Política e Cidadania

Gazeta Informativa entrevista candidatos à prefeitura de São Mateus do Sul

Prefeitura de São Mateus do Sul.

Prefeitura de São Mateus do Sul.

No dia 2 de outubro, nos municípios de todo o país, acontecem as eleições para prefeito, vice e vereadores. Em São Mateus do Sul, 32.779 eleitores estarão aptos a votar, quase 1,8 mil a mais do que nas eleições municipais de 2012. Para ajudar na hora de escolher seu voto, o jornal Gazeta Informativa conversou com as quatro chapas que concorrem à Prefeitura Municipal.

Neste ano, disputam o cargo de prefeito e vice do município: Clóvis Distéfano (PSC), com Enéas Melnisk (PPS) como vice; Francisco Luiz Ulbrich (PMDB), com vice Adão Staniszewski (PMDB); Hemerson Baptista (PC do B), com vice Cristiano Sabchuk (PC do B); e Luiz Adyr Gonçalves Pereira (PSDB), com vice José Stuski (PSD). E a disputa vai ser grande por uma das nove cadeiras da Câmara Municipal de Vereadores, pois 101 candidatos estão na disputa.

Para não desperdiçar o voto é fundamental escolher um bom candidato, pois nada adianta ter o direito de votar e acabar elegendo pessoas que não estão interessadas no bem da sociedade. Portanto, o primeiro passo é conversar com os amigos e familiares para trocar opiniões, ler jornais e ficar atento às notícias. Depois é a hora de analisar o candidato e seus parceiros e colaboradores: um candidato nunca está sozinho! Junto com eles existem pessoas que trabalham para ajudá-lo. Fique atento ao passado do candidato, veja o que ele já fez de positivo para a comunidade, além de ser muito importante conhecer a pessoa que irá te representar pelos próximos 4 anos. É interessante, também, analisar as propostas e as promessas de campanha, questionar sobre o plano de governo e o que ele pretende realizar em sua gestão. Porém, o que mais importa é saber votar com consciência, estar ciente de que não irá desperdiçar esse exercício de cidadania.

Conheça então, o histórico profissional e político de cada um dos candidatos:

Da direita para a esquerda, Clóvis Distéfano (PSC), com Enéas Melnisk (PPS) como vice. (Foto: Gazeta Informativa)

PERFIL

Clóvis Distéfano
Clóvis José Gugelmin Distéfano, 49 anos, é candidato a prefeito pelo PSC na coligação Caminhando Juntos (PSC e PPS). Natural de São Mateus do Sul, advogado, casado e tem 2 filhos. Entrou na administração municipal em 2013, como vice-prefeito, ao lado de Clovis Ledur (PT), que optou por não se candidatar à reeleição. Seu grau de instrução é superior completo. Patrimônio declarado: R$ 40.570,23.

Enéas Melnisk
Enéas Jeferson Melnisk, 40 anos, é candidato a vice-prefeito pelo PPS. Natural de São Mateus do Sul, casado e tem dois filhos. Atualmente é advogado, especialista em gestão pública municipal. Foi professor, secretário de governo por duas vezes, já assessorou prefeituras e câmaras e ocupa o mandado de vereador pela terceira vez, sendo o atual presidente. Seu grau de instrução é superior completo. Patrimônio declarado: R$ 319.000,00.

ENTREVISTA

GI: O que os credencia a ser prefeito e vice de São Mateus do Sul?

Clóvis: Temos um projeto novo para São Mateus do Sul. A experiência adquirida nestes 4 anos no cargo de vice-prefeito me credencia a ocupar o cargo de prefeito.Sei a dura realidade financeira que o município enfrenta, fruto da crise momentânea que assola nosso país. Não é uma crise que afeta apenas nosso município, basta verificar a situação de várias outras cidades. Tenho conhecimento profundo desta dura realidade.
Sei o que precisa ser feito.
Enéas: O que me credencia a ser vice prefeito de São Mateus do Sul, além do conhecimento e da experiência acumulada nestes últimos dez anos, é o projeto novo do meu candidato a prefeito, Clóvis Distéfano, e o fato de que não há mais espaço na Administração Pública para cargos que são remunerados, como o de vice-prefeito, sem que exista a necessidade de trabalhar. Há uma grave crise de emprego em nosso país e quando as pessoas procuram o prefeito municipal e ele precisa se ausentar da prefeitura acabam perdendo tempo porque o vice, que recebe, encontra-se cuidando da sua vida particular. Por isto as pessoas não aceitam mais esse tipo de privilégio e por que percebi que os outros candidatos não terão essa responsabilidade, como o Clóvis Distéfano teve e como eu procurarei fazer ainda melhor, no cargo de vice.

GI: Como vocês veem a cidade no passado, no presente e no futuro?
Clóvis: Penso que perdemos muito tempo no passado. Deixamos escapar o momento de investir na atração de estabelecimento de ensino superior como fizeram Irati, União da Vitória e Canoinhas, citando apenas os municípios vizinhos. Não foi investido no passado em infraestrutura para atração de empresas em nosso município. Foi sempre realizada uma política feijão com arroz. Sem grandes novidades.
Atualmente apesar de toda crise instalada no país, vejo empresas novas se instalando em nosso município, vejo também as empresas locais se modernizando, melhorando suas instalações. As empresas locais estão acreditando mais em São Mateus do Sul.
No início da atual gestão, muitos imóveis da área industrial estavam sem utilização. Já em 2013, foram doados praticamente todos os imóveis, obedecendo a critérios legais, e hoje, mais de 15 empresas estão se instalando lá. E melhor ainda, a grande maioria são empresas daqui. Empresas que estão ampliando sua área de atuação aumentando receita, renda e emprego aos nossos cidadãos. Penso que um gestor moderno não deve se preocupar apenas com os 4 anos de sua gestão, mas sim pensar em um projeto de futuro, para no mínimo 20 anos.
É com esse pensamento que eu quero mudar a realidade de São Mateus do Sul.
Enéas: Perdemos muito tempo no passado, principalmente com o desenvolvimento do nosso município. Basta lembrar que sequer uma indústria poderia ter vindo se instalar em nosso município porque o parque industrial virou depósito de entulho e hoje ele está todo compromissado com empresas que precisam de espaço para aumentar seus negócios e gerarem mais empregos. Mas precisamos de um outro espaço. Atualmente vários planos foram criados pela atual administração pensando no futuro do Município, como o de arborização urbana que inclusive foi premiado. Há outros planos que devem ser projetados ainda, como o de mobilidade urbana e o convênio que queremos firmar com a Agência Paraná de Desenvolvimento que irá preparar o nosso município para um novo desenvolvimento. No futuro esses planos trarão uma cidade moderna e com desenvolvimento sustentável.

GI: O que pretendem fazer de diferente caso sejam eleitos?
Clóvis: Conduzirei a administração com muito rigor financeiro, porém sem retirar as conquistas dos Servidores Públicos. A grande diferença da nossa gestão será a participação da sociedade civil organizada na discussão dos projetos que nossa cidade precisa. Quero ouvir os conselhos, ouvir a comunidade. Governar sem ser ditador, sem impor apenas as minhas ideias, porém com muita determinação e responsabilidade.
Enéas: O que faremos de diferente é conduzir a administração pública com rigor financeiro. As conquistas dos servidores públicos e dos professores municipais serão respeitadas e ampliadas. Haverá uma maior participação da sociedade civil. Queremos manter um maior contato principalmente com núcleos, conselhos, associações de moradores e agricultores, buscando no diálogo a melhor saída para resolver os problemas da cidade, o que difere das gestões passadas.

