Fotos: Não autorais

Você tem medo de altura? Confesso que eu tenho um pouco, mas amo me desafiar, claro, não ao ponto de realizar a façanha de caminhar – sem proteção – de um prédio com mais de 100 andares para outro sobre um cabo de aço suspenso, a muitos metros de altura. A maioria das pessoas ficariam sem ar só de pensar sobre esse assunto. A propósito, acrofobia é como se chama o medo exagerado e irracional de altura, podendo causar ataques de pânico e impactar sua vida negativamente, limitando as oportunidades de carreira, bem como afetando situações simples do dia a dia.

Assisti recentemente A Travessia (The Walk), um filme lançado em 2015, baseado na história verídica do equilibrista francês de 24 anos Philippe Petit que desafiou a morte e a lei ao cruzar uma corda bamba no alto das torres gêmeas do World Trade Center, com seus mais de 100 andares cada, em Nova Iorque, no dia 6 de agosto de 1974. Apesar da ação ter ocorrida na ilegalidade, ela ganhou destaque no mundo. Philippe ficou conhecido por sua ousadia e sua história serve de lição para quem acredita que algum sonho seja impossível de se realizar.

Hoje, Philippe tem 69 anos e, além de ainda praticar o funambulismo (arte de circo que consiste em caminhar se equilibrando em uma corda), é convidado para ministrar palestras e workshops sobre criatividade em todo o mundo.

O diretor do filme, Robert Zemeckis, com sua incrível direção, nos coloca na história da travessia juntamente com Petit e, literalmente, nos faz perder o fôlego. Se você ainda não assistiu, eu indico.

O filme basicamente retrata a história do equilibrista, que com a ajuda de amigos, em uma operação clandestina, estendeu um cabo de aço entre os imensos edifícios recém-construídos, a mais de 400 metros de altura, andou de um lado para o outro, em uma distância de mais de 40 metros sobre um cabo, repetindo o trajeto por oito vezes, e permaneceu suspenso no ar, e sem nenhum tipo de proteção, por 45 minutos.

O equilibrista levou seis anos planejando e, durante este tempo, aprendeu tudo que podia sobre os edifícios e com os amigos, estudou como subi-los sem ser detectado. Ele escondeu os cabos e equipamentos e preparou a travessia. Na manhã escolhida foi usado um arco e flecha para lançar o cabo entre as torres.

Philippe teve a primeira inspiração para tal evento enquanto estava sentado no consultório do seu dentista em Paris. Em um jornal, ele viu uma reportagem sobre as torres incompletas, junto com uma ilustração do modelo.

A imensa cobertura das notícias e a apreciação do público da acrobacia de Philippe resultou em “esquecimento” das acusações formais relatando a sua caminhada. Entretanto, por sua perigosa performance, no mesmo dia, o francês foi liberado das acusações com a condição de fazer performances de equilíbrio para crianças ao ar livre. Também deu autógrafos a policiais e população, e ganhou passe-livre ao topo dos arranha-céus, até 11 de setembro de 2001.

Philippe também foi o malabarista mais novo e moderno de rua em Paris em 1968. Ele fez malabarismos e trabalhou numa corda bamba regularmente, no Washington Square Park, em Nova Iorque. Além disso, Philippe foi artista residente na Cathedral of St. John The Divine da mesma cidade.

A travessia de Philippe nas torres gêmeas também foi representada no documentário O Equilibrista (Man on Wire), dirigido por James Marsh, sendo lançado em 2008. Ambos os filmes foram baseados no livro To Reach the Clouds, que foi escrito por Philippe.

Philippe Petit foi levado para a delegacia logo depois da performance nas Torres Gêmeas. O nome do boletim policial foi “O Equilibrista”, que deu título ao documentário .

Tudo é possível

Agora você deve estar se perguntando: “mas aonde a Thaís quer chegar com toda essa história?”. Quero apenas te atentar que a limitação está em nós mesmo. Se você já tem esse entendimento, que bom, se não, então presta atenção!

Na história de Philippe, a travessia foi ilegal devido os riscos de segurança e tudo mais. Mas deixando isso de lado, o intuito do meu artigo é mostrar que tudo é possível, basta querermos, porém, para isso não devemos passar por cima de algo ou alguém para se obter sucesso.

Infelizmente muitas pessoas criam desculpas e colocam a culpa em alguém ou dizem que a pessoa X só obteve sucesso por causa disso ou daquilo, mas não, as pessoas tem sucesso por que acreditam em algo realmente, mudam suas prioridades, vão atrás e fazem acontecer. Por isso, acredite em algo, estude, tenha coragem… que naturalmente o sucesso virá.

Como está a sua mente?

Não existe sonho impossível, desde que você tenha muita paixão, coragem, determinação, foco, perseverança e busque com todas as forças alcançar seus objetivos, essa é a lição que A Travessia nos dá.

Além disso, Philippe deixa claro que trabalhar a mente e ter concentração são uns dos caminhos para se obter êxito em qualquer coisa que deseja fazer.

O pensamento é algo realmente forte e poderoso e ele age de forma muito intensa em nossas vidas. Ao pensar coisas positivas, você estará vibrando na frequência de coisas positivas, consequentemente será isso o que irá atrair para a sua vida. E o oposto também acontece. A partir disso, é possível entender como é importante controlarmos os nossos pensamentos e zelarmos pela saúde da nossa mente.

“Trabalho minha mente antes de subir na corda. Minha concentração vem do bloqueio mental que alcanço em relação ao mundo exterior. Ao mesmo tempo, estou atento ao que acontece ao meu redor, é difícil explicar isso. Sou sensível a cheiros, barulhos, vibrações, todos os pequenos detalhes. Acho que durante todos esses anos consegui criar um jeito especial, personalizado, de manter o foco e a concentração. Na minha cabeça, estou muito concentrado na caminhada, mas ao mesmo tempo, muito feliz em ser observado”, diz Philippe em entrevista.

Confesso que sou viciada em filmes e livros que ensinam coisas e nos instigam a sermos melhores, consequentemente a querermos voar cada vez mais alto.

Nos anos 70 a travessia era considerada impossível, mas Philippe mostrou que nada é impossível e somente a sua mente, o seu pensamento e suas crenças te limitam.

De fato, o filme é incrível, motivador e te inspira a querer fazer também coisas insanas e ousadas, tudo pelo maravilhoso sentimento de adrenalina e de que nada é impossível.

A Travessia mostra o protagonista em busca de seu sonho, superando todo tipo de dificuldade, mas sempre confiante e na certeza de que tudo vai dar certo, e é nesse sentimento de positividade que o filme se desenrola.
Espero que meu artigo tenha te ajudado ou acrescentado alguma coisa boa. Ouse mais! E nunca esqueça que você é capaz de ir muito mais longe do que acredita.

Thaís Siqueira

Fundadora e proprietária da Gazeta Informativa, graduada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo e pós-graduada em Produção e Avaliação de Conteúdos para as Mídias Digitais.

Últimos posts por Thaís Siqueira (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Muito mais que uma descoberta científica…
Não seja um abutre!
A Barbie do século XXI

Deixe seu comentário

*