(Imagem Ilustrativa)

Agora que o fim se aproxima e me preparo para o último ato, vou dizer claramente: vivi plenamente. Segui por diversos caminhos e em cada estrada percorrida, eu fiz à minha maneira.

Arrependimentos, tive alguns. São poucos para mencionar. Fiz o que precisava ser feito.

Planejei cada passo, fui cuidadoso ao longo do caminho, em cada atalho e mais, muito mais do que isso, eu fiz à minha maneira.

Sim, houve momentos em que peguei muito mais do eu podia engolir, tentei passos maiores que minhas pernas, mas voltei atrás. Tive dúvidas, mas enfrentei tudo e mantive-me firme e fiz do meu jeito.

Eu amei, ri, chorei. Tive minhas falhas, minha parte nas derrotas. Agora que as lágrimas escorrem, acho que tudo isso foi tão divertido, pois consegui fazer tudo isso. Posso dizer, sem timidez: eu fiz do meu jeito.

O que é o homem? O que ele tem?

Se não é ele mesmo, não tem nada! Precisa dizer as coisas que ele realmente sente. A história mostra que eu levei golpes, mas fiz do meu jeito. Sim, foi do meu jeito.

Talvez você ache o texto abaixo um tanto arrogante e não verdadeiro. Eu acho que ela está no limite entre arrogante e sonhador. Esta é uma versão, com certeza, com falhas de tradução ou de interpretação da canção My way, imortalizada na voz de grandes nomes como Frank Sinatra, Elvis Presley e outros tantos grandes cantores famosos e anônimos.

A versão em inglês, que fez sucesso a partir de 1968, inicialmente nas vozes de Sinatra e Anka, tem origem numa canção francesa “Comme d’Habitude”, modificada. Anka quando adaptou a letra da canção original, que descrevia um homem em um relacionamento desgastado, pensou em fazê-la para que fosse cantada por Sinatra, do jeito dele.

Apesar de dividir a preferência do público com New York, New York, Sinatra dizia não gostar da canção, justamente por não se considerar pretensioso. Nem se poderia fazer associação com o pensamento do cantor, já que ele tinha apenas 45 anos quando a cantou pela primeira vez, porém trazia alguns traços do seu amor-próprio, de certa forma, acentuado. Mas o aspecto teatral de suas apresentações e a capacidade de Frank de enchê-la de sentimento foi a chave para o sucesso.

No fundo, no fundo, cada um de nós gostaria de dominar quase que totalmente a própria vida, seguir como planejado, comemorar as conquistas, como diz a canção “fazer do seu jeito”, mas na maioria das vezes isto não é possível. Ainda mais que viver isoladamente não é possível, nem desejável. Assim, nem sempre dominamos nossas escolhas.

Então, cada um de nós pode definir o seu caminho, fazer do seu jeito. É só reescrever a letra da canção e encher de sentimento, com sua própria interpretação.

Adnelson Borges de Campos
Últimos posts por Adnelson Borges de Campos (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
A escola do futuro
Como encarar o fim de uma vida
É preciso acreditar nas pessoas