(Imagem Ilustrativa)

Um amigo meu me enviou uma postagem perguntando o que eu achava dela. A postagem falava que arte era supérfluo, e ele me desafiava por ter sido professor de Arte por muito tempo. Ele deixou claro que não concordava com aquela afirmação.

Falando nisso, como em muitas coisas na vida, não é possível opinar sem colocar um ponto de vista ou uma justificativa. Eu apenas digo assim, nesse momento crítico que vivemos, o que é mais importante a cesta básica de alimentos ou assistir uma peça de teatro? A resposta parece óbvia, mas também pergunto, se neste momento em que vivemos, retirem das pessoas as músicas, os filmes, os livros, o direito de fazer pinturas e desenhar… nem quero imaginar o caos que seria.

Praticamente junto, quando recebi essa mensagem do meu amigo, eu vi uma postagem comentando sobre a Santa Ceia ou Última Ceia, como também é chamada, de Leonardo Da Vinci. Muita gente tem uma reprodução junto à mesa de refeições, em todo o mundo. Da Vinci levou cerca de 3 anos para pintá-la, e tem o tamanho de 4,6 x 8,8 metros e fica num monastério em Milão, na Itália. Muitos ouviram falar no livro e devem ter visto o filme, Código Da Vinci, uma bela ficção. Mas o que eu gostaria, era de comentar umas coisas sobre a pintura de Cristo e seus apóstolos, só para marcar como a arte pode influenciar. Cristo loiro (imagine no filme então loiro de olhos azuis), na verdade não apenas ele, mas vários apóstolos também. Muitos têm essa imagem como sendo real, mas é sabido que na época de Cristo, as mesas não eram assim, eram baixas e as pessoas muitas vezes sentavam no chão ou deitavam em almofadas. Todos somente de um lado da mesa, quando ficaram ao redor da mesa. O local, etc., poderia falar muito sobre isso, como a arte influencia as pessoas, mas queria contar uma lenda que ouvi de um professor de história, e que existem pessoas que afirmam ser verídica. Passo como lenda, mas é interessante.

Quando pintou cada um dos apóstolos, Da Vinci contratava uma pessoa pra servir de modelo, de acordo com o que ele achava ser parecido com o personagem. Encontrava na rua os candidatos. Dizem até que ele mesmo serviu de modelo para Cristo, não é verdade. Mas reza a lenda que ele pintou os personagens na posição de dentro para fora da mesa, começando por Cristo, e ele encontrou uma figura elegante, bonita, forte, imponente para representar a Cristo, sem que os modelos soubessem o resultado final da pintura. E assim foi acontecendo e de tempos em tempos contratava os personagens como modelos. E ao chegar em Judas, o traidor, saiu procurando alguém que representasse essa ideia de traição, de uma figura de alguém ruim, afinal era o traidor de Cristo. Ao encontrar tal pessoa, ele estava mendigando pela cidade, e foi contratado. Ao chegar no local onde deveria representar o modelo, já se posicionou de maneira correta, indicando que sabia fazer aquilo. Dizem que daí Leonardo Da Vinci perguntou se ele já tinha trabalhado de modelo, no que ele respondeu que sim. Curioso, Da Vinci perguntou com quem, e ele respondeu que ali mesmo naquele local. Ele pousara para a figura de Cristo anos antes.

Não me alimento da arte, mas a maioria nem imagina como seria viver sem ela.

Hugo Lopes Júnior
Últimos posts por Hugo Lopes Júnior (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Escrevendo à mão
Adaptar não é preciso, é fundamental
Campanhas mais efetivas