Administração e Negócios

Gerenciando o estoque

Facilmente podemos observar a importância das vendas para o sucesso de um empreendimento. Mas quanto de nossa energia está sendo direcionada para a gestão dos estoques?

O gerenciamento do estoque está diretamente atrelado com a gestão de compras de uma empresa, pois é uma estratégia eficiente obter os itens necessários no momento certo e com bons preços. Essa integração permite ótimos resultados, visto que a falta de produtos ou materiais pode resultar na perda de vendas ou interrupção do processo produtivo. Por outro lado, o excesso de estoque pode desiquilibrar a empresa financeiramente, pois estoque parado significa perda de dinheiro.

Portanto, administrar os estoques é administrar as demandas. Não adianta estocar grandes quantidades de itens que possuem baixa procura. Mas em compensação é preciso ter sempre disponíveis os produtos mais vendidos.

Então, como gerenciar o estoque sem causar muito impacto no caixa da empresa? Gerenciando-o com precisão, essa é a melhor resposta.

Primeiro é preciso planejar as compras, considerando qual o melhor momento para comprar e qual a quantidade necessária. Um bom modo de planejar as compras futuras é avaliando o histórico de consumo e as informações sobre as demandas de seus clientes. Isso faz com que seja comprado apenas os itens necessários para um bom giro, reduzindo assim a perda de materiais e dinheiro e ainda evita desperdícios, desvios e roubos.

Também é preciso calcular o custo de adquirir e manter o estoque, e sempre tê-lo como balizador, nunca fugindo desse controle. Muitas vezes uma proposta considerada irrecusável feita pelo fornecedor pode representar uma dor de cabeça futura. Conhecer e respeitar os custos de manutenção do estoque, é uma ótima maneira de evitar esse problema.

O inventário é de extrema importância, pois relaciona todos os itens e suas quantidades e permite uma fácil codificação e organização dos produtos em estoque. Em paralelo é preciso definir um método para bem controlar a entrada e saída de materiais e produtos. Medidas extras como ficha de controle de materiais e ordem de reposição, contribuem para uma boa gestão.

Ainda é preciso determinar o estoque mínimo, o máximo e o ponto de reposição. O estoque mínimo é a definição da quantidade de materiais e produtos que permita uma margem de segurança diante de imprevistos, como aumento da demanda ou atrasos de entrega. Para o estoque máximo é preciso considerar o espaço físico e a capacidade de investir sem comprometer o capital de giro. E para o ponto de reposição é preciso identificar o momento em que será preciso reabastecer o estoque com a quantidade dos itens faltantes.

A continuidade dessa gestão será garantida pela classificação do estoque. Para tanto é necessário acompanhar o giro dos produtos para saber quais são os com maior giro e também os que mais ficam parado no estoque. Alguns itens têm alta taxa de uso e sua falta decepcionaria muitos clientes. Outros, por terem valores altos, se estocado em excesso, certamente aumentam os custos.

Uma ótima maneira de classificar o estoque é por meio da Curva ABC. Uma ferramenta que conheceremos um pouco mais na próxima semana.

Nos encontramos na próxima edição! Bons Negócios.

Últimos posts por Eleandro Soares (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
2015: O ano do Administrador no Brasil
Gestão sustentável nas empresas
Controladoria