Se você pensa que esse texto vem com teorias e relatos sobre como o machismo afeta a vida de uma mulher, você está muito enganado – não que a problemática na realidade feminina seja algo irrelevante, muito pelo contrário –, mas em um mundo onde fala-se tanto sobre violência doméstica e dominação de um gênero sobre o outro, hoje vou falar diretamente sobre a causa enraizada.

Se algumas vezes é difícil para nós mulheres expressarmos os nossos sentimentos, penso o quanto é complexo para um homem que aprende desde cedo a enterrar tudo que sente. A partir do momento que a mãe recebe a confirmação que o bebê é do sexo masculino já começa aquela constante aposta: “esse aqui vai ser jogador de futebol”, “que orgulho, vai honrar o sangue da família”, “o meu sobrenome vai ser levado com dignidade pra frente”, e por aí vai. Mesmo alguns pais falando isso da boca pra fora, pouco a pouco a criança que recém veio ao mundo começa à crescer buscando cumprir um objetivo de vida que nem se quer é dele. Se pisar fora da linha ou contestar, o chinelo corre solto.

Ainda na creche, o menino que nem sabe escrever o próprio nome já é questionado sobre “as namoradinhas”. E quando o assunto é sexualidade na adolescência? As primeiras experiências devem mostrar que o homem é “macho” (sem falar das vezes que o adolescente é levado para algum bordel).

Toda essa pressão psicológica e a crença do homem provedor vai se solidificando como se fosse a única base de formação de caráter possível para aquela realidade. Se demonstrar fraqueza ou pedir algum tipo de ajuda ele não é capaz, afinal, “homem não chora né?”

Os valores do homem são formados por construções sociais que colocam em jogo a todo momento a sua capacidade e também a “falta” dela. Se apresenta vulnerabilidade, automaticamente ele é tachado de mulherzinha (não que isso seja um problema). O machismo é capaz de contaminar qualquer tipo de relação social, não atuando apenas em mulheres, mas em toda a relação de convivência humana.

A rejeição é um dos maiores medos enfrentados pelos homens, e as constantes apostas fazem da realidade uma competição comparada ao reino animal. Está tudo bem se você quer chorar por algum motivo. Está tudo bem se dia ou outro você precisar de ajuda. Está tudo bem se você escutar o conselho de mulheres importantes em sua vida. Não se preocupe em ser um bom homem. Se preocupe em ser uma boa pessoa!

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Confesso que solucei de chorar assistindo esse filme
Quanto a sua vida muda em uma semana?
O são-mateuense e a lembrança