GI: Exponham suas principais ideias e projetos de governo para o município?
Clóvis: No atual governo grandes avanços foram realizados na área da Saúde, da Educação, do Meio Ambiente, do Esporte, da Indústria e Comércio, modernização administrativa e Assistência Social.
No meu Governo, vou manter essas conquistas, porém vou mais longe. Vou tratar com muito carinho a revitalização e reurbanização de nossa cidade. Tanto no centro como nas vilas. Tenho um excelente projeto para melhorar as estradas do interior, melhorando assim o escoamento de nossa safra. Hoje nossa economia depende muito do povo do interior. A comunidade do interior tem que ser melhor atendida no que se refere as estradas. Vamos adquirir um britador móvel para explorar diversas pedreiras que temos em várias localidades. A pedra que hoje temos não tem durabilidade. É cara e não aguenta muito tempo. Temos que achar outras alternativas. A aquisição do rolo compactador e utilização da pedra do Turvo mostrou um grande avanço, uma mudança de visão para melhorar as estradas.
Além disso, temos que focar na geração de emprego e renda. E só será possível se caminharmos em duas frentes. Fortalecendo os setores do nosso empresariado local, empresas já instaladas em nossa cidade, que aqui se fixaram porque acreditam na força de nossa cidade e em outro ponto buscar condições para atrair investimentos de novas empresas que queiram se instalar aqui. Para que isso aconteça, temos que cobrar agilidade na construção do gasoduto, a ser implantado pela Compagás, cobrar a duplicação da BR-476, e gestionar através da Agência Paraná de Desenvolvimento a atração de investidores para nossa região bem como o diferimento do ICMS às empresas que se instalarem em nosso município.
Enéas: Vamos tratar da mobilidade urbana com maior empenho e revitalização e reurbanização da nossa cidade. Precisamos melhorar as estradas rurais através de um projeto regionalizado com a aquisição de mais maquinários além dos já adquiridos nesta administração, como rolo compactador e carreta e adquirir um britador móvel.
Com o atual avanço social do município que é a 17ª melhor cidade para se viver no país, ele está preparado para outras prioridades, como a urgente geração de emprego e renda, meta mais importante da nossa gestão.


Da direita para a esquerda, Francisco Luiz Ulbrich (PMDB), com vice Adão Staniszewski (PMDB) (Foto: Divulgação)

PERFIL

Francisco Luiz Ulbrich (Tiquinho)
Francisco Luiz Ulbrich (Tiquinho), 69 anos, é candidato a prefeito pelo PMDB na coligação Por um amanhã melhor (PMDB, PR, PT, PDT, REDE, PSB, PSL, PTN, PEN, PV, PTB). Natural de São Mateus do Sul, empresário, casado e tem três filhos. Possui experiência na área política e na administração pública. Sua vida pública iniciou-se em 1976. Já foi vereador, vice-prefeito e posteriormente prefeito da cidade no período de 2005 a 2008. Seu grau de instrução é superior completo. Patrimônio declarado: R$ 378.389,63.

Adão Staniszewski
Adão Brudnicki Staniszewski, 42 anos, é candidato a vice-prefeito pelo PMDB. Natural de São Mateus do Sul, empresário, casado, dois filhos. Seu grau de instrução é ensino médio completo. Patrimônio declarado: R$ 414.151,75. É a primeira vez como candidato, apenas apoiou  outros candidatos em outras eleições.

ENTREVISTA

GI: O que os credencia a ser prefeito e vice de São Mateus do Sul?
Tiquinho: O que me credencia é a minha vasta experiência como administrador público juntamente com o desejo de fazer crescer e desenvolver a cidade onde nasci e fui criado.
Conheço a realidade do município tanto no quadro urbano como no rural. Sempre participei da política em nossa cidade, amo essa terra, somos uma família, quero o bem de todos e um futuro brilhante e acolhedor para a família são-mateuense.
A experiência adquirida por tantos anos de vivência na militância política, qualifica-me para poder exercer o mais alto cargo municipal, visto que um gestor público para administrar um município como o nosso precisa de um vasto conhecimento em todas as áreas.
Adão: A imagem do vice-prefeito esteve por muitas vezes atrelada a um personagem meramente ocasional, mudarei este estigma trabalhando ativamente para consolidar junto ao prefeito projetos para melhoria da cidade. Nossas propostas incluem todos os setores da prefeitura e acredito que minha experiência como agricultor e empreendedor refletirá positivamente no setor agrícola aonde batalharemos para consolidar o apoio principalmente ao pequeno produtor.

GI: Como vocês veem a cidade no passado, no presente e no futuro?
Tiquinho e Adão: São Mateus do Sul é uma cidade que sempre teve potencial para crescer e com muitas riquezas naturais. Batalharemos muito para fazê-la melhor, buscando apoio em todas as esferas.

GI: O que pretendem fazer de diferente caso sejam eleitos?
Tiquinho e Adão: No momento, uma das nossas principais propostas estão baseadas em viabilizar a geração de mais empregos e no início da construção de um novo hospital em São Mateus do Sul.

GI: Exponham suas principais ideias e projetos de governo para o município?
Tiquinho e Adão: Concordamos que a crise econômica da qual o país está passando, teve como causa uma série de erros administrativos e principalmente políticos, mas precisamos reverter essa situação com trabalho e dedicação de cada um de nós, esperando também que os governantes façam a sua parte, porque com certeza absoluta o povo com seu trabalho sempre fez e continua fazendo. As nossas propostas são baseadas na necessidade da descentralização de poder e abertura direta à população. Entendemos os anseios dos cidadãos e seguirá, com a ajuda deles, na construção de uma cidade melhor, nos setores: Educação. Saúde, Agricultura, Cultura e Turismo, Segurança, Emprego, Infraestrutura, Esporte e lazer, Transporte, Administração, Habitação.


Da esquerda para a direita, Hemerson Baptista (PC do B), com vice Cristiano Sabchuk (PC do B) (Foto: Gazeta Informativa)

PERFIL

Hemerson Baptista
Hemerson Baptista da Silva Cardoso, 44 anos, empregado da Petrobras, natural de Caxias do Sul (RS) e casado, com dois filhos. É candidato a prefeito de São Mateus do Sul pelo PC do B. Graduado em Ciências Contábeis e especialista em Gestão Pública e Responsabilidade Fiscal. Passou a se envolver diretamente na política como ativista digital, quando manteve o blog Vivasamas no qual escrevia artigos de opinião. Nas eleições passadas, foi candidato a vereador pelo PT. Participou no primeiro ano do atual governo municipal a frente da Secretaria de Planejamento. Em 2013 ajudou a fundar o Partido Comunista do Brasil em São Mateus do Sul, sendo o atual presidente do diretório municipal. Possui patrimônio de R$ 300 mil. O PCdoB não coligou com nenhum outro partido.

Cristiano Sabchuk
Cristiano Matheus Sabchuk, é candidato a vice-prefeito, tem 29 anos, nasceu em Curitiba, e logo a família mudou-se para São Mateus do Sul. Ainda criança, voltou a morar na capital paranaense. Em 2006, com 19 anos de idade, passou no concurso da Petrobras e assumiu o cargo de técnico de contabilidade na SIX. Está concluindo a graduação em Ciências Contábeis. É casado e tem um filho pequeno. Seu patrimônio soma R$ 180 mil.

ENTREVISTA

GI: O que os credencia a ser prefeito e vice de São Mateus do Sul?
Hemerson e Cristiano: Visão estratégica, conhecimento de administração pública e, principalmente, vontade de trabalhar pelo povo e com o povo. Essas são as três principais credenciais para que tenhamos a honra de servir a São Mateus ocupando os cargos de prefeito e vice-prefeito. Essa responsabilidade só pode ser assumida por lideranças que compreendam e respeitem as necessidades da população, priorizando as pessoas mais pobres. Somos credenciados ao cargo por sabermos que a Prefeitura é o elo entre a vontade popular e o desenvolvimento social, cultural e econômico do município. É algo muito mais amplo e complexo do que administrar uma empresa. Temos senso humanitário e também a capacidade técnica necessária para um bom exercício do mandato.

GI: Como vocês veem a cidade no passado, no presente e no futuro?
Hemerson e Cristiano: Vemos que foram perdidas muitas oportunidades para que São Mateus criasse estruturas melhores para o seu desenvolvimento. Por muito tempo estamos vivenciando na administração do município as velhas práticas politiqueiras. É preciso romper essa maneira equivocada de se fazer política, cujas ações são na maioria das vezes imediatistas e eleitoreiras. O futuro de São Mateus só será melhor se mudarmos a forma de agir na administração pública. Mudar o método de trabalho é essencial para o futuro do município.

GI: O que pretendem fazer de diferente caso sejam eleitos?
Hemerson e Cristiano: Vamos buscar, com forte parceria dos servidores, uma administração tecnicamente bem estruturada. Essa estrutura estará sempre a serviço do bem coletivo de todos os moradores, sem distinção ou discriminação. Ao passo que daremos melhores condições à Prefeitura, também incentivaremos lideranças comunitárias para se organizarem com seus vizinhos, a fim de trabalharem as prioridades dos locais onde vivem. A voz principal a definir as ações governamentais será a voz do povo, através de seus líderes comunitários. Há muito tempo observamos que a maioria das decisões da Prefeitura surgem de pouquíssimas pessoas, quando não apenas da cabeça do prefeito. Isso nós vamos mudar. Vamos orientar, instruir as lideranças comunitárias e compartilhar com o povo a responsabilidade de definição das ações prioritárias em cada área e em cada lugar.

