Odontologia e Saúde Bucal - Valéria Kruchelski Huk

Medicamentos Fitoterápicos na Odontologia

Imagem Ilustrativa

Imagem Ilustrativa

Caro leitor, hoje trago um assunto curioso e ainda pouco abordado na Odontologia – o uso de medicamentos Fitoterápicos. No entanto, o que são medicamentos Fitoterápicos? Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) são medicamentos obtidos empregando-se como princípio ativo, exclusivamente, derivados vegetais. São caracterizados pelo conhecimento da sua eficácia e dos riscos do seu uso, como também pela constância da sua qualidade. É importante saber que eles são (e devem ser) regulamentos no Brasil assim como medicamentos convencionais e têm que apresentar critérios de qualidade, segurança e eficácia requeridos pela Anvisa.

É importante entender a diferença entre planta medicinal e o medicamento fitoterápico. As plantas medicinais são aquelas capazes de curar uma enfermidade ou aliviar os sintomas e tem tradição de uso como remédio em uma determinada comunidade, e para utilizá-la é preciso conhecer esta planta e saber como prepará-la. Já a medicação fitoterápica é quando a planta medicinal passa pelo processo de industrialização. Este processo tem como objetivo evitar a contaminação por microorganismos, agrotóxicos e substâncias estranhas, além de padronizar a quantidade e a forma como essa medicação deve ser utilizada – permitindo uma maior segurança no uso.

O consumo atual de medicamentos fitoterápicos pela população é decorrente do fato de que esses medicamentos apresentam formas de terapia mais econômicas e/ou naturais que as oferecidas pela indústria farmacêutica. No entanto, o seu uso não deve ser considerado uma alternativa, mas sim uma opção escolhida por ser eficaz, por mostrar efeitos colaterais mínimos e por estar ao alcance de todos (normalmente com custo mais baixo).

Na Odontologia a utilização clínica para tratar doenças bucais, ou doenças sistêmicas que apresentem manifestações na boca, ainda é pouco explorada. Porém, a medicação fitoterápica já tem sido testada para o tratamento, por exemplo: da cárie dental, doença periodontal, candidíase, ulceras bucais entre outros, mostrando eficácia significativa. Entre as plantas estudadas temos a Camomila, a Magnólia, o chá verde, o alho, etc.

Fique atento: as medicações fitoterápicas são uma modalidade de tratamento que também pode trazer riscos para a saúde. O uso sem a correta indicação pode trazer intoxicação, alterações na pressão, problemas de estômago, além de poder interagir com outras medicações.

Os cuidados na utilização das medicações fitoterápicas devem ser os mesmos para outras medicações e incluem: a orientação de um profissional sobre a real eficácia desse medicamento e a correta indicação. Lembre-se a automedicação pode trazer riscos a sua saúde!

Leia mais em:
http://www.anvisa.gov.br/medicamentos/fitoterapicos/poster_fitoterapicos.pdf
http://revistas.ung.br/index.php/saude/article/view/64/99

Últimos posts por Valéria Kruchelski Huk (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Cárie: entenda um pouco mais!
A importância da proteção solar labial
Aftas: conheça um pouco mais