Reflexão com Padre Marcelo S. de Lara

Inspirados por “Franciscos”

No “calor” do lançamento da Encíclica do Papa Francisco, documento chamado Laudato Si’ (Louvado Seja), no qual trata da ecologia de um modo integral, queremos nesse espaço despertar a nossa mentalidade ecológica e contribuir com a reflexão.

Todos sabemos que é urgente mudarmos nossos hábitos de consumo. Estamos há anos consumindo os recursos naturais de uma forma desenfreada e as consequências que isso vem causando já percebemos também há algum tempo.

Todo esse comportamento é fruto de uma mentalidade, de um entendimento distorcido do mundo que vivemos e dos bens que adquirimos e usufruímos. O Papa Francisco colhendo pensamentos e avaliações de vários estudiosos da ecologia, dentre eles o brasileiro, Leonardo Boff, comenta em seu Documento que, a ecologia é mais do que gerenciar os bens e serviços que temos, mas sim, uma arte de habitar de modo diferente a “Casa Comum”, o meio em que vivemos.

No Documento, Francisco revela que é preciso olharmos para o nosso mundo, com todos os seres que nele existem com o olhar daquele que lhe inspirou, seja o seu nome no Pontificado, como a preocupação com a ecologia, que é São Francisco de Assis. Para este homem que viveu entre 1182 e 1226, todos os seres devem ser tratados por nós como irmãos (as).

Para o Papa, a atitude de Assis que nos inspira não é um “romantismo irracional”, mas revela um modo de nos relacionarmos com os outros seres, com os recursos naturais; revela o nosso comportamento. Diz Francisco que, se não olharmos para o mundo que vivemos com um olhar de encantamento, de beleza e de fraternidade como olhava São Francisco “[…] os nossos comportamentos serão aqueles do dominador, do consumidor ou do mero desfrutador dos recursos naturais, incapaz de impor limites a seus interesses imediatos” (n. 11).

Cada um deve pensar como pode melhorar seus hábitos. Gastar menos os recursos naturais é garantir mais condições de sobrevivência para nós, nosso mundo e às futuras gerações. São gestos como: poluir menos nossas terras, o ar e as águas; desperdiçar menos alimentos; jogar fora menos água limpa, tudo isso é garantir mais oportunidade de vida saudável para todos. Precisamos inverter nossa lógica de pensamento de que tudo o que existe está para ser consumido. A ideia é utilizar os recursos numa relação de respeito e de gratuidade, devolvendo à natureza aquilo que dela tiramos. É pelo nosso próprio bem, é pelo bem da “Casa Comum” que nos foi dada e pelos que virão depois de nós, que devemos mudar nossos hábitos. O sofrimento do mundo e das pessoas é fruto do egoísmo,

gerado também do consumismo, onde cada um procura garantir o seu próprio bem estar, sem se dar conta do sofrimento alheio.

Cada pequeno gesto que você corrigir que traga melhoria para o planeta, em uma corrente de gestos o futuro pode ser melhor. Apesar de longos anos nos aproveitando da natureza, podemos ainda tentar reverter o quadro. Cuidemos do planeta que nos foi dado para administrarmos. Que a Mensagem dos “Franciscos” toque em nossos corações e transformem nossas consciências assimilando a lógica da ecologia integral.

Francisco de Assis ouvindo as Palavras do Senhor que dizia: “Quem quer me seguir renuncie e si mesmo”, mudou de vida. Renunciar a si é deixar de lado aquilo que favorece apenas a você; é estar aberto e ser solidário ao outro.

Que São Francisco, patrono da ecologia, seja inspiração para adquirirmos hábitos que tragam benefício à toda nossa “Casa Comum”, como diz o Papa Francisco.

Últimos posts por Pe. Marcelo S. de Lara (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Ano Novo! Vida Nova?
Reinventar o Humano
Nosso papel em nosso tempo