(Fotos: Acervo Pessoal)

A prefeita eleita, Fernanda Sardanha, e o vice-prefeito da próxima gestão, Adão Staniszewski, iniciam o desenho do quadro de 1º escalão de governo. Na noite de quinta-feira (20), durante transmissão ao vivo, foram revelados os primeiros nomes das pessoas que estarão compondo a administração que inicia em 2021 e segue até final de 2024. A reportagem do GI traz informações sobre o perfil dos secretários indicados.

Indústria e Comércio

O engenheiro Carlos Roberto Chaves é o indicado para ocupar a pasta. “Senti-me muito honrado pelo convite da prefeita Fernanda, por depositar confiança em minha pessoa para um cargo de extrema importância no desenvolvimento de emprego e renda para o nosso município”, disse. O principal desafio é criar “um ambiente de atratividade para investidores dos diversos seguimentos da indústria nacional e internacional”.

Carlos Roberto Chaves.

“Outro aspecto que julgo desafiador é a implementação da Incubadora Tecnológica com parcerias com instituições de Estaduais e Federais”, acrescenta. Diante de uma expectativa ímpar para a carreira em que pretende priorizar novos investimentos, sem perder receitas e fortalecer a economia. Para isso, ele pretende buscar a instalação de empresas e ampliar a oferta de emprego e renda para os são-mateuenses.

Este assunto foi centro das atenções nas eleições. “Realmente esta foi uma das pautas da campanha da nossa prefeita Fernanda Sardanha, além de ser um tema relevante em função da redução dos postos de trabalho em todo o país em decorrência dos impactos da pandemia, priorizaremos as ações efetivas junto ao governo estadual e federal de maneira a criar um cenário competitivo para o nosso município”, ressalta.

O objetivo é fomentar o setor por meio de incentivos fiscais para os setores industriais do Agronegócio, Metalmecânica, Eletroeletrônica e Tecnologias Emergentes, segundo Chaves. “Todavia, cabe pontuar que, além das ações destacadas, atuaremos no sentido de criar e disponibilizar uma infraestrutura para a instalação de novas empresas destes seguimentos”, acrescenta o futuro secretário.

“Outro ponto importante desta pauta é a criação do centro de pesquisas multimodal, isto é, a criação da Incubadora Tecnologia, através das parcerias entre instituições de ensino superior Estaduais e Federais, de maneira a fomentar a criação de novas oportunidades de empreendimentos e geração de emprego e renda para o nosso município”, acrescenta o engenheiro mineiro.

Natural de Divinópolis, estado Minas Gerais, Carlos Roberto Chaves é casado com Eliane Chaves e pai de Thiago Emanuel, Karoline e Karen Chaves. Sua formação acadêmica e de especialização traz um currículo extenso de conhecimento e experiência. “Engenheiro Eletricista, Engenheiro Eletrônico, Bacharel em Ciência da Computação, Tecnólogo em Processamento de dados, Especialista em Automação Industrial pela UTFPR e Mestre em Engenharia Elétrica”, relata.

Além disso é Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) e professor universitário da Universidade do Contestado (UnC) há mais de 10 anos. Tendo o cargo, também, de Supervisor de Tecnologia de Informação e Telecomunicações na Petrobras, desde 1992, e trabalhou na área de Automação Industrial nas empresas do seguimento Petroquímico.

“Participei da criação, coordenação e docência do curso Técnico de Instrumentação e Controle no colégio DAMA, Técnico em Eletrotécnica na Colégio Maria Augusta (SEMA)”, acrescenta. Carlos Roberto Chaves tem pela frente o desafio de atrair investidores para ampliar os postos de trabalho em São Mateus do Sul e proporcionar mais oferta de empregos.

Finanças municipais

Izabel Kempinski que é formada em administração estará no cargo a partir de 1º de janeiro. “Fiquei muito feliz em receber a indicação para exercer o cargo de secretária municipal de Finanças. Agradeço a Fernanda e ao Adão pela confiança depositada para eu fazer parte de sua equipe de gestão, no qual vou corresponder com minha confiança e com meu trabalho”, afirma a futura gestora da pasta.

Izabel Kempinski.

“O momento atual exige alto nível de controle sobre a Gestão Financeira. Tem que haver planejamento para contemplar as metas, objetivos e os Planos de Ação que serão desenvolvidos. Para isso teremos que fazer um levantamento e análise das despesas fixas, priorizando as despesas de acordo com Programas/ Metas, para que possamos desenvolver e executar o Plano de Governo Gestão 2021/2024”, ressalta.

No governo de Fernanda e Adão, Izabel afirma que pretende cumprir ‘os princípios da administração pública’. Tendo o planejamento das despesas, transparência na gestão, controle entre receita e despesa. “Ajustar os gastos e ficar atento ao fluxo de caixa: isso significa que o município só pode executar ações previamente planejadas de acordo com as limitações da disponibilidade financeira”.

Segundo ela, quando os gastos extrapolam as receitas gera o déficit orçamentário, que leva à irresponsabilidade fiscal e “resulta no quadro de desequilíbrio econômico ao município”. Disso a vigilância sobre ajuste de gastos de acordo com as receitas. Nascida e morada em São Mateus do Sul, Izabel tem um filho, Vítor Kempinski Portela com 23 anos de idade, que neste ano concluí o curso de Engenharia Civil.

A experiência profissional tem uma relação direta com a prefeitura de São Mateus do Sul. “Fui servidora pública efetiva durante 34 anos (1983/2017), durante esse período estive lotada na secretaria municipal de Finanças onde exerci os seguintes cargos: diretora de Departamento de Contabilidade e Orçamento e Coordenadora do Controle Interno do Município”, acrescenta a futura secretária de Finanças.

“Agradeço a Deus primeiramente por tudo, agradeço a minha família e a todos pelas palavras de incentivo e apoio que recebi. Agradeço novamente a Fernanda e ao Adão e já estou à disposição para trabalhar junto à gestão 2021/2024”, acrescenta Izabel Kempinski que terá a responsabilidade de controlar as finanças são-mateuenses a partir de 1º de janeiro de 2021.

Assistência Social

Luciana Pavowski Franco Silvestre é assistente social e doutora em Ciências Sociais Aplicadas. “Fui convidada pela prefeita Fernanda Sardanha para assumir a gestão da política de assistência social no município”, destaca. “Nos conhecemos há mais de 15 anos, o que nos uniu inicialmente foi a nossa profissão, o que permitiu uma amizade que se fortaleceu a partir das afinidades e formas de ver e entender o mundo”.

Luciana Pavowski Franco Silvestre.

Frente aos desafios ela observa que a política pública de assistência social é “muito importante no que se refere ao atendimento da população em situação de vulnerabilidade, risco social e violações de direitos”. Setores de atendimento que vem avançado, segundo a profissional, sobretudo pela implantação do Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) e Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS).

Além da articulação da oferta dos serviços socioassistenciais ‘em conjunto com as organizações da sociedade civil e no acesso aos benefícios socioassistenciais como o Bolsa Família’. Luciana Pavowski cita que em São Mateus do Sul existem neste programa aproximadamente 1.400 famílias inseridas. Também o Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC) com 620 pessoas.

“Estamos iniciando um processo de transição com a atual gestão do município, dialogar para identificar os processos que estão em andamento, dialogar com as equipes que já tem uma história de trabalho junto a política de assistência social, para reconhecer o que já existe estruturado e organizado no município e identificar as demandas para expandir e qualificar o atendimento da população”, relata.

Segundo ela, a expectativa é de que na política de assistência social se possa “avançar na perspectiva de garantia de direitos e não de favores é um grande desafio que tenho a expectativa de pautar durante a nossa gestão”. Seu pensamento é de que junto disso vem a construção de um processo democrático e participativo, com servidores municipais, profissionais da rede e usuários do serviço, na plataforma de gestão.

“O fortalecimento da garantia de direitos e fortalecimento do processo democrático podem contribuir para a ampliação do atendimento da população, sejam elas moradoras da área urbana ou rural, que possam acessar serviços de qualidade, sabendo que o poder público municipal busca assumir o seu compromisso em relação a quem se encontra em uma situação de vulnerabilidade ou risco social”, afirma.

Luciana Pavowski Franco Silvestre opina que a “pandemia evidenciou e agravou um quadro de desigualdade presente historicamente no Brasil”. As pessoas em situação de vulnerabilidade social acabaram ficando, ainda mais expostas. Isso por conta do desemprego, diminuição da renda, da ausência da oferta de serviços como as aulas presenciais. O que configura este entendimento.

A futura secretária avalia que o Centros Municipais de Educação Infantis e serviços de convivência dividem com a família o papel de cuidado e proteção social. “Estes fatores contribuem também para o aumento de situações de conflito e violações de direitos em decorrência da permanência prolongada de convivência, estresse e algumas vezes até mesmo diante do aumento do uso de substâncias psicoativas”, cita.

“Para os idosos, identificamos durante a pandemia o aumento do isolamento visando os cuidados necessários de saúde, mas ao mesmo tempo, o agravamento dos quadros de saúde mental, principalmente depressivos, pela ausência de convivência, afeto e contato com familiares e amigos, por isto a importância dos serviços de convivência”, acrescenta a assistente social Luciana.

O entendimento dela é que, se o isolamento for prolongado, os municípios terão de adotar estratégias diferenciadas e política de assistência social. Luciana Pavowski Franco Silvestre morou em São Mateus do Sul até os seus 17 anos, quando mudou para os Campos Gerais e, em Ponta Grossa, cursou a graduação em Serviço Social na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

Seguido de mestrado e doutorado em Ciências Sociais Aplicadas pela mesma instituição. “Sou servidora pública estadual há 14 anos”, completa. “A minha família é são-mateuense, minha mãe Lorena Adair Pavowski Silvestre e meu pai João Adir Franco Silvestre, irmãos, avós, tios e primos, além dos amigos. Por isto a convivência com o município nunca deixou de acontecer”, acrescenta.

Em Ponta Grossa ela conheceu o marido, Pablo. Com o esposo, mineiro, também residindo em Ponta Grossa, tem dois filhos: Marcos Vinicius com 11 anos e João Pedro com 10 anos, “com quem aprendo todos os dias da minha vida”, relata. “Estudei na escola municipal Odemira Cunha e Colégio Estadual São Mateus do Sul. Quando eu estava no 3º ano do ensino médio fiz um ano de estágio na creche da Vila Bom Jesus”.

Neste período, sua tia Márcia, atual secretária municipal de educação, era diretora. “Na época as creches ainda estavam vinculadas a política de assistência social e foi com esta experiência que eu pude conhecer a realidade de risco e violência que fazem parte da vida de muitas crianças e adolescentes no nosso país”, enumera sua história de vida e vínculo com São Mateus do Sul.

Este trabalho na creche lhe deu um norte de vida. “Esta experiência me move desde então, a estudar e buscar me qualificar profissionalmente para atuar na luta pela garantia de direitos e pela diminuição da desigualdade social, este é o meu compromisso profissional”, acrescenta a futura secretária de Assistência Social.

Saúde pública

“Recebi o convite com muita alegria, pela confiança que nossa prefeita Fernanda Sardanha e o Adão, vice-prefeito tiveram em meu trabalho”, ressalta a futura secretária de Saúde, Marly Perrelli. Experiente em saúde mental, ela tem um extenso currículo acadêmico e de vida profissional, em ações de auxílio como psicóloga voluntária no acidente da Chapecoense, em Brumadinho, no Haiti, na África.

Além da telepsicologia no Paraná, no apoio as pessoas infectadas com a Covid-19. Inicialmente, Marly cita de que está tratando da transição de governo com o secretário atual da pasta, Wagner Wolff, onde foi bem recebida e está buscando conhecer mais sobre os programas e ações da secretaria que irá comandar. A Covid-19 é tida como a questão central, o principal desafio da sua futura gestão.

Marly Perrelli.

“Primeiramente avaliar a demanda da população relacionada aos serviços de saúde do município. Gosto muito de ouvir e estar próximo as pessoas no sentido da escuta, estar próximas a elas é importante no sentido de acolher as necessidades e demandas a curto, médio e longo prazo”, cita sobre as expectativas. Projetando um trabalho sedimentado nas pautas propostas em campanha e plano de governo.

