Política e Cidadania

Luiz Adyr pretende retornar à prefeitura

Foto: Gazeta Informativa

Foto: Gazeta Informativa

Toda disputa eleitoral tem em si um objetivo final: a vitória no pleito. Tudo isso entra, de fato, no embate com o registro das candidaturas, que ocorre somente após as convenções partidárias que têm início no dia 20 de julho e se encerram em 05 de agosto. Dez dias mais tarde, se findam os registros das candidaturas e, no dia seguinte (16 de agosto) tem início a campanha nas ruas, seguida da propaganda obrigatória no rádio e TV, dez dias mais à frente.

A novidade fica por conta da chamada ‘mini reforma política’ que permite aos pré-candidatos fazerem exposição de ideias e realizar atos públicos como reuniões e conversas com o povo. Vedado o pedido formal de voto para si, partido ou correligionário. À imprensa cabe o papel de auxiliar nesse trabalho e permitir que as propostas sejam divulgadas para conhecimento dos eleitores. Para tanto, ouvimos o que pensa, pretende, propõe e as credenciais de Luiz Adyr G. Pereira (PSDB), nessa possível disputa que se desenha.

Disputa

A política faz parte do cenário social, nos mais amplos sentidos. Cabe ao cidadão a opção da escolha. Se colocando como pré-candidato, Luiz Adyr diz se diferenciar pelo desejo da servidão ao seu povo, sustentados na experiência e desejo de trabalhar. “Não diria diferencial, para não soar pretensioso. Mas o desejo de servir a comunidade onde nasci e optei por viver para sempre. E a história na vida pública, me permite avaliar que, se candidato, estaria oferecendo ao eleitorado uma opção pela experiência, aliada ao ânimo de trabalhar com dedicação integral pelo nosso município”, afirma.

Experiência

“Se confirmado candidato, terei a apresentar aos eleitores, como credenciais, a experiência acumulada, a seriedade e os resultados do trabalho feito ao longo de quatro mandatos eletivos, como vereador e depois prefeito. Na Prefeitura, foram administrações que tiveram reconhecimento de qualidade em estudos comparativos feitos por várias entidades independentes, registrados na imprensa estadual”, relata o pré-candidato.

Luiz Adyr afirma ter agido, ao longo de mandatos anteriores, com cuidado e responsabilidade no setor de finanças. Reservando dinheiro para investimentos e obras. Como feitos de sua gestão ele cita a conclusão da Usina de Calxisto, compra de caminhões e máquinas para melhoria nas estradas rurais. Também a criação do inédito plantão com médico e enfermagem 24h.

Marca

Como investimentos mais audaciosos e marcantes, o ex-prefeito destaca a compra dos terrenos para o Distrito Industrial, com 280 mil m², o conjunto Tamareiras, construção do novo ambulatório em frente ao Hospital e a agência do INSS. “Mas devo lembrar também a preocupação com a eficiência e a proatividade nas ações administrativas e políticas: projetos técnicos bem feitos, justificativas bem elaboradas, contatos políticos permanentes com fontes oficiais e não oficiais em busca de recursos (Ministérios, Secretarias, FIEP, ASPP, Petrobras…), nos permitiram trazer obras e investimentos recordes: escolas, creches, postos de saúde, quadras e ginásios esportivos, praças e parques como o do Iguaçu, quilômetros de novos asfaltos etc.”, aponta.

Sobre dificuldades do mandato, o pré-candidato avalia que enfrentou as inerentes das condições municipais, que denomina de ‘problemas bons’. Isso porque ele pontua o desafio de dar conta de cuidar da grande extensão territorial do município, cinco milhares de quilômetros em estradas rurais, em meio ao maior crescimento populacional nas últimas décadas. Para tanto com recursos insuficientes, cabendo a administração responsável, eficiente e sustentado na seleção de prioridade. O lamento recai sobre ter recebido a prefeitura sem recursos em caixa e, na sua análise, isso foi difícil, mas o político afirma ter entregado a gestão diferente da recebida, com grana disponível para o novo gestor trabalhar.

Crise

“Acompanho com preocupação, como todos os brasileiros, os desdobramentos de uma crise que é profunda e grave, pelos abalos na economia e pelas consequências sociais, notadamente no emprego. Mas, como está evidente que as origens da crise estão, sobretudo em falhas morais e éticas na gestão pública, e como estas falhas estão sendo expostas e combatidas com um vigor nunca visto na história do país, é possível ter a esperança de que estejamos vivendo as dores do nascimento de um país melhor, mais à frente”, avalia Luiz Adir.

Por outro lado, o psdbista compreende que o Paraná está num retrospecto diferente, devido a dois fatores: força no agronegócio e medidas adotadas por Beto Richa (PSDB) em 2014. “Embora politicamente custosas, estas medidas preservaram a saúde das finanças do estado e vão permitir a retomada de várias obras, graças ao que acredito que finalmente teremos o asfaltamento da estrada São Mateus/Irati”. Em sua visão, esses contextos nacional e estadual não tendem a conturbar as eleições municipais. “Acredito que não afetará sua boa ordem, dada à maturidade do nosso eleitorado e à reconhecida eficiência da Justiça Eleitoral”.

