Os moradores de rua encontram-se em inúmeros pontos da cidade como na Igreja Matriz, Praça da Rodoviária e Praça do Rio Iguaçu. (Fotos: Cláudia Burdzinski/Gazeta Informativa)

Com a queda repentina e o frio intenso, alguns são-mateuenses acabam demonstrando a solidariedade com campanhas de agasalho para suprir a necessidade de moradores de rua e andarilhos que passam pelo município.
Para entender um pouco mais sobre o trabalho com a população de rua em São Mateus do Sul, a Gazeta Informativa conversou com a equipe do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), que faz um trabalho social com moradores de rua e itinerantes (andarilhos), como a oferta de banhos quentes e lanches.

De acordo com o levantamento disponibilizados pela equipe do CREAS, atualmente São Mateus do Sul conta com uma média de 20 moradores de rua ativos, em sua maioria homens. O município também conta com 25 cadastros de moradores de rua inativos, dados que variam de circunstâncias como a de falecimento ou mudança. Desde 2014 há cadastros de 500 itinerantes que passaram pelo município. É importante frisar a atuação do município em dispor de passagens ou outros meios de transporte para que essa população itinerante tenha a oportunidade de chegar a outros destinos, evitando o agravamento social.

Em uma cartilha de informações idealizada em 2017 por representantes da secretaria municipal de assistência social, corpo de bombeiros, polícia militar, pronto atendimento e sociedade civil organizada, você poderá conferir os direitos da população em situação de rua. Confira:

CREAS

Realiza o cadastro da população de rua do município e também dos itinerantes, em que são coletadas informações relacionadas ao local de origem, família, dados pessoais, saúde, trabalho e histórico de vida, orientando sobre direitos e deveres. O CREAS também efetua contatos com familiares e realiza os devidos encaminhamentos. O Centro de Referência disponibiliza espaço para higiene – como banho e lavagem de roupas –, guarda de pertences e documentação. O morador possui o espaço como referência e pode utilizar o endereço para receber correspondências.

A unidade tem a finalidade de contribuir para a construção de novos projetos de vida respeitando as escolhas dos usuários e suas especificidades, contribuindo com a restauração e preservação da integridade e a autonomia da população em situação de rua. O CREAS está localizado na Rua Pedro Effco, 1868 – Vila Prohmann. Contato no telefone (42) 3912-7083. A equipe aceita doações de produtos de higiene, vestuário e cobertores.

Centro de Referência de Assistência Social (CRAS)

O CRAS realiza a inclusão da população de rua em programas federais de transferência de renda através do Cadastro Único. O espaço viabiliza mediante disponibilidade e avaliação, o acesso à benefícios eventuais previstos em lei, como documentação pessoal, vestuário, cobertores, colchões e alimentos, além da inserção nos grupos de Proteção e Atendimento Integral à Família (PAIF) quando há interesse.

O CRAS está localizado na Rua Agenor Nascimento, 872 – Centro. Contato no telefone (42) 3912-7085, e também aceita doações.

Centro de Atenção Psicossocial (CAPS)

O CAPS atende a modalidade de porta aberta, ou seja, quem procurar o setor será acolhido, verificando a forma do tratamento adequado e encaminhamento para demais setores cabíveis. A política do Sistema Único de Saúde (SUS) garante o atendimento a todo cidadão nas condições em que ele se encontra, mesmo sem endereço, documento e sem acompanhante, assim ele pode ser atendido nos postos de saúde e hospitais. A unidade presta atendimentos a pessoas com transtornos mentais severos e persistentes, comportamento psíquico e transtornos relacionados às substâncias como álcool e outras drogas.

A sede do CAPS está localizada na Rua Agenor Nascimento, 445 – Centro. Contato no telefone (42) 3532-4392. É importante ressaltar que os serviços no CREAS, CRAS e CAPS são ofertados em horário de atendimento de cada local.

Pronto Atendimento Municipal

Atende qualquer cidadão que necessite de atendimento de caráter de urgência, independentemente da situação em que o morador se encontre. O Corpo de Bombeiros atende inicialmente o chamado, efetua os primeiros socorros e transporta para o Pronto Atendimento.

Corpo de Bombeiros

Atua nas situações em que esses cidadãos estejam necessitando de atendimento emergencial de natureza pré-hospitalar ou em situação de risco eminente de vida.

Polícia Militar

Atua nas abordagens, averiguações e identificação dos casos, verificação de atitudes suspeitas, risco de cometimentos ilícitos, lesão corporal, homicídio, suicídio, invasão de domicílio e danos ao patrimônio público. A Polícia Militar deve ser acionada quando o morador de rua ou qualquer outro indivíduo promova desordem a comunidade.

Sociedade civil

Cabe à sociedade civil organizada reconhecer a população de rua como cidadãos de direitos, os quais têm direito de ir e vir, ocupar locais públicos (sem causar danos) e serem tratados com igualdade e dignidade. A comunidade deve se aproximar da população de rua, dialogando quando visualizar alguma situação em que o morador precise de ajude, intermediando o contato com as unidades, respeitando seu espaço e as diferenças.

CHARGE

Cláudia Burdzinski

Cláudia Burdzinski

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br
Cláudia Burdzinski

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Igreja Centenária da Água Branca está passando por restauração
CDL divulga nota sobre publicações caluniosas a respeito do atraso na abertura das Lojas Americanas
Atingidos pelo temporal de granizo devem acionar Defesa Civil para assistência

Deixe seu comentário

*