“Construção de políticas públicas relacionados a saúde da mulher, programa Mãe são-mateuense de atenção à gravidez e pré-natal, revitalização das unidades básicas de saúde, promoção da vida saudável com autocuidado e resgate; ampliação de ações preventivas de saúde e ampliação do quadro de médicos especialistas, fortalecimento e construção da rede de Saúde Mental do município, entre outras propostas”, frisa.

A nova secretária menciona o cuidado com a saúde mental, um dos elementos centrais da sociedade pós-pandemia e cita as estratégias que pretende adotar. “O desafio da pandemia e pós-pandemia são globais e após uma vivência desta magnitude precisamos entender que o comportamento de distanciamento social é necessário para evitar a propagação da Covid-19”, explica.

“A Saúde mental da população foi afetada e potencializada alguns transtornos mentais como: depressão, síndrome de pânico, transtornos de ansiedade, entre outros, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). A maneira de lidar com essas questões é fortalecer os projetos relacionados ao apoio psicossocial no programa ‘Cuidando da Saúde Mental e emocional’ dentro da atenção básica”, acrescenta.

Segundo ela, a “Cruz Vermelha e a OMS indicam intervenção chamada ‘Primeiros Socorros Psicológicos’, indicados para situações extremas que têm base no apoio psicossocial da população bem como os profissionais linha de frente”. Justamente sua especialidade mais evidente e contemporânea, quando dos trabalhos no acidente da Chapecoense, em Brumadinho, no Haiti e na África.

Outro ponto é o atendimento em saúde, mais humanizado. Marly Perrelli cita a estratégia para isso. “Acredito imensamente no processo de humanização do atendimento em saúde, pois a pessoa atendida busca além de tratar seu problema de saúde, busca também um tratamento com dignidade e respeito, pois está em um momento de vulnerabilidade e precisa ser bem tratado”, afirma.

“Para isso ocorrer iremos ter programas de qualificação constante dos profissionais de saúde sobre atendimento humanizado e também será disponibilizado a população formulários para avaliar os serviços de saúde e denunciar maus tratos se for o caso na ouvidoria do município. Os profissionais ligados ao atendimento serão avaliados também em sua performance no atendimento à população”, destaca.

Nascida em São João do Triunfo, filha João Alberto Perrelli (agricultor) e Maria da Trindade Perrelli (professora aposentada), a futura secretária tem seis irmãos. “Sou casada com Mozart Tosin e tenho dois filhos Eduardo Perrelli Tosin (estudante de direito) e Mariana Perrelli Tosin (estudante de medicina)”, ressalta. “Tenho mestrado e doutorado em Psicologia, sou presidente do Sindicato dos Psicólogos do Paraná.”

Marly Perrelli foi, também, representante setorial do Conselho Regional de Psicologia. “Atuo como psicóloga há 30 anos em São Mateus do Sul. Atuei como psicóloga voluntária no acidente da Chapecoense, em Brumadinho, no Haiti, na África e em telepsicologia no Paraná no apoio as pessoas infectadas com a Covid-19”, relata sobre sua experiência profissional e de vida.

Nota da redação:

Liliane Franco Santana (professora de geografia e pedagoga) é a indicada para a pasta de Educação, Cultura e Turismo. Por meio da assessoria o retorno das informações foi enviado no fechamento da reportagem, não dando tempo de colocar nesta edição, ficando para a próxima edição. Quanto ao departamento de Obras, a equipe do novo governo informou que Alexssandro Linares (topógrafo) está integrado ao trabalho de transição e se comprometeu em fornecer dados sobre ele e proposta de trabalho para a próxima edição também.

Sidnei Muran

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Projeto Parlamento Jovem do Tribunal Regional Eleitoral do estado elege 9 vereadores mirins em São Mateus do Sul
Vereadores prestam homenagem aos enfermeiros e discutem cessão de áreas
Alan Jaros se apresenta como pré-candidato em Antônio Olinto