(Fotos: Arquivos pessoais)

Fernanda Sardanha, prefeita eleita, e o vice-prefeito Adão Staniszewski, definiram secretários municipais de Indústria e Comércio, Finanças, Assistência Social, Saúde, Obras e Educação. Estes dois últimos acabaram não tendo tempo hábil para repasse de informações, por parte da assessoria de comunicação da composição do governo, e nesta edição nossa reportagem destaca ambos.

Liliane Franco Santana (professora de geografia e pedagoga) é a indicada para a pasta de Educação, Cultura e Turismo. A secretaria de Obras teve a indicação de Alexssandro Linares (topógrafo). Junto dos demais secretários, ambos seguem organizando a transição de governo, ao lado dos demais componentes da nova gestão que inicia em 1º de janeiro de 2021 e segue até final de 2024.

Educação, Cultura e Turismo

“A minha escolha para a pasta da Educação foi construída ao longo do processo. A princípio a prefeita [eleita]Fernanda me convidou para contribuir com a parte da Educação em seu Plano de Governo. Fomos compartilhando ideias, projetos, sonhos em vários encontros e rodas de conversar juntamente com outros profissionais da Educação que desempenham papéis de importância na Educação do município”, explica Liliane.

“Neste processo eu fui percebendo que a maneira com que ela tinha intenção de implantar as ações era exatamente o que eu sempre procurei no mundo da política. Eu gosto muito da política, não da politicagem. A partir deste momento fomos estreitando as relações e nos tornamos bem próximas no sentido de projeto Fernanda e Adão”, destaca a futura secretária de Educação, Cultura e Turismo.

“Abracei a causa e juntos partimos para o processo de campanha, onde neste momento a Fernanda manifestou a mim seu desejo de me nomear para tal função. Fiquei apreensiva no início, pois tenho noção do tamanho da pasta e da responsabilidade ao qual terei a partir de 01/01/2021. Porém desafios sempre me motivaram, e encarei com coragem e com desejo de fazer o melhor”, afirma.

Desafio e equipe

O tamanho da secretaria, formada por três áreas: Educação, Cultura e Turismo, é o primeiro grande desafio apontado por Liliane. Deixando claro a importância que pretende fomentar nestes dois departamentos que compõe a sua futura gestão, junto do educacional. Disso o foco em formar uma boa equipe, e bem articulada, conforme a secretaria indicada por Fernanda Sardanha, para realizar bom trabalho.

Outro desafio é ter a gestão e ‘ser a maestrina’ de quase cinco mil alunos da rede municipal e cerca de 400 funcionários efetivos. Além dos servidores terceirizados e demais contratados em outros regimes. “São vidas, são pessoas, precisamos manter o máximo de eficiência nas ações para que tudo saia como precisa ser e que todos sejam assistidos de forma digna e humanizada”, aponta.

A situação da Covid-19, é outra preocupação que envolve o seu cenário futuro na secretaria. “Coloco também o momento mundial em que vivemos nesta pandemia, um desafio enorme em qualquer área, potencializado na Educação”, cita Liliane. Sem receios e com vontade de trabalhar em defesa dos são-mateuenses neste setor, ela afirma que deve encontrar outros desafios. “Que descobrirei ao longo do caminho”, brinca.

Liliane frisa que 2020 tem sido ‘um desafio muito grande para a Educação, em qualquer esfera: municipal, estadual, federal ou particular’. “Nós tivemos que nos reinventar, aprender a trabalhar diferente. Eu presenciei muitos profissionais de 20, 30 anos de carreira, quase no fim de suas jornadas profissionais, tendo de aprender do zero preparar uma aula online, um vídeo, um formulário de sistema”.

Segundo ela, mesmo as pessoas não ‘acostumadas com a tecnologia’, fizeram acontecer. “Trabalhamos muito, muito mesmo, fomos muitas vezes massacrados e chamados de preguiçosos, que estávamos recebendo salários sem trabalhar”, relembra. “Mas só nós educadores sabemos que fizemos tudo o que pudemos e além para atender da melhor forma possível nossos alunos”. Ficando o amplo aprendizado.

“2021 será encarado de forma mais leve se precisarmos continuar por mais um tempo neste sistema”, opina. Não se sabe a forma que será, nem se haverá retorno parcial, total, ou mantém o formato virtual. Apesar da atual gestão prever um retorno gradual, Liliane afirma que pretende se preparar para os três cenários, mas se organizando para “uma possível volta total”. A decisão final fica na orientação da secretaria de Saúde.

Expectativas e experiência

“As minhas expectativas são muitas. Assim como toda população desta cidade espera de nós bons resultados. Nós também esperamos desenvolver o máximo de nossos projetos”, ressalta a futura secretária de Educação. Na sua gestão, ela pretende fornecer educação de qualidade, o que avalia ser a intenção central de qualquer gestor da pasta educacional. Elencada pela junção de alguns fatores

“Parceria escola/família, valorização do profissional da educação, condições adequadas de trabalho e assistência e acompanhamento da secretaria junto as escolas e CMEIS. Todo meu trabalho será voltado para estes quatro pilares, isto tudo está descrito em nosso plano de governo”, entende. O início do planejamento para os próximos anos se alicerça em conhecer a realidade atual do setor, como um todo.

“A primeira, que está sendo planejada por mim e por nossas diretoras de departamento, é de estarmos juntos aos nossos diretores e coordenadores para sondar e analisar a situação atual para daí sim partirmos para os objetivos que já descrevemos desde o início da campanha Fernanda e Adão”, acrescenta.

Liliane é casada com Mauro, tem 37 anos, dois filhos biológicos: Clarissa de 10 e Murilo de 7 anos; e uma ‘filha do coração’: Isabelle de 18 anos. É natural de São Mateus do Sul, mesma origem dos pais, e do meio rural – região do Potinga/Pontilhão. O pai caminhoneiro e sua mãe foi empregada doméstica e servidora pública municipal por muitos anos, onde trabalhava como cozinheira na ‘Creche Casulo’, hoje CMEI Casulo.

De família simples, sempre estudou em escolas públicas e com incentivo dos pais, sendo ela a 3ª filha – caçula da casa. “Sempre tive toda condição dada por meus pais para eu só estudar”, relata. Em 1999 iniciou o trabalho no magistério, como auxiliar de turma na rede particular. Alimentando sempre a vontade de ser professora, primeiro de música, por ser sua paixão, mas com faculdade distante para a área.

Apenas em Curitiba e sem condições financeiras de se manter lá, optou por estudar em União da Vitória, trabalhado de dia e estudando à noite. “Como muitos jovens fazem até hoje”, acrescenta. Em 2001, Liliane passou no vestibular para licenciatura em Geografia na então Fafi, hoje Unespar. “Faculdade pública e de excelência que formou grande parte dos professores da nossa região”, destaca.

Trabalhou na sala de aula, por 18 anos sem interrupção. “Na Educação Infantil, nas séries finais do Ensino Fundamental, no Ensino Médio. Também tive uma experiência curta, mas muito proveitosa na APAE de nossa cidade”, enumera. Depois da faculdade de Geografia fez ainda Pedagogia. Em 2013 e 2015 ingressou ao quadro de professores efetivos do Paraná, de geografia e pedagogia, respectivamente.

Em 2018 teve a experiência de ser diretora do Colégio Estadual do Campo do Lajeado, onde permaneceu até o final de 2019. “Neste ano, a convite da Diretora Telma Staniszewski do Colégio São Mateus, à qual tenho extrema admiração e carinho, assumi a coordenação do Curso de Formação de Docentes do Colégio e também atuei como pedagoga das turmas do vespertino”, completa.

“Sempre procuro dar meu melhor por onde passo, espero muito desta gestão e deste tempo novo. Vamos juntos, pois nossa cidade merece mais”, frisa a futura secretaria de Educação, Cultura e Turismo.

Secretário de Obras

Alexsandro Linares, topógrafo de profissão, vai assumir a pasta em janeiro de 2021. “Encaro a indicação como um grande desafio. É grande a preocupação em desenvolver um trabalho à altura do que a cidade merece e precisa, mas também uma alegria enorme pela confiança que foi depositada em mim”, relata sobre suas expectativas no governo de Fernanda Sardanha e Adão Staniszewski.

A malha viária rural é o um dos desafios centrais para o futuro secretário. “É enorme e extremamente carente de manutenção e estratégia. Nosso plano é dar a atenção que essas estradas e quem as utiliza necessita, durante toda gestão, não apenas em período eleitoral”, frisa. Colocar todos os equipamentos disponíveis nas obras, inclusive maquinário parado por falta de operadores é o que pretende Alexsandro Linares.

A organização do departamento é outro foco pensado. “Nem sempre a necessidade é adquirir mais máquinas, mas sim dar efetivo destino as que já estão em poder da prefeitura”, observa. A experiência de carreira é de dar “grande importância para organização e aproveitamento de recursos”. Por isso, de imediato, ele pretende organizar “de maneira efetiva os pátios pertencentes a secretaria, para maior e melhor controle”.

Outra prioridade é criar ‘um almoxarifado unificado’. Isso para ter melhor transparência quanto aos recursos disponíveis e quais produtos precisam ser adquiridos, otimizando gastos e evitando desperdícios. Com balança de controle, a ser implantada, para ter mais gestão sobre entrada e saída de materiais.

Gestão da secretaria

“Se a máquina pública não está alinhada, ela não anda. Portanto, o primeiro passo é alinhar. Com a casa organizada, podemos de fato direcionar todas as energias para tudo aquilo que pretendemos desenvolver nesses quatro anos de gestão”, afirma o futuro secretário. Disso o entendimento que, por exemplo, as estradas rurais não carecem apenas de pedras, mas de soluções inteligentes que pretende implantar.

“Um desses grandes problemas é a drenagem e escoamento de águas. A principal função da drenagem é direcionar corretamente a água, mantendo as características de resistência do subleito, o que garante que a vida útil dessa estrada seja mais longa e consequentemente, a economia seja maior. Uma manutenção periódica dessas vias também se demonstra necessária”, explica.

“Uma drenagem eficiente também evita o acúmulo de água na superfície da via, o que aumenta sua durabilidade e reduz a chance de intercorrências. As demandas do interior do nosso munícipio são gigantescas e devem ser atendidas. A descentralização do pátio vai nos garantir melhor logística para atendê-las de forma eficiente”, enumera Alexsandro Linares sobre seu plano de trabalho no setor.

Propriedades e experiência

Para atender demandas internas, nas propriedades e dentro da legalidade, o futuro secretário esboça o que planeja. “Nosso plano é dividir o programa porteira à dentro em vários projetos. Nossa intenção, com isso, é incentivar a agricultura e o homem do campo. Nosso principal objetivo é manter as famílias no campo, evitando o êxodo para a cidade, onde certamente enfrentariam dificuldades de emprego”, ressalta.

“O plano de governo inclui incentivos a melhoria da produção, escoamento da safra e efetivo auxílio ao pequeno e médio produtor do nosso munícipio. Nossa ideia é fazer diversos projetos individualizados, para que que atendam de forma concreta as especificidades de cada área da agricultura, como produtores de leite, fumo, erva-mate, por exemplo. Projetos específicos nos permitem atender a totalidade da demanda”, cita.

“No que tange a Secretaria de Obras, um dos grandes desafios é permitir o escoamento da produção de forma adequada, rápida e segura, e a maneira de garantir isso é através de uma malha viária rural de qualidade, o que buscaremos desde o primeiro dia e durante toda a gestão”, reafirma o futuro secretário que nasceu em Apucarana. “Sou neto, filho e sobrinho de topógrafos, criado dentro do bairro do DER”.

Alexsandro Linares destaca que o avô, pais e tios atuaram durante a vida profissional toda no Departamento de Estradas de Rodagens (DER). Ser topógrafo foi a escolha de profissão tanto dele, quanto dos dois irmãos. Com admiração e respeito pelo funcionalismo público, por ter ‘crescido no meio’. Ele abriu espaço no ramo há 25 anos e tem experiência em trabalhos de grande porte.

Na área de topografia e assessoria técnica atuou em importantes obras, como a Usina Hidroelétrica de Jirau – Rondônia, construção da Ponte Estaiada na Avenida das Torres, em Curitiba, e VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), em Cuiabá. Trazendo no seu currículo esta especialização em topografia, laboratório de solos e pavimentos e gerenciamento de custos em obras.

“O que acredito que irá contribuir muito para o trabalho que pretendemos desenvolver no município, focando sempre na qualidade do serviço com o melhor preço possível”, destaca. Mora em São Mateus do Sul desde 2004, para gerenciar a construção do asfalto de São Mateus do Sul a Três Barras. Época que iniciou, também, a constituição familiar, com uma são-mateuense.

“Nesse período conheci o grande amor da minha vida, minha esposa Ester, que é nascida e criada aqui, empresária na cidade há 11 anos. Tenho um casal de filhos maravilhosos (Heloise, cursando Direito, e o Felipe, cursando Ciências Biológicas). Minha família é a maior realização da minha vida e meus maiores incentivadores”, frisa o futuro secretário de Obras de São Mateus do Sul.

“Irei desenvolver a função que me foi atribuída com muito respeito pelo povo de São Mateus do Sul, com muita coragem e determinação para enfrentar os grandes desafios e com toda honestidade que sempre norteou minha carreira e vida pessoal”, reitera Alexsandro Linares. Agradecendo a confiança da prefeita eleita e do vice-prefeito, por sua escolha “com a promessa de que a honrarei fazendo o melhor para essa cidade que me acolheu tão amavelmente”.

Sidnei Muran

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Projeto de Lei que prevê a alteração do Plano de Cargos e Salários dos servidores municipais é anulado
Atenção eleitor, você conhece o papel do prefeito e dos vereadores?
Câmara de Vereadores aprova em 1ª votação projeto de lei que revoga a lei nº 2.762/2017 sobre concessão de diárias