(Imagem Ilustrativa)

Quando leio nos noticiários que pessoas morreram de frio nas ruas das cidades, vejo quão longe estamos de ser uma sociedade justa, porque tem pessoas morrendo também de fome, além das mortes por falta de assistência médica, por racismo, por homofobia e por balas perdidas.

Numa reflexão, concluo que não é o frio, nem a fome, nem a falta de remédios, nem o racismo e nem a homofobia que estão matando essas pessoas, o que mata é a falta de amor, do amor na medida recomendada pelo mestre Jesus.

É essa falta de amor ao próximo que nos impede de sair da zona de conforto e partir para o trabalho edificante visando transformar a nossa sociedade.

Em todas essas fatalidades, têm um traço de nossa assinatura e uma linha de nossas impressões digitais.

Lamentamos todas as tragédias, mas não movemos um dedo para impedi-las ou para amenizá-las.

No mesmo noticiário, leio que o homem mais rico do mundo, faturou em suas empresas, mais de setenta bilhões de dólares no ano passado em virtude da pandemia de covid, e em virtude dessa mesma pandemia, reduziu o salário de seus funcionários.

Com essas informações, não tem como não concluir que estamos na contramão do evangelho.

Rogo a Deus que ilumine nossas mentes e que o mestre divino nos reconduza ao caminho da fraternidade.

Paz e luz a todos.

Oscar Okonoski
Últimos posts por Oscar Okonoski (exibir todos)

Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS
A corrida dos sentimentos
De caminho em caminho
Amar ao próximo como a ti mesmo