A jovem Fátima Motelewski é natural de São Mateus do Sul e demonstra muita gratidão pelos valores aprendidos ao longo de uma vida dedicada ao campo junto à família. (Fotos: Éber Deina/Gazeta Informativa)

O interior do município de São Mateus do Sul é bastante rico em histórias de dedicação ao trabalho, à família e em bons valores perante a sociedade. O modo de vida mais tradicional, cujo desenvolvimento de atividades agrícolas e pecuárias configura-se como importante fonte de riqueza da nossa região, é composto por uma série de comportamentos exemplares para toda a comunidade local.

Dentro deste cenário, surge a história da jovem Fátima Motelewski, de 18 anos. Nascida no município de São Mateus do Sul, ela e sua família residem na comunidade rural do Arroio da Cruz, praticando a agricultura e outras atividades relacionadas à forma de vida. “Desde criança, eu aprendi sobre o trabalho no campo junto de meus pais. Cresci ajudando eles nas atividades em nossa propriedade e também conduzi os meus estudos com muita dedicação. A vida na zona rural é cheia de desafios diários, mas eu entendo que somos muito importantes para a sociedade de maneira geral”, destacou Fátima.

Experiências

Com o objetivo de se qualificar profissionalmente em uma área voltada à sua realidade, a jovem decidiu alçar um voo importante. “Apesar de minha família viver da agricultura e da pecuária, meus pais nunca deixaram de incentivar eu e minhas irmãs para que seguíssemos estudando. Uma experiência bastante produtiva que eu vivi foi a realização do Curso Técnico em Agropecuária, no Colégio Agrícola da Lapa. Tive acesso a um ensino bastante voltado para a realidade que vivemos aqui no campo. Os conhecimentos que adquiri foram úteis”, frisou Fátima.

A participação com sucesso dentro da Olimpíada Rural 2021 lança destaque sobre a importância produtiva da zona rural ao município de São Mateus do Sul.

Outro fato importante que abriu algumas portas foi a realização do curso Jovem Agricultor Aprendiz (JAA), do Sistema FAEP (Federação da Agricultura do Estado do Paraná) e SENAR-PR (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural). “Neste ano de 2021 realizei o curso JAA junto à Casa Familiar Rural de São Mateus do Sul. Tivemos contato com vários temas ligados à realidade do campo, além da realização de visitas técnicas e a utilização de um material muito bacana. A participação nesta qualificação me abriu as portas para a Olimpíada Rural”, comentou a jovem.

Olimpíada Rural 2021

A Olimpíada Rural engloba jovens do estado inteiro, devendo ser estes alunos dos programas Aprendizagem de Adolescentes e Jovens (AAJ), ou do já citado Jovem Agricultor Aprendiz. A competição envolve a aplicação de conhecimentos aprendidos durante o ano no ensino regular, além de conter avaliações através de questões mais subjetivas, como o trabalho em equipe, capacidades de relacionamento e liderança. “Em tempos de pandemia, se tornou ainda mais importante interagirmos por meio das ferramentas disponíveis. Não podemos deixar os percalços impedirem a continuidade do intercâmbio de informações entre as regiões do Estado”, refletiu Ágide Meneguette, presidente do sistema FAEP/SENAR-PR.

A técnica responsável pelos programas JAA e AAJ, Regiane Hornung, comentou sobre a realização das etapas da Olimpíada via modalidade à distância. “Temos uma equipe exclusiva dedicada a responder às dúvidas dos participantes e acompanhar as etapas. Foi uma adaptação que toda a equipe assimilou e, assim, tem sido possível darmos continuidade ao trabalho”, afirmou ela.

Representando a zona rural

Após a superação da primeira etapa, que envolvia um formulário de questões, além da preparação de um vídeo, Fátima agora dá continuidade à jornada dentro da Olimpiada Rural. “Os 75 finalistas dessa fase estão agora divididos em 15 grupos. Nosso objetivo é a realização de um estudo de caso mais amplo, onde deveremos apontar as soluções e melhorias para uma propriedade na zona rural. Tomei a iniciativa de liderar o grupo que faço parte, estamos muito dedicados e queremos fazer um excelente trabalho. Somos jovens do Paraná inteiro representando a força da nossa zona rural”, comentou ela.

Fátima reside na comunidade rural do Arroio da Cruz e auxilia os seus pais no desenvolvimento das atividades agropastoris da família.

A família de Fátima e sua dedicação às atividades agropastoris ao longo dos anos são os principais pilares de seu sucesso. “Estamos muito orgulhosos de nossa filha. Apesar de todos os desafios enfrentados diariamente em nossa vida no campo, ela sempre foi uma filha amada e uma estudante muito dedicada, isso nos dá a certeza de que colherá bons frutos pela frente”, comemoram os seus pais, Sérgio e Dirlene.

Futuro

No que se refere ao futuro, a jovem Fátima ainda vislumbra muitas oportunidades. “Eu gosto muito de levar a vida da nossa maneira, acredito que as pessoas que vivem no interior merecem destaque por tudo o que produzimos através de muito esforço. Essa ligação com a alimentação da sociedade é algo muito importante. Para o futuro, ainda tenho muitos planos traçados, sendo um deles a realização de uma faculdade de Agronomia, pois seria algo que acrescentaria muito na minha vivência”, finalizou ela.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
SIX completa 67 anos de uma história pautada pela parceria com São Mateus do Sul
De passeio histórico ao ecoturismo: dicas de viagens para as férias no Paraná
Inktober: Desafio acontece anualmente e incentiva artistas