Estação de tratamento de esgoto localizada na Rua Antônio Bizinelli existe desde os anos 1980 e desde então incomoda moradores do entorno. (Foto: Alexandre Douvan/Gazeta Informativa)

Moradores da Rua Antônio Bizinelli reclamam do incômodo causado pelo mau cheiro vindo da estação de tratamento de esgoto. Já foi realizada audiência na Câmara de Vereadores, além de uma viagem a Curitiba para tentar resolver o problema diretamente na sede da Sanepar, mas os moradores apontam que nenhuma medida foi efetiva para reduzir o mau cheiro.

Lídia Lara mora na região há 62 anos. A unidade da Sanepar foi instalada muito depois, nos anos 1980. Ela conta que é impossível se acostumar com o odor vindo da estação. “Quem tiver estômago fraco não aguenta”, afirma. A estação de tratamento foi instalada para atender a demanda por tratamento de esgoto da Vila Americana, criada nos anos 1980. Há cerca de 10 anos foi ampliada para receber o esgoto de outras regiões da cidade.

“Sempre teve cheiro, mas no início não era tão forte. Depois da ampliação ficou um cheiro muito pior”, relata a moradora Lídia Lara. A casa dela fica exatamente na frente da estação de tratamento. Conta que dependendo do dia o odor aumenta, pois a direção do vento também influencia na dispersão dos gases que saem da estação e provocam o mau cheiro.

Lídia também conta que na audiência realizada na Câmara de Vereadores para tratar do problema, um dos representantes da Sanepar chegou a dizer que os moradores se mudaram para a região depois da estação de tratamento estar em funcionamento. “Isso me deixou revoltada porque estou aqui há muito mais tempo e eles ainda tem coragem de dizer isso”, lembra.

A cerca de 500 metros dali, a moradora Antônia Przyvitovski diz que em dias de vento forte na direção de sua casa também é possível sentir o cheiro, principalmente nos finais de tarde.

Problemas na tubulação também chamam a atenção

O morador e membro da Associação de Moradores do bairro, Deni Silva, aponta que um dos problemas, que era o recorrente rompimento de tubulações foi parcialmente solucionado após denúncia feita em Curitiba. As tubulações não aguentavam o volume e a pressão fazia com que o esgoto se espalhasse pelo chão.

Lídia Lara também confirma que o problema do vazamento de esgoto na estrada entre sua casa e a estação de tratamento também foi resolvido há cerca de dois anos, quando foi realizada a reunião em Curitiba.

Em 2018, Deni Silva filmou a tubulação rompida e pediu explicações às autoridades responsáveis, que arrumaram dois dos três dutos, mas o terceiro e mais próximo ao rio Iguaçu continua no mesmo estado de antes. O morador também fez filmagens de um tubo saído da estação despejando detritos no rio.

A reportagem procurou a Sanepar em São Mateus do Sul em busca de esclarecimentos, mas o responsável pelo setor de esgotos não estava presente e recebemos o contato de um agente de suporte operacional. Foi solicitado esclarecimento via e-mail e nos foi informado o endereço do gerente “Sr. Bolivar” em União da Vitória, sem nenhum esclarecimento local acerca das demandas apresentadas.

Vídeo enviado pelo leitor Deni Silva.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Que 2018 seja tão bom quanto 2017!
Petrobras tem até fim de 2021 para efetuar a venda das refinarias – dentre elas a SIX
Audiência Pública apresenta a Lei de Diretrizes Orçamentárias para o ano de 2019 em São Mateus do Sul