Jornal de São Mateus do Sul (PR) e região

Membros da IG-Mathe participam de Evento Internacional de Indicações Geográficas em Minas Gerais

III Evento Internacional de Indicações Geográficas e Marcas Coletivas realizado de 9 a 11 de agosto, em Belo Horizonte, contou com a erva-mate são-mateuense. (Fotos: Divulgação)

Alguns dos membros da Associação dos Amigos da Erva-mate (IG-Mathe), participaram entre os dias 9 e 11 de agosto, do III Evento Internacional de Indicações Geográficas e Marcas Coletivas realizado em Belo Horizonte, Minas Gerais, com o objetivo de divulgar as proteções de propriedade industrial e possibilitar a troca de experiências com Indicações Geográficas (IG’s) internacionais.

O evento foi realizado pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) em parceria com a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI), o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o Instituto Nacional da Propriedade Industrial da França e o Ministério de Agricultura e Abastecimento (MAPA), e contou com a participação de profissionais palestrantes da França, Guatemala, Marrocos e Chile.

O Sebrae apoia as IG’s desde 2002, e acredita que elas são fundamentais para destacar a importância do processo de fabricação de produtos e seus ingredientes, fortalecendo a origem regional e o uso de elementos singulares da cultura e dos territórios. Esse mecanismo agrega valor ao produto final no posicionamento dos mercados, destacando suas diferenças e qualidade em relação a outros produtos genéricos.

As Indicações Geográficas estão previstas na Lei de Propriedade Industrial nº 9.279/1996, na forma de Indicação de Procedência, que é o nome geográfico do país, cidade, região ou localidade, que tenha se tornado conhecida como centro de extração, produção ou fabricação de determinado produto, e na forma de Denominação de Origem, para designar produtos cujas características se devam exclusivamente ou essencialmente ao meio geográfico de onde vieram.

No Paraná, o Sebrae está fomentando 10 indicações geográficas do estado, inclusive uma das principais, que é a da erva-mate. Essa “missão”, como destacaram os participantes, contou com representantes de todas as IG’s do Paraná nesse curso de formação de executivos e no evento internacional promovido pela entidade.

A comitiva são-mateuense pôde conhecer todos os representantes das IG’s e em especial. Estiveram presentes na oportunidade as seguintes IG’s: café do norte pioneiro, uva de mesa da cidade de Marialva, Denominação de Origem (D.O) do mel de Ortigueira, mel do oeste do Paraná, goiaba de Carlópolis, queijo de Witmarsum e mais as associações que estão em fase de obtenção da IG: o barreado e farinha de mandioca do Litoral, bala de banana de Antonina, a cachaça de Morretes e o melado de Capanema.


O evento contou também com painéis sobre o tema, entre os quais o membro da IG-Mathe, Helinton Lugarini, expôs o sistema de controle e rastreabilidade (DataMatte), que foi criado para colaborar com os produtores da IG são-mateuense e que pode também beneficiar inúmeros outros produtores pelo país.

Em terras mineiras

O Sebrae paranaense, está empenhado na capacitação dos executivos das IG’s. Os representantes da IG-Mathe conheceram e trocaram experiências com os produtores de queijo da Serra da Canastra.

O são-mateuense Ronaldo Toppel, comenta que os produtores mineiros tiveram muitos problemas com o início do processo da IG, devido a legislação brasileira por conta da especificidade de sua produção que é feita com queijo cru, ou seja, leite não pasteurizado. No Brasil é proibida essa comercialização. Na França, por exemplo, o país conta com os queijos mais valiosos do mundo e são feitos a partir do queijo cru.

Os membros da associação da Serra da Canastra também possuem suas propriedades baseadas com as Boas Práticas Agrícolas (BPA), assim como os produtores da erva-mate. A produção é diária e o gado leiteiro é ordenhado duas vezes ao dia, provendo assim, além do aumento da produtividade, a produção de um queijo específico para cada período. “Eles fazem dois queijos, o da manhã e o da tarde, e o gosto desses queijos é completamente diferente.”

Além do aumento da produtividade e valorização do produto, a região avançou enormemente na questão turística. Antes eles podiam apenas comercializar sua produção na própria região e agora com a obtenção da IG e a barreira da legislação vencida, o queijo roda o mundo e até foi premiado como um dos melhores do mundo.

Antes da obtenção da IG, o queijo era vendido em uma base de valor de R$ 3 a cada quilo e hoje, alguns produtores já conseguem comercializar a minimamente R$ 80 a peça, que pesa em média 1kg.

Segundo os são-mateuenses, estas propriedades estão preparadas para receber os turistas, graças as capacitações promovidas pelo Sebrae junto a cada produtor e suas famílias, que vem alavancando a economia da região que é bastante longe de centros comerciais, industriais e tecnológicos.

“Sempre que você sai em uma missão como essa, você ensina e aprende muito mais. Obtemos uma renovação muito grande ao participar de eventos de tamanha importância e relevância aos produtores e membros da cadeia produtiva. Podemos conhecer novas realidades e trocar inúmeras experiências”, enfatiza Ronaldo Toppel.

O evento também contou com o lançamento do catálogo das IG’s de todo o Brasil que pode ser acessado por todos, através do site da NPI, www.inpi.gov.br. São cerca de 56 indicações brasileiras.

Compartilhe esta reportagem...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Print this page


Comentários: