Indústria e Comércio

Mosaico retratará a Usina do Xisto e a luta dos petroleiros

Foto e informações: www.sindipetroprsc.org.br

Começou nesta segunda-feira (18) e prossegue até a próxima sexta-feira (22) a produção de um painel em mosaico que retratará a Usina do Xisto, sua importância para São Mateus do Sul e a mais longa greve dos petroleiros da unidade, que recentemente completou um ano.

A confecção ocorre na Praça Nossa Senhora da Conceição, mais conhecida como Praça da Igreja, em São Mateus do Sul. O artista responsável é Javier Guerrero Meza, mosaicista equatoriano, neto de José Enrique Guerrero, conhecido como El Pintor de Quito.

O trabalho é aberto ao público e todos os interessados em conhecer a técnica, o artista e até mesmo contribuir com a produção do painel pode visitar a barraca instalada na Praça, que funcionará das 9h às 19h.

Artista Guerrero 

Javier Guerrero é um parceiro de longa data do Sindipetro. Realizou um trabalho de formação de mosaicistas no Assentamento do MST na Lapa, durante a 1ª PlenaFUP, onde foi construído um belo painel que ilustra a união entre trabalhadores do campo e da cidade. Mais tarde os aprendizes desenvolveram um painel na frente da Regional do Sindipetro em São Mateus do Sul.

Entre o final do ano passado e o começo de 2017, Guerrero ministrou um curso de mosaico para petroleiros e seus familiares na Sede do Sindipetro, em Curitiba. Como conclusão do curso foram produzidos três grandes painéis que contam a história do petróleo no Brasil, em exposição na Sede.

Greve de 2016

A greve de 2016 na SIX durou 45 dias ininterruptos, de 01 de setembro a 15 de outubro. O motivo foi a imposição por parte da Petrobrás da redução da jornada de trabalho dos trabalhadores em regime de turno, de 8h para 6h. Tal medida traria graves prejuízos ao convívio social e familiar dos trabalhadores.

Antes da tentativa de redução, a jornada de oito horas significava um ciclo mensal de 18 dias de trabalho e 12 de folga. A determinação da empresa representaria 24 dias de trabalho e apenas seis dias de folga. Os trabalhadores da SIX teriam um final de semana completo apenas nas suas férias. Além disso, sofreriam uma redução salarial aproximada de 25% em decorrência da perda do adicional de HRA (Hora Repouso e Alimentação).

Enquanto a Petrobras apostava no enfraquecimento do movimento com o passar do tempo, a cada dia de greve a resistência dos petroleiros da SIX crescia mais e mais. Uma luta difícil e desgastante que foi parar nos tribunais. Mesmo assim, a greve continuava. Foram 45 dias de luta até que a empresa foi obrigada a retomar a jornada de turno de oito horas. Vitória da luta, da resistência e da organização dos petroleiros da Usina do Xisto.

Redação

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Amanhã é o dia “D” para a greve na SIX
Grupo de São Mateus do Sul participa do encontro no Fórum de Desenvolvimento Territorial
Jucepar integra Secretaria da Fazenda no sistema que facilita abertura de empresas no PR