Jornal de São Mateus do Sul (PR) e região

Grupo de Airsoft são-mateuense participa de evento referência no esporte em General Carneiro

Operadores do Esquadrão Suicida Airsoft Samas (ESAS) participando da segunda edição do Red Faction, que aconteceu em General Carneiro. (Fotos: Acervo ESAS)

O grupo Esquadrão Suicida Airsoft Samas (ESAS), participou nos dias 23 e 24 de junho do Red Faction II, um dos maiores eventos nacionais do esporte, realizado no município de General Carneiro. Reunindo mais de 250 operadores (nome dado aos jogadores de Airsoft), o Red Faction II proporcionou para os participantes uma nova experiência regada a adrenalina e técnica.

Os são-mateuenses Willian Theodorovicz, Felipe Mayer Wisniewski, Rafaela Gomes Wisniewski, Luis Afonso Dobkowski Junior, Ederson Okonoski, Fabiane Stica Muchalak, André Luís Stica Muchalak, Marciano Mileski, Luciano Britto, Victor Alexandre Jurkin Sá, Luis Henrique Braga, Eduardo Ribeiro, Patricia Krychak, Marcia Luzia Mallanote, Feliphe Guimarães e Adriano dos Santos Farias integram o ESAS, e estavam entre os participantes do evento.

Fora as equipes dos outros estados brasileiros, grupos da Argentina, Chile e Paraguai também participaram dessa segunda edição do Red Faction.

Os operadores ficaram frente à frente da realidade dos jogos de Airsoft, trazendo para a vida real, a adrenalina unida a boa prática esportiva. “Nossa equipe teve participação marcante em uma das facções que disputavam o jogo, com membros do ESAS que faziam parte no comando. O Airsoft é bem democrático, podendo participar qualquer pessoa. Basta encontrar o estilo de jogo que se enquadra melhor dentro de cada perfil”, afirma Willian Theodorovicz, operador do ESAS.

O são-mateuense Adriano dos Santos Farias levou para casa o maior prêmio sorteado no Red Faction II, que foi um marcador (arma) de Airsoft.

As disputadas contaram com uma estrutura que desenvolveu a realidade para o jogo. Um dos pontos principais do Red Faction II foi uma fábrica que se encontra parcialmente abandonada na região. Theodorovicz descreve o local, comentando que os jogos tiveram além da fábrica, uma escola, ginásio de esportes, igreja, vilas e uma grandiosa estrutura industrial com caminhões, ônibus e outros maquinários abandonados.

“O esporte estimula a honestidade”, ressalta Willian. A base para a prática do Airsoft é a honra. Assim, quando um jogador for atingido, imediatamente ele acusa o acerto e sai do jogo. A honestidade dos jogadores é fundamental para o desenrolar do esporte.

No Red Faction II, houveram sorteios de vários brindes entre os participantes, e o são-mateuense Adriano dos Santos Farias levou para casa o maior prêmio, que foi um marcador (arma) de Airsoft.

O que é Airsoft?

É um esporte que simula situações reais e diversas de combate. Se a intenção básica do esporte é simular acontecimentos desse tipo, busca-se o realismo em todos os aspectos. Assim, os equipamentos e as vestimentas utilizadas são bem parecidos com as reais. Os jogos são compostos por duas ou mais equipes, vencendo a que conseguir cumprir seu objetivo primeiro.

Os jogos possuem vários tipos de missões, muitas baseadas em vídeo games, como captura de bandeira, missão de desarmamento de bomba, resgate de reféns, entre outras.

A sua proximidade com a realidade faz com que mais pessoas se interessem pela modalidade esportiva. Por ser muito semelhante da prática militar, as suas armas são réplicas idênticas de armas reais. No Airsoft elas são enquadradas como armas de pressão, e podem ser elétricas, a gás e à mola.

Cláudia Burdzinski

Cláudia Burdzinski

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br
Cláudia Burdzinski
Compartilhe esta reportagem...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Print this page


Comentários: