Especial

Lídia Truchinski Gralak deixa legado cultural para São Mateus do Sul

Sempre ativa em diversas atividades culturais em São Mateus do Sul, Dona Lídia era referência em carisma e dinamismo, resgatando a cultura polonesa em muitos eventos. (Foto: Acervo Pessoal)

Faleceu na madrugada da última quarta-feira (10), em Ponta Grossa, vítima de um Acidente Vascular Cerebral (AVC), a senhora Lídia Truchinski Gralak, aos 82 anos. Conhecida como “Dona Lídia” por muitas pessoas no município, ela teve um papel fundamental na construção da base polônica de São Mateus do Sul.

Lídia transmitia simpatia por onde passava. Trabalhando por muitos anos na Casa da Memória Padre Bauer, seu carisma encantava à todos. “Ela era acima de tudo uma pessoa humana”, expressa José Carlos Janowski, Presidente da Fundação Cultural de São Mateus do Sul.

Nascida em 22 de março de 1936, ela trabalhou na Prefeitura Municipal até o dia 30 de junho de 2015, data em que se aposentou. “A Dona Lídia foi muito dinâmica. Ela era uma pessoa sempre disponível para o trabalho”, afirma Hilda Jocele Digner Dalcomuni, historiadora são-mateuense que atua na Casa da Memória.

Hilda também relembra que Dona Lídia trabalhou muito anos como costureira e boleira. “Conheci ela desde que nasci, e uma coisa que me chamava muito a atenção era o capricho que ela realizava suas atividades”, diz. Possuindo uma grande amizade, Hilda se sente privilegiada por ter conhecido e trabalhado com uma pessoa de carisma sem igual. “Além de ser uma perda pessoal, o falecimento da Dona Lídia é uma perda cultural”, diz.

Resgatando a cultura polonesa, Dona Lídia era considerada a Rainha de Honra da Comunidade Brasileiro-Polonesa (Braspol), e fazia-se presente em muitos eventos, sempre ativa e agradável com todos. Ela também adorava cozinhar pratos típicos poloneses, como o tradicional Oplatek.

Para os amigos Janete Pavoski e Crisanto Cavalgante, a Dona Lídia irá deixar um legado de dinamismo e simplicidade, junto de muita saudade. Seu corpo foi transladado até São Mateus do Sul e velado na capela da Funerária Bom Jesus. O sepultamento foi às 16h de quarta-feira (10), no Cemitério Municipal. Lídia não possuía filhos.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Vivendo em Hong Kong
Museu da Erva Mathe
12 de maio, o Dia da Mulher Policial Militar