Histórias de Terra e Céu

Lua e chocolates…

(Foto: Waldemar Polak)

(Foto: Waldemar Polak)

Na nossa conversa da última semana falei que a astronomia decidia até a data em que você, amigo leitor, comeria mais chocolate. É claro que eu estava fazendo uma brincadeira sobre a relação que a astronomia tem com a Páscoa. Então vamos explicar isso um pouco mais.

Você certamente já notou que, ao contrário do Natal, que sempre cai no mesmo dia do ano, a Páscoa gosta de “passear” pelo calendário. Mas qual o motivo que faz a data da Páscoa mudar? Bom, para entender isso precisamos falar que a Páscoa é originalmente uma celebração judaica, instituída na época de Moisés para agradecer a Deus pela libertação do povo hebreu, após a escravidão no Egito. Ela é uma festa que começa na noite do 14º dia do mês de Nissan. O “problema” para nós se dá no fato de que o calendário judaico é basicamente lunar, enquanto o nosso calendário é solar.

Então, como definir a data da Páscoa em nosso calendário? Faça como papas fizeram: chame um astrônomo! A Páscoa cristã foi definida no Concílio de Niceia como sendo “o primeiro domingo após a primeira lua cheia que ocorre depois do equinócio de primavera no hemisfério norte”. Parece complicado, mas não é: o equinócio é o momento no ano em que os dias ficam iguais às noites. Ocorrem no início da primavera e no início do outono. O equinócio de primavera no hemisfério norte corresponde ao equinócio de outono aqui no hemisfério sul, que se dá em 21 de março.

Então, partindo do dia 21 de março, é só descobrir a primeira lua cheia posterior e, na sequência, o primeiro domingo após esta lua cheia. Vamos usar o exemplo deste ano: a primeira lua cheia após o início do outono ocorrerá no dia 04 de abril. E o primeiro domingo após esta data é o dia 05 de abril: a Páscoa!

É por causa desta regra que a Páscoa nunca cairá antes de 22 de março nem depois de 25 de abril. Então, neste ano, quando você estiver comendo seus chocolates, ao invés de agradecer ao coelho da páscoa, agradeça à lua, pois foi ela que marcou seu “encontro” com estas guloseimas.

Mudando de assunto, um leitor me perguntou nesta semana o motivo de eu não ter divulgado a superlua e o eclipse solar que ocorreram na semana passada. A razão é simples: a tal superlua ocorreu na fase nova, quando não é visível, e o eclipse solar ocorreu no hemisfério norte, também não sendo visível aqui. Anos atrás um observatório de uma cidade catarinense (próxima a nós, inclusive), divulgou em jornais, rádios e TVs um eclipse solar, e várias pessoas se mobilizaram para assistir. Mas o mico é que o eclipse só era visível na África…

Deixo vocês com a belíssima foto da lua tirada pelo amigo Waldemar Polak e aproveito que falamos de Páscoa para convidar a todos os amigos a assistirem o espetáculo teatral da Paixão de Cristo, que será apresentado no salão paroquial da Matriz São Mateus, nos dias 31/3, 01/4 e 03/4, sempre às 20h30min. A realização é do JUC, com texto e direção deste humilde astrônomo.

Até a próxima semana e céus limpos para todos nós!

Gerson Cesar Souza
Astrônomo Amador
gersoncesarsouza@gmail.com

colunistas_gerson_menor

Gerson Cesar Souza
Últimos posts por Gerson Cesar Souza (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Brigando no altar: UFC São João do Triunfo!
O Nazismo e a Matriz – Parte I
125 anos atrás: a Primeira Missa em São Mateus do Sul