A ação voluntária faz parte do projeto social Leite Fraternal. (Fotos: Cláudia Burdzinski/Gazeta Informativa)

Foi entregue na última terça-feira (26/02), 228 litros de leite ao Hospital e Maternidade Doutor Paulo Fortes (HMDPF), doação feita por Thamyres Menezes da Silva, de 16 anos, 1ª prenda adulta do Centro de Tradições Gaúchas (CTG) Tropeiros de São Mateus do Sul, da 6ª regional do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MGT) do Paraná.

A ação voluntária aconteceu através do projeto coletivo Leite Fraternal, que desafia prendas e peões à desenvolverem ações voluntárias dentro de seus municípios. Thamyres realizou a arrecadação de dinheiro através de um bazar organizado por ela, sua família e amigos no salão da capela São José e São Cristóvão, da Vila Bom Jesus, no sábado (23/02).

Bazar realizado por Thamyres. (Foto: Acervo Pessoal)

De acordo com Carla Zawycki, nutricionista do HMDPF, essas ações são fundamentais para manter a saúde dos pacientes internados na instituição. Ela conta que em média são gastos 12 litros de leite ao dia para as refeições. “Ao mês, o hospital desembolsa cerca de mil reais apenas com leite, fora as outras alimentações”, esclarece. A ajuda voluntária fará com que o dinheiro utilizado para as compras de leite sejam gastos com outras necessidades para os pacientes. “A alimentação é fundamental para a saúde, e às vezes recebemos doentes que não possuem o que comer em casa”, informa a nutricionista, que agradece a ação da jovem. “Que todo esse bem volte em dobro para a Thamyres e toda sua família.”

Momento da entrega dos leites ao Hospital e Maternidade Dr. Paulo Fortes. Da esquerda para direita, Carla Zawycki, nutricionista, e Thamyres Menezes da Silva, 1ª prenda adulta do Centro de Tradições Gaúchas (CTG) Tropeiros de São Mateus do Sul.

Segundo a prenda, que é natural de Porto Alegre e chegou ao município há 5 anos, ela se sente muito feliz em ajudar o próximo. “É gratificante!”, expressa a gaúcha, que com sorriso sincero no rosto e vestida com pilcha, entregou as caixas doadas para a instituição. Thamyres conta que durante o bazar, as peças foram arrecadadas com a ajuda dos amigos do CTG. As peças foram vendidas nos valores de R$ 0,50, R$ 1, R$ 2, R$ 3 e R$ 8.

Geomara Kavilhuka, integrante do CTG Tropeiros de São Mateus do Sul e diretora artística e cultural da 6ª Região Tradicionalista, explica que além de possuir os grupos campeiros, os CTG’s são fortemente ligados em ações sociais. Os grupos se dividem em: parte cultural (prendado); artístico (dança, canções e declamações); e esportivo (truco, bocha, etc.). “Dentro da 6ª Regional, possuímos o projeto coletivo do prendado que tem como objetivo desenvolver ações voluntárias”, diz a diretora. O projeto é dividido em:

Pré-mirim, mirim e juvenil – projeto Lacre Gaudério: tem o objetivo de arrecadar lacres para auxiliar a Organização Não-Governamental (ONG) 4 Patas. Os lacres serão vendidos e o valor será revertido para a castração de animais abandonados e também na compra de ração e medicamentos.

Adulto – projeto Leite Fraternal: tem o objetivo de arrecadar caixas de leite e realizar a doação dos produtos à uma entidade como asilos, creches, hospitais, albergues, entre outros, para complementar o alimento dado às pessoas dessas entidades.

Veteranas – projeto Prenda Faceira: tem o objetivo de auxiliar uma entidade educacional, realizando atividades para aumentar a autoestima de meninos e meninas que frequentam o local, com repasses de higiene, saúde e qualidade de vida.

“Os CTG’s são entidades que trazem a essência da família. O tradicionalismo é incondicional e sempre buscamos envolver todos os membros em ações que ajudem o próximo”, garante Geomara, que afirma que perceber o brilho nos olhos de Thamyres no momento da realização do bazar foi um momento de satisfação para todo o grupo. A diretora comenta que o prendado dos CTG’s da 6ª Regional, que comtempla as cidades de São Mateus do Sul, Mallet, São João do Triunfo, Irati e Paulo Frontin, também participam do projeto, que conta pontos para o concurso de prendas e peões da 6ª Regional, que será realizado no mês de junho em São Mateus do Sul.

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
O método colaborativo realizado no Faxinal Emboque
Voltando para São Mateus do Sul depois de 67 anos
São-mateuense peregrina 420 km no “Caminho da Fé”

Os comentários estão fechados