(Imagem Ilustrativa)

Volta e meia me perguntam sobre como é ser um jornalista e eu primeiro já vou dizendo que na verdade sou “jornaleiro”, pois não fiz a faculdade de Jornalismo, algo que respeito muito. Não apenas jornalismo, mas os cursos superiores, a importância que eles têm. Meu comentário é sempre que é necessário conseguir separar a opinião própria em torno do tema a ser relatado, e trabalhar com a descrição sobre o acontecido e ouvir na medida do possível todos os lados envolvidos.

Falando nisso, recebi o seguinte texto, da parte de um colega que me chegou sem autor: “Nada é o que parece ser. O mar de longe é azul, de perto é verde, por dentro, transparente. Aparentemente, tudo é diferente do que realmente é. Eis então o segredo para não julgar: Em vez de olhar o mar de longe, mergulhe!”. O texto veio mesmo a calhar para tentar definir um tanto o que é trabalhar com notícias, e me parece que no Brasil muitos jornalistas e meios de comunicação esqueceram o conteúdo desse pequeno texto.

Alguns me perguntam o que eu acho de youtubers falando sobre assuntos que nada entendem, muitas vezes. E eu simplesmente falo que tem gente que gosta de ouvir e por isso eles têm a fama e ganham a fortuna que ganham, mas diferente de jornalistas que devem dar a notícia e não a sua opinião numa notícia, pois youtubers a gente sabe que não se trata de notícia e sim da opinião dele, mesmo que distorcida. Aí me vêm alguns dizendo, mas eles desinformam também, e eu rebato, se você está doente vai no bar da esquina perguntar o que pode ser? Cada um sabe onde pode ir buscar informações, o perigo é que atualmente muitos meios jornalísticos não sabem mais o que estão fazendo, aí sim é o problema, pois é o lugar de se informar.

Quando tudo virou questionamento político, ficou difícil realmente trabalhar com informações, pois, muitos já têm a opinião formada e não querem saber de novas informações que possam ou deveriam mudar a opinião já consolidada. É claro que a política influencia nossa vida, mas politizar tudo em esquerda ou direita, não creio que seja por aí. Até a religião ficou pautada por política e parece até que esqueceram Deus em meio a tudo isso.

Trabalhar com informação é como diz o pequeno texto anteriormente citado, “O mar de longe é azul, de perto é verde, por dentro transparente”, a notícia muita vezes é vista de longe e parece uma coisa, e quando é vista de perto tem outro aspecto, e nem sempre se consegue ver ou saber a notícia por dentro, mas devemos como repórter chegar o mais próximo possível de todos os assuntos referentes a notícia para distribuí-la e as pessoas poderem fazer juízo sobre ela. Se o intento é levar a minha opinião sobre algo, deve ter um local apropriado para tal, que é diferente de dar uma notícia. Não sei quantas vezes dei notícias que realmente não gostava, que queria que fosse diferente, mas apenas informava os acontecimentos e ouvindo todos os lados envolvidos, contrariando meus desejos e vontade, creio que isso é que fez diferença e me manteve a tanto tempo trabalhando nessa área e tendo respeito da maioria das pessoas.

Muitos