Da nostálgica Jardineira (ônibus), de 1921, aos modernos carros coletivos que estamos habituados a ver, muito tempo já passou. Tempo em que a Jardineira do senhor Guilherme Kantor ia buscar os passageiros em casa, muitas vezes esperando que fizessem a barba e arrumassem as malas (risos). Essa imagem é uma memória (parte), do pioneirismo dessa área. A história do transporte coletivo em São Mateus do Sul tem um nome: Guilherme Kantor, considerado inovador nesse transporte em nossa região. Nasceu na Áustria em 1890 e veio para o Brasil com seus pais aos 5 anos de idade. Morou em Antonio Olinto e Curitiba. Chegou em São Mateus do Sul em 1918 e foi casado com Emilia Biancolini Kantor. Exerceu várias atividades profissionais entre elas as de músico e maestro. Foi professor de violino, montou a orquestra “Os Tamgarás” e também a orquestra “Família Kantor”, composta somente por seus filhos.

Foi ele quem inaugurou a primeira linha de jardineira com viagem de São Mateus do Sul à Três Barras, em 21 de agosto de 1921. Desafiando estradas quase intransitáveis, balsas, rios constantemente alagados, veículos nem sempre com as devidas condições, ele foi o responsável pelo desenvolvimento do transporte de passageiros. Inaugurou também o sistema de taxi da cidade, as linhas de viagens entre São Mateus do Sul e Palmeira, via São João do Triunfo. Também da sua iniciativa a linha de São Mateus do Sul a Curitiba, de Curitiba à Rio Branco e de Ponta Grossa à Imbituva. O combustível usado em seus veículos era proveniente da Usina de Xisto do Perna-de-pau (Roberto Angewitz). Em 2 de fevereiro de 1984, a recém inaugurada Estação Rodoviária da cidade recebeu o nome desse pioneiro. Também existe uma rua na cidade com seu nome.

Sobre a fotografia, é uma imagem externa que apresenta o veículo de passageiros com Guilherme Kantor na frente em pé, lado de fora. Os outros passageiros não foram identificados. Na fotografia original aparece uma data escrita à caneta com a inscrição: 21-08-1921, não temos o autor da fotografia. Se a fotografia é o registro da viagem de inauguração, provavelmente a fotografia foi tirada em São Mateus do Sul. A viagem para Três Barras levava aproximadamente 5 horas, pois saia às 5 horas de São Mateus do Sul chegando ao destino às 10 horas. Retornava às 22 horas do mesmo dia. Precisava esperar os passageiros que chegavam pelo trem, de Curitiba, às 16:45. Que viagem, hein!

Últimos posts por Hilda Jocele Digner (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Fotografia: O homem do cachimbo
Vapor Cruzeiro: um desbravador
Fotografias de construções: as mãos anônimas