Acredito que no mundo animal, o sentido do olfato seja o mais importante para a sobrevivência. Para o homem, nas épocas mais remotas também foi. Sentir o cheiro do predador ou do alimento poderiam resultar na diferença entre a vida e a morte. Assim, se justificava a especialização deste sentido.

Com o passar do tempo e a maior segurança da espécie, conquistada através de nossos feitos e criatividade, deixou de ser um senso tão ligado ao instinto para vincular-se às nossas emoções. Podemos até associar alguns odores a fatos perigosos, como na indústria, mas o que o olfato mais nos proporciona é a associação das nossas memórias olfativas às nossas memórias afetivas.

Alguns podem sentir-se felizes ao sentir o cheiro do café e lembrar da cozinha da mãe ou da avó. Perceber o aroma do chocolate é lembrar daquele Natal onde o doce possuía a forma de Papai Noel ou de mordida na orelha do coelhinho no Domingo de Páscoa, ligando nossas lembranças aos momentos de convívio familiar.

Gravar essas memórias olfativas acontece nos momentos menos esperados. Eu, por exemplo, visitei um grande parque temático, não sabia para onde olhar de tanta beleza construtiva. Cruzei um jardim, sem percebê-lo num primeiro momento, mas quando já estava no meio dele, o perfume das rosas invadiu o meu sentido e este é um dos momentos que me trazem de volta as belas lembranças daquele passeio.

Assim, sonho em um dia ter um grande jardim e nele cultivar muitas rosas. Não tenho o dom da jardinagem, mas eu gostaria muito de ter para sempre (tudo é eterno enquanto dura) uma bela plantação dessas flores. Vez ou outra, sinto vontade de incluir o perfume das rosas em algum dos meus textos, como faço agora.

Cada pessoa tem seu próprio cheiro. Com certeza a lembrança do cheiro de alguém lhe desperta amor, carinho, paixão.

Somos uma máquina muito bem planejada e construída. Vale a pena explorar e bem usar os recursos que nos foram concedidos por quem nos criou.

Todo mundo já ficou resfriado na vida e sabe o que é perder o olfato mesmo que temporariamente: a vida além de não ter cheiro, também não tem sabor e fica meio insossa, sem graça.

Aproveite o cheiro do mundo!

Adnelson Borges de Campos
Últimos posts por Adnelson Borges de Campos (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
O Bom Velhinho sempre vem
Uma porta para o desconhecido
Precisamos de equilíbrio