Cidade

Melhora no desenvolvimento do ensino do campo é destaque na Oficina do Plano Diretor na Água Branca

A melhora na estrutura da Escola Municipal do Campo Castro Alves, da Água Branca foi solicitada pelos moradores. Eles apresentaram a ideia de construção de uma quadra esportiva, de novos banheiros, mesas de refeitório e brinquedos para a educação infantil. (Foto: Acervo Pessoal)

Em mais uma Oficina realizada para o Plano Diretor de São Mateus do Sul, destinada para as comunidades de Água Branca, Espigãozinho, Dois Irmãos, Estiva, Caitá, Monjolos, Papuã, Faxinal dos Ilhéus e Tijuco Preto, contou com a presença de apenas um representante do Espigãozinho e os demais membros da comunidade da Água Branca, que apresentaram os pontos elencados como prioridade para a melhora no desenvolvimento do interior do município.

Realizada na terça-feira (4), nas dependências da Escola Municipal do Campo Castro Alves, na Água Branca, as comunidades participantes destacaram pontos relevantes na questão do meio ambiente, infraestrutura e mobilidade.

De acordo com a Arquiteta e Urbanista da Prefeitura Municipal de São Mateus do Sul, Geruza Vieira, os moradores se preocupam com a pulverização que acontece ao lado da escola, trazendo como ponto principal o atendimento a legislação aplicada nessas situações para proteção dos alunos. Há também a atenção para a fiscalização ambiental em relação ao desmatamento da mata de Araucária que acontece nas proximidades do Espigãozinho. Os são-mateuenses também questionaram a passagem do caminhão de coleta seletiva, que acontece de 15 em 15 dias. Eles afirmaram que atualmente há o acúmulo de lixo na escola e no posto de saúde na região da Água Branca.

Ainda enfatizando a estrutura da escola, os moradores questionaram a construção de uma quadra esportiva, favorecendo os alunos e também os moradores da comunidade que poderão utilizar do espaço. Foi elencado também a necessidade de novos banheiros, mesas de refeitório e brinquedos para a educação infantil. Os moradores sugeriram a ampliação da educação fundamental e a vinda de cursos profissionalizantes na região, pois na atualidade os alunos encontram dificuldades de deslocamento até o centro da cidade para o estudo. Esse método também poderá incentivar a permanência da criança no campo.

Na área da saúde, a comunidade destacou a falta de profissionais especializados no atendimento. Hoje a comunidade da Água Branca suporta uma sala odontológica, mas não há dentistas atuando nesse ramo. Apresentaram também a instalação de uma farmácia com os medicamentos necessários para a demanda do local. De grande importância, a questão de abastecimento de água foi levantada, pois ainda existe a falta do recurso para algumas comunidades mais distantes.

Na questão de entretimento, os moradores solicitaram a construção de um parquinho para as crianças e uma praça para a comunidade. Eles sugeriram também uma linha de transporte entre as comunidades para facilitar a locomoção. Na mobilidade, foi apresentada a ideia de investimento do Estado para a construção de acostamento na rodovia para a segurança de pedestres e ciclistas.

A próxima Oficina do Plano Diretor acontecerá na terça-feira (10), às 18h, na Escola de Fluviopolis. As comunidades atendidas serão: Fluviopolis; Potinga; Pontilhão; Emboque; Turvo; Colônia Eufrosina; Faxinal dos Elias; Rosas e Erval.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Grito dos Excluídos tem manifestação em São Mateus
Comunidade se mobiliza para ajudar no tratamento de homem com câncer
Curso Conviver do CREAS integra autores de violência doméstica novamente no ciclo social e familiar