Policial

Homem mata ex-companheira a facadas e gera revolta na população são-mateuense

A noite de segunda-feira (7), jamais será esquecida por quem frequenta a Rua Ledy Afonso Roderjan, em São Mateus do Sul. Não apenas os moradores da região lembrarão dessa data, mas todos os são-mateuenses que demonstraram sua opinião nas redes sociais sobre o homicídio que aconteceu em uma das casas da rua.

A vítima foi Daniela Kuba Vagner, de 24 anos, que foi brutalmente morta pelo ex companheiro, Fábio Kolodi, de 32 anos. Após as agressões e golpes de faca em Daniela, Fábio tentou se suicidar. Sendo atendido com vida, Fábio foi levado para o Hospital e Maternidade Doutor Paulo Fortes, sendo encaminhado logo em seguida para o Hospital Regional São Camilo, em União da Vitória. Na madrugada de quinta-feira (10), entrou em óbito.

O crime aconteceu por volta das 19h30, na residência número 1135. Vizinhos escutaram os gritos de Daniela, e acionaram a Polícia Militar (PM), que prontamente dirigiu-se até a casa.

Segundo a PM e o Corpo de Bombeiros, a mulher apresentava um corte no pescoço, na bochecha, orelha e boca, e foi encontrada sem vida. O rapaz que tentou suicídio estava com uma perfuração no peito, pulmão e pescoço, porém foi encontrado com vida, sendo socorrido pelo Corpo de Bombeiros.

De acordo com informações, Daniela recebia diversas ameaças de morte do rapaz há algum tempo. O agressor ainda teria escrito uma carta, confirmando as ameaças contra a vítima.

Nas redes sociais, mulheres se manifestaram sobre o fato e demonstraram apoio para combater esse tipo de crime que já tirou a vida de mais mulheres em São Mateus do Sul.

Em dezembro de 2017, o primeiro caso de feminicídio foi condenado no município. O caso foi registrado em 2016, onde Joaquim Eduardo Pugsley Fonseca Junior (popular Chupim), proferiu golpes de faca em sua ex-companheira, Cleomara Aparecida Sorotenic Pereira, de 29 anos. Esse crime foi o primeiro caso de condenação de feminicídio em São Mateus do Sul.

O feminicídio passou a ser tratado como sentença criminal desde o dia 9 de março de 2015, sancionado pela Lei nº 13.104, que passou a tratar casos dessa categoria como circunstância qualificadora do crime de homicídio.
A principal característica do feminicídio é a morte intencional de pessoas do sexo feminino, mas isso não significa que todo assassinato de mulher é categorizado como feminicídio.

Muitos pontos são levados em consideração na indicação para o feminicídio, dentre eles: mutilações ou ataques genitais; escolha da mulher para ser morta ou o fato de que o comportamento feminino se torne a justificativa para o assassinato.

Em entrevista disponibilizada para a Gazeta Informativa sobre o feminício em 2017, o delegado Jonas Eduardo Peixoto do Amaral comentou que o incentivo à denúncia é uma ferramenta que a mulher tem para fazer com que a lei estabeleça uma normalidade, atribuindo uma resposta à uma ação ofensiva do agressor.

Outro fato que marcou o caso desta semana foi a divulgação de imagens da vítima já em óbito. Se tratando de um vilipêndio a cadáver, este crime se caracteriza pelo desrespeito aos mortos, especificado no artigo 212 do Código Penal Brasileiro. Ele tem pena prevista de detenção de um a três anos, além de multa.

Fora desrespeitar o momento de luto da família, essa exposição totalmente desautorizada também rende complicações para as pessoas que passaram esse conteúdo à diante.

“As imagens colhidas pela Polícia são encaminhadas para inquérito. Nenhuma foto é transmitida para ambientes externos. No decorrer da situação dessa semana, alguém fez esse registro e propagou as imagens”, informa o delegado.

 

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Quadrilha faz família de funcionário refém para assaltar agência do Banco do Brasil de São Mateus do Sul
Morre 2ª vítima de acidente no trevo de Antonio Olinto
Briga de bar termina em morte em São Mateus do Sul