Unidade do Senai que terá diversas parcerias para capacitação junto com a Prefeitura Municipal.
(Fotos: Hugo Lopes Júnior/Gazeta Informativa)

Uma recente divulgação de um estudo realizado pelo Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) aponta que até 2023 o Brasil terá uma grande necessidade de pessoas qualificadas para postos de trabalho que estão sendo criados e não existiam, chegando até 400 mil novos a serem preenchidos por pessoas qualificadas. Infelizmente, desses, acredita-se que apenas 100 mil serão preenchidos por profissionais do Brasil, tendo que o mercado buscar profissionais fora do país, devido a falta de qualificação de nível técnico e superior em tecnologia. Serão técnicos em computação, ciência da computação e programação, campo que crescerá muito, não tendo pessoas realmente qualificadas para assumirem os cargos.

O mercado de trabalho vinha crescendo antes da pandemia e agora começa a dar bons sinais de que está voltando a crescer, mas as vagas que surgem estão cada vez mais exigindo trabalhadores qualificados. As empresas de recursos humanos, que trabalham com colocação profissional, estão com muitas vagas que não conseguem preencher, descartando a máxima de que não existem mais empregos. Realmente faltam vagas para muitos que perderam emprego durante a pandemia, mas também faltam pessoas para assumirem as vagas que as empresas disponibilizam, mas que exigem qualificação técnica.

O ensino técnico é o caminho mais curto para o mercado, um fator favorável para a educação é bastante estimulante como forte preparação para o mercado de trabalho, ela já é vista pelos estudiosos da educação como ponte para o Ensino Superior. Um bom curso técnico permite seguir uma carreira rentável, sem necessidade de um curso superior, sempre contando com aperfeiçoamentos. Independentemente de o estudante desejar seguir para uma faculdade ou para um emprego, esse tipo de educação o ajudará a se preparar para o futuro. Os cursos técnicos são ótimos, pois possibilitam a entrada mais rápida no mercado de trabalho. Muitas vezes profissionais formados pelos cursos técnicos conseguem mais oferta de empregos e estágios do que recém-formados em ensino superior. Pesquisas mostram que 80% dos alunos com boa formação técnica tem conseguido boas colocações e melhor reconhecimento nas empresas, essa é uma grande oportunidade que os jovens têm de entrar no mercado de trabalho, não apenas tendo o diploma de curso técnico, mas uma ótima formação nesses cursos, pois o mercado quer pessoas qualificadas e não diplomas.

Durante muito tempo o curso técnico sofreu com um estigma no Brasil. Ele era reservado para os jovens que não conseguiram passar no vestibular ou que não tinham possibilidade para fazer algo a mais. Mas esse pensamento está ultrapassado: hoje, o mercado de trabalho está atrás de mais profissionais técnicos e, muitas vezes, eles podem ganhar mais e ter mais oportunidades do que quem é formado em uma universidade. Outro sério problema é que muitos cursos profissionalizantes são confundidos com os cursos técnicos. Os cursos profissionalizantes, que são muito comuns no país, são apenas uma formação básica de alguns conhecimentos úteis para o mercado de trabalho, para complementar alguma vaga mais básica.

Apenas 6% dos jovens brasileiros estão em um Ensino Médio Técnico. Isso é problemático porque uma porcentagem pequena de jovens formados no Ensino Médio entra na universidade, os outros, além de não entrarem na faculdade, não tem formação alguma quando tentam entrar no mercado de trabalho e acabam ficando à procura de empregos básicos, com baixos salários, quando essas vagas existem. É bom lembrar que o ensino médio nas escolas comuns é voltado unicamente para o vestibular, mesmo não existindo vagas para todos.

Em São Mateus do Sul, temos a oferta de cursos técnicos no Colégio São Mateus, com Segurança do Trabalho, Química Industrial, Meio Ambiente e o recém liberado Enfermagem. No Senac também há técnico em Enfermagem e no Senai técnico em Eletrotécnica. O Colégio SEMA possui cursos técnico em Eletrotécnica e Eletrônica. Sendo que os cursos visam oportunidades existentes na Petrobras-SIX e outras empresas.

Em conversa com o secretário municipal de Indústria, Comércio, Turismo, Ciência e Tecnologia, o engenheiro e Doutor Carlos Roberto Chaves, sobre cursos técnicos, ele diz que já participou da montagem em São Mateus do Sul em algumas Escolas, além de ser professor universitário. Inicialmente, ressaltou a importância desses cursos, principalmente nas áreas de tecnologia, que é o que o mercado de trabalho não tem encontrado. Outros cursos técnicos de gestão, por exemplo, são importantes, mas o mercado de trabalho tem mirado mais nos profissionais das áreas de tecnologia.

A escolha do curso por aqueles jovens que vão ingressar no segundo grau deve seguir uma pequena análise: evitar sazonais, que são necessários por um período e logo saturam o mercado. Que o curso permita iniciar uma carreira de empreendedor, não apenas de funcionário. Que também seja do desejo do aluno, algo que goste ou possa vir a gostar muito, mas não esquecendo nunca de diferenciar uma profissão de um hobby. A profissão lhe dará oportunidade de ter seus hobbies, o contrário nem sempre se concretiza. Lembre-se que o grande diferencial que terá que apresentar no mercado de trabalho não é o diploma, mas o conhecimento. Por isso, é fundamental que o estudante esteja interessado em aprender e não apenas querendo um diploma, para depois dizer que não valeu ou que perdeu tempo. Tempo será perdido se realmente não adquirir conhecimento e depois continuar o aprimoramento. É sempre bom lembrar que todo dia nascem novas ideias, novos processos, novos aparelhos, novos programas e não se pode parar no tempo.

Esqueça a ideia de ter um curso por status, isso é coisa do passado, a ideia é conquistar um curso para ser um profissional requisitado. Temos mecânicos com excelentes ganhos e muito requisitados, assim como temos médicos correndo com três ou quatro empregos diferentes, cada um sabe aonde quer chegar e como. Se a ideia é status, a conversa é outra.

Os cursos técnicos são necessários para suprir a demanda de mão de obra qualificada, que é a necessária, pois cada vez mais as vagas de auxiliar vão desaparecendo. Em São Mateus do Sul, está sendo feito um esforço para atrair novas indústrias, com a criação do novo polo industrial, mas é necessário ter mão de obra qualificada para atuar nessas futuras empresas que venham a se instalar aqui na cidade. Esse é um dos requisitos básicos para a atração de investimentos e, também, que os esforços do Poder Público sejam recompensados, pois conseguir atrair empresas e depois os melhores empregos serem absorvidos por profissionais de outras cidades, não é a meta a ser perseguida. O município pode conseguir arrecadar com impostos, mas o importante é que os empregos sejam em sua grande maioria para profissionais que moram aqui. A Prefeitura Municipal está articulando parceria com o Senai para poder formar a mão de obra que será necessária para as empresas que vierem a se instalar em nossa cidade, provendo esse valor a mais para as futuras empresas interessadas em instalarem-se por aqui.

É necessário fazer com que os jovens, novamente, se interessem pelos estudos e pela formação profissional, dando valor para o conhecimento adquirido através dos estudos, de cursos técnicos ou mesmo universitário, onde possam desenvolver uma carreira, realizar pesquisas, encontrarem soluções, desenvolvendo tecnologias, que gerarão novos postos de trabalhos e também riquezas, que gerarão novas empresas para prover uma ideia original e promover o crescimento para toda a região, estado ou país. É hora de os profissionais gerados nos cursos técnicos ou superiores passarem a desenvolver tecnologia e vender essa tecnologia, ao invés de commodities, o crescimento trará benefício para todos.

“O maior índice de desempregados que nós temos no Brasil, proporcionalmente, está na faixa dos jovens entre 18 e 28 anos com curso superior. Em contrapartida, jovens com Ensino Técnico conseguem facilmente emprego, por existir poucos profissionais com essa formação. Faça um curso técnico”, Max Gehringer em entrevista para CNN, dez 2020.

Hugo Lopes Júnior
Últimos posts por Hugo Lopes Júnior (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Programa de militarização das escolas no Paraná gera debate na sociedade são-mateuense
Grupo Amantes da Leitura organiza primeiro Café Literário com o tema Frida Kahlo
Jovem são-mateuense de 18 anos publica livro independente de poesia