GI: Exponham suas principais ideias e projetos de governo para o município?
Hemerson e Cristiano: Nosso plano de governo é estruturado na forma de planejamento estratégico, com missão, visão de futuro, valores, perspectivas, objetivos e ações bem definidas. O plano pode ser visto com mais detalhes pela internet no blog hb65.com.br. Nosso carro chefe são os “Governos Comunitários”. Conversaremos com líderes já atuantes ou potenciais. Convidaremos para que formem uma estrutura com sete pessoas para cuidarem da sua comunidade, rua ou grupo social nas seguintes áreas de administração pública: saúde, educação, meio ambiente, social, economia e planejamento. São seis áreas coordenadas por um(a) “prefeito(a) comunitário(a)”. É a mesma estrutura orgânica proposta para a Prefeitura, caso nosso programa vença as eleições.


Da esquerda para a direita, Luiz Adyr Gonçalves Pereira (PSDB), com José Marciniak Stuski (PSD) como vice. (Foto: Divulgação)

PERFIL

Luiz Adyr
Luiz Adyr Gonçalves Pereira (PSDB), 62 anos, é candidato a prefeito de São Mateus do Sul pelo PSDB na coligação Unidos por São Mateus (PSDB / PMB / PSDC / DEM / PSD / PT do B / PROS / SD / PHS / PRB / PP). Formado em Odontologia pela UFPR, pós-graduado pela EAP de Ponta Grossa, atualmente produtor rural, foi vereador, relator da Lei Orgânica, presidente da câmara  e,  por três mandatos, prefeito do município. Nascido em São Mateus do Sul em 10/06/1954, é casado e tem três filhos. Possui patrimônio declarado de R$1.324.407,48.

Stuski
José Marciniak Stuski (PSD),  65 anos, é industrial, foi vereador e vice-prefeito. Nasceu em São Mateus do Sul em 16/6/51, é casado e tem três  filhos.  Tem patrimônio declarado de R$ 246.593,97. É candidato a Vice na chapa e coligação de Luiz Adyr.

ENTREVISTA

GI: O que os credencia a ser prefeito e vice de São Mateus do Sul?
Luiz Adyr: Sempre apresento como credencial, com muito boa receptividade, o meu trabalho anterior. O comprometimento, as gestões responsáveis, os recordes sucessivos de obras e de investimentos, a implantação de serviços inéditos como o plantão médico 24 horas – e, sempre, com as finanças da Prefeitura em ordem, com os compromissos em dia, dando tranquilidade a fornecedores, contratados, funcionários… O bom gerenciamento, que recebeu reconhecimento público de entidades como a Confederação Nacional dos Municípios e o Conselho Federal de Contabilistas. E que permitiu realizar investimentos de vulto, com efeitos multiplicadores positivos na economia do município. São exemplos a compra de gleba de 285.000 m2 para criação do Distrito Industrial e a conclusão da Usina de Calxisto que, junto com a grande ampliação que fizemos do parque máquinas e caminhões, deu novo ritmo aos trabalhos nas estradas rurais.
Stuski: Minhas credenciais são o trabalho de muitos anos na vida pública, o meu conhecimento amplo das necessidades do município, a vontade de ajudar nossa população, e o meu entrosamento muito grande com o Luiz Adyr. Tenho orgulho de me apresentar e conviver com os eleitores da forma como sou; me sinto à vontade junto com as pessoas trabalhadoras, simples e honestas que lutam por uma vida melhor, como eu também sempre lutei. Quero contribuir para que o município cresça, que haja mais oportunidades de trabalho, de rendas, para que as pessoas possam crescer junto, possam sempre melhorar de vida. Acho que a política, para quem é bem intencionado, é uma ferramenta importante para ajudar nisso.

