamente, nem percebemos que isso acontece.

Cresci ouvindo meus avós contando de como era difícil comprar uma peça nova de roupa (e quando isso acontecia, a roupa “melhorzinha” só podia ser usada em ocasiões especiais, como ir na missa aos domingos). A casa possuía apenas os móveis necessários, pois além de não existir tantas opções, esse luxo não era essencial na sociedade da época.

Já na geração dos meus pais as coisas começaram a caminhar pelo rumo que estamos vivendo hoje: existia estilos nos grupos de amigos e as casas começaram a ser reconhecidas como um lugar de bem estar; as marcas de roupa passaram a demonstrar status; e as últimas novidades de produtos domésticos passaram a se tornar o desejo das famílias.

Toda essa evolução foi evidenciada no comércio são-mateuense, que mudou dos produtos básicos e essenciais, para acrescentar ao estoque àqueles que trazem um pouco mais de sofisticação. Mas o advento da internet abriu ainda mais o leque de compras do consumidor, e o comércio local e direto em diversas cidades mundiais passaram a sofrer com essa nova ferramenta (alguns até abraçaram a plataforma digital, e além da loja física, também criaram a relação de vendas online).

Hoje a praticidade em comprar pela internet permite o cliente escolher (até de pijama) o que deseja. É mais cômodo em apenas alguns cliques e zoom, se encantar pelo produto. Em contrapartida, o contato físico com o que se deseja faz toda a diferença na hora da compra, evitando transtornos em adquirir algo danificado.

Mas onde eu quero chegar com isso? Tenho 19 anos e em meus grupos de familiares e amigos, existem aquelas pessoas que só compram pela internet e também as que detestam esperar dias/semanas para a compra ser entregue. Confesso que percebo que existe algumas propostas tentadoras pela internet, mas sou o tipo de pessoa que precisa ter esse contato antes da compra.

Somos são-mateuenses, e tudo que circula na relação de compra e venda ajuda na economia do próprio município. Se compramos aqui, o dinheiro voltará indiretamente para você, pois nessas lojas físicas há funcionários que recebem o salário através do produto que foi adquirido, que no futuro, poderão usar esse dinheiro em outro tipo de comércio, e vice-versa. Essa circulação é positiva para todos os lados. Então, antes de comprar pela internet, que tal você pensar nisso e tentar encontrar o que deseja aqui na cidade?

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
O que uma deputada têm a ensinar sobre a educação
É na simplicidade que concretizamos os momentos mais bonitos
Dizer não é autocuidado