Redução

No entendimento do pré-candidato tucano o período mais curto de campanha não terá representação significativa em São Mateus do Sul, por conta de os nomes em evidência, supostamente, que estarão na disputa a partir da metade de agosto serem de pessoas já conhecidas na política e com militância, tanto no setor quanto nas comunidades.

Promessas

“Em princípio, acho que o eleitor deve mais é não acreditar, principalmente se as promessas forem vagas, se o candidato não demonstrar sólido conhecimento das realidades do município e respeito à aritmética orçamentária. Sabemos todos que promessas mirabolantes são comuns em eleições, mas minha postura sempre foi outra. Agora, mais do que nunca, espero contribuir para que tenhamos um debate qualificado e realista sobre o que será possível realizar nos próximos anos, oferecendo uma orientação honesta ao eleitorado”, analisa.

Preocupação

Luiz Adyr é prudente em analisar dados e demonstra preocupação frente ao que espera a próxima gestão municipal. A retração aponta déficit nas contas na casa de R$ 7,5 milhões, coberto por repasse de R$ 1 milhão do Fundo de Previdência dos Servidores. O pré-candidato avalia que, sem esse procedimento, não seria pago o 13º salário, com transferência do restante para pagamento em 2016.

“Não deveria ter sido assim, porque, ao contrário de alegações que se ouve, a receita corrente líquida da prefeitura subiu, e muito, nos últimos três anos: foi de R$ 62.482.805,08 em 2012 para R$ 86.513.994,66 em 2015, segundo os dados publicados. Teve aumento de 38,5% no período, contra uma inflação, pelo IBGE, de 24,5% – uma diferença favorável, muito significativa, de 14%. É claro que um déficit deste tamanho indica situação de calamidade nas finanças e afetará os serviços públicos, o que é desastroso num município que tem grandes necessidades de investimentos, na infraestrutura e nas áreas sociais. Mas temos que aguardar para ver como fica até o final deste ano”, observa.

Desafios

Ao questionar o pré-candidato sobre o assunto, ele lamenta a falta de espaço para ampliar o debate sobre essa temática, mas vai pelo caminho da generalização. “O desafio de todas as pessoas de bem que se dedicam à vida pública, nas circunstâncias que vivemos, é lutar para refazer laços de confiança entre a sociedade e seus representantes eleitos, em todos os níveis. Isto só se fará se eles oferecerem exemplos de trabalho honesto, de seriedade de propósitos e de respeito ao patrimônio público. Talvez nunca antes um país tenha precisado tanto dessa postura, por parte dos seus políticos, quanto o Brasil de hoje. Vamos procurar fazer nossa parte, aqui…”, resume.

Concorrência

Além de Luiz Adyr, outros oito políticos declararam-se pré-candidatos à prefeito, sendo eles: advogado e diretor da rádio Cultura Sul FM, Emerson Bacil, pelo PTB; o atual vice-prefeito Clóvis Distéfano (PSC); o ex-prefeito Francisco Luiz Ulbrich, o Tiquinho (PMDB); o vereador Luiz Cesar Pabis (PT); o ex-secretário de Planejamento Hemerson Baptista (PCdoB); os vereadores Miguel Paulo Ferreira (PRB) e Omar Picheth (PDT); e a educadora Telma Staniszewski (PP).

“Tenho companheiros de outras jornadas em diversos partidos, e será natural a composição, se confirmada a candidatura. Independente disso, sempre procurei somar. Será bem-vinda toda colaboração de pessoas e partidos que compartilhem do interesse em construir um São Mateus cada vez melhor”, responde sobre a possibilidade de alianças ao longo do processo eleitoral.

Tratamento

Prezando pela isonomia, todos os candidatos terão o mesmo espaço no jornal, onde poderão informar suas ideias. Nossa reportagem, anteriormente, já entrevistou os pré-candidatos: Telma e Hemerson Baptista. Tudo dentro das prerrogativas legais, respeitando pessoas, opiniões e, principalmente, a legislação em vigor.

Jornalista (MTB 7597 DRT/PR), formado pelo Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv), pós-graduado em História e Cultura pela Unespar – campus de União da Vitória e Licenciado em História pela Unespar – campus de União da Vitória.
View Website

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Professor Pabis Tadico é pré-candidato a prefeito pelo Partido dos Trabalhadores
Eleitores vão às urnas e exercem o direito do voto na 12ª Zona Eleitoral em São Mateus do Sul e Antonio Olinto
Câmara de Vereadores aprova em primeira votação projeto que restitui o cargo de médico do trabalho na Prefeitura Municipal

Os comentários estão fechados