GI: Como vocês veem a cidade no passado, no presente e no futuro?
Luiz Adyr: Nos últimos 60 anos, São Mateus descolou de uma realidade de estagnação econômica que era característica da região sul e centro-sul do Paraná até recentemente. Fomos o destaque de crescimento populacional na região, o que é ótimo, mas gera responsabilidades e encargos pesados para o setor público. É por isso que competência e seriedade no uso dos recursos são indispensáveis na nossa Prefeitura. No presente, vejo dificuldades no município como reflexo da crise do país, embora continuemos diferenciados para melhor. Há um agravante sério, que pode complicar tudo: a crise financeira em que está mergulhada nossa Prefeitura, que já prejudica fornecedores, contratados e entidades. É algo injustificável porque, nos últimos anos, houve grande aumento das receitas da Prefeitura (bem acima da inflação) ao contrário do que se alega. A receita corrente líquida anual passou de R$ 62,4 milhões em 2012 para R$ 86,5 milhões em 2015 e R$ 89,2 nos doze meses encerrados em junho, último dado publicado. Cabe lembrar também que a Prefeitura é a maior empregadora do município. Quanto ao futuro, vamos torcer (e trabalhar muito, se eleito) para que seja melhor, como pode e deve ser.
Stuski: O passado teve épocas de ouro (ciclo da madeira, da erva-mate, da navegação), depois um declínio nos anos 50-60 e a partir daí um crescimento firme, muito devido à Petrobras e à Usina de Xisto. Nos últimos tempos, a agropecuária vem crescendo, e para que isso continue a Prefeitura tem que investir muito nas estradas do interior. Para o futuro, além de apoiar a agropecuária, temos que buscar indústrias, temos que fomentar o turismo, temos que buscar parcerias para os investimentos que gerem empregos e rendas. E temos sempre que acompanhar e apoiar o crescimento das atividades da Petrobras, através do Xisto Agrícola, da produção de fertilizantes etc.

GI: O que pretendem fazer de diferente caso sejam eleitos?
Luiz Adyr: Prefiro responder que vou fazer o que acho certo: administrar com responsabilidade, otimizando o uso dos recursos próprios, que são escassos; priorizar os setores da saúde, da educação e o apoio ao meio rural; buscar ajudas e parcerias que complementem as muitas necessidades de investimentos do município e cobrar dos governos estadual e federal as obras e serviços de sua alçada que nos afetam (atendimento hospitalar, investimentos em rodovias, em escolas); procurar mobilizar as energias de nossa sociedade (hoje muito presentes, em várias iniciativas comunitárias), no sentido de promover o desenvolvimento econômico e social e a qualidade de vida da nossa população.
Stuski: Se formos eleitos, pretendo ajudar e participar da gestão do Luiz Adyr por meio do meu contato permanente com os vários setores da população. O Prefeito nem sempre tem tempo de fazer isso, já que fica absorvido pelas muitas outras tarefas do cargo. Vou fazer essa “ponte”, porque sinto que tenho a confiança do eleitorado para isso.

GI: Exponham suas principais ideias e projetos de governo para o município?
Luiz Adyr: A agenda de trabalho necessária não tem segredos, mas tem muito esforço pela frente. É urgente recompor o equilíbrio financeiro-orçamentário da Prefeitura e, com isso, a sua capacidade de prestar com eficiência os serviços que lhe cabem, na saúde, na educação, na conservação das estradas e das áreas urbanas, e no cumprimento das obrigações. É preciso atuar na busca de recursos de outras fontes, como os ministérios federais, secretarias do estado e agências de fomento, através de projetos tecnicamente bem feitos e de ação política e administrativa eficientes. Temos que fomentar e promover o desenvolvimento econômico e a geração de empregos e rendas, buscando parcerias empresariais – sendo que, também para isso, será necessário recompor a capacidade do município arcar com os custos e incentivos envolvidos (como compra de terrenos, preparo de infraestrutura etc.). Por falta de espaço aqui, peço aos leitores que vejam mais detalhes das minhas propostas no site de campanha, www.luizadyr.com.br.
Stuski: Participei das reuniões com Luiz Adyr e vários outros colaboradores, preparando as propostas de gestão que estão no site de campanha. Nossas ideias estão ali, mas vou resumir aquelas de que participei mais: atender as necessidades das vilas, tanto em obras como na prestação de serviços (creches, escolas, saúde, esportes); apoiar o crescimento e a diversificação da agropecuária, como principal atividade econômica do município.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Apresentação na Câmara de Vereadores defende a preservação de prédio histórico
População fica indignada por vereadores votarem aumento do próprio salário
Cida Borghetti, Osmar Dias e Ratinho Junior oficializam candidatura para o governo do Paraná

Os comentários estão fechados