Especial

Jovem são-mateuense rompe as fronteiras brasileiras e assina contrato com time profissional de futebol de salão italiano

Com apenas 18 anos, Fábio Gonçalves da Cruz Júnior assinou seu primeiro contrato profissional com time da Itália. (Foto: Alexandre Müller/Gazeta Informativa)

Fábio Gonçalves da Cruz Júnior, jovem são-mateuense de apenas 18 anos, filho do casal Aline Arduim da Cruz e Fábio Gonçalves da Cruz, embarcou logo no primeiro dia do ano, rumo a conquista de seu sonho, mais propriamente na cidade de Sedico, na Itália para jogar Futebol de Salão (Futsal) em um time profissional.

Apaixonado pelo futebol desde seus 6 anos de idade e motivado pelo sonho que vem de gerações e fora passado de pai para filho, Fábio empenhasse no treinamento que iniciou cedo nas escolinhas de futebol da cidade, “o amor pelo futebol vem do meu pai e do meu tio que já foram profissionais. Desde pequeno os acompanho nos jogos. Isso me faz ter uma única certeza, nasci para isso”, relata.

Assim como milhares de jovens brasileiros, Fábio iniciou sua preparação nos gramados e encarrou inúmeros testes, popularmente conhecidos como “peneirões”, que levam centenas de meninos de todas as idades a mostrar o seu futebol. Em meados de sua adolescência, passou a jogar o tradicional futebol, agora nas quadras, ainda no seu tempo de colegial. Nascia aí uma aptidão a mais àquele menino que na sua simplicidade, entre dribles e passes, chegava mais perto do seu sonho, “o futebol de salão me abriu uma porta a qual eu não esperava conseguir”.

Uma das oportunidades que Fábio soube aproveitar foi quando fora convidado pelo professor Carlos Eduardo de Oliveira, treinador especialista em futebol de salão para jogar a Taça Paraná representando o time do Coxa Cancún da cidade de Curitiba, em uma parceria entre a prefeitura municipal e aquele clube, “fortaleceu minhas esperanças”, afirma o sonhador. Dali também surgiu a oportunidade para participar dos Jogos Abertos do Paraná, uma das principais competições do estado, onde Fábio jogou com a camisa do time de Quedas do Iguaçu e chegou à final da competição alcançando o segundo lugar e sendo um dos atletas destaques.

Mas como nem sempre tudo é baseado em mil maravilhas, o jovem se viu desanimado quando estava próximo de completar a maioridade e distanciar-se de seu sonho, “um dia cheguei em casa e movido pela desmotivação em não alcançar meu sonho, estava pronto para desistir, nada dava certo”.

Foram dois meses, nos quais o sonho adormeceu e ele se via longe daquela realidade que era apaixonado. Já em meados de 2017, Fábio recebeu o contato do professor Carlos o informando que ele o inscrevera em um teste que seria realizado já no outro dia no clube curitibano, “o teste seria observado por uma agência de jogadores. Junto de meus pais, tomei a decisão que está seria a última vez que participaria de um destes peneirões”.

O são-mateuense participou do teste que seria realizado em dois momentos distintos e já no primeiro foi muito bem. Ao término acabou sendo questionado se possuía a descendência italiana, cabendo a ele a comprovação da origem de sua família para que seu sonho pudesse ser conquistado, “iniciou uma nova corrida que teve fundamental esforço da minha mãe”, enfatiza Fábio.

Depois de muitas pesquisas a fundo na história familiar, a comprovação foi efetivada, “foi uma emoção muito grande conhecer a vida da nossa família, desde os tempos que aqui chegaram embarcados nos navios que cruzaram o Atlântico”, afirma Aline Arduim. Em seguida foi solicitado, por parte da agência que intermediou a contratação, alguns vídeos para a análise dos dirigentes dos times que gostaram do futebol do brasileiro e o convidaram a assinar contrato com seu time, o Sedico C5, time da cidade de Sedico, na Itália, é um time de uma curta trajetória histórica, mas que vem se impondo no futebol de salão europeu aos poucos, hoje disputando a terceira divisão da Liga Italiana.

Fábio que já possui a cidadania italiana, assinou seu primeiro contrato profissional para representar as cores do time veneziano, e jogará no time profissional e na seleção sub-21 nos próximos dois anos. Fábio já está na Itália, onde encontrou dois outros brasileiros que atuam no mesmo time, “não é fácil encarar essa realidade, pois estou à quilômetros da minha família e da minha namorada, quem levo no meu coração. Meus pais me apoiam totalmente, devo tudo isso a eles, pois sou o que sou, devido a eles” enaltece o agora, também, italiano “Da Cruz” como vem sendo chamado pelos colegas atletas e dirigentes do time blu e bianco (azul e branco) cores da equipe europeia.

De acordo com o pai, que também foi jogador de futebol, “passa um filme na cabeça da gente, a oportunidade veio e não deixamos ela passar e o que depender de nós, para ajudar o esporte em São Mateus do Sul, faremos. O importante é colocar o nome de nossa cidade aos talentos de nossa cidade, pois temos vários outros exemplos de jovens promissores que não tem oportunidade. Eu torço para que ele vá e abra as barreiras e as portas das oportunidades”.

“O sonho não é impossível. Se alguém tiver um sonho, tem de lutar sempre por ele. Não importa que lhe digam que será impossível, mas nunca deixe de estudar”, garante o Ítalo-Brasiliano.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
O Dia do Jornalista e a missão de informar
São-mateuense monta tradicional presépio há 60 anos
O poder da informação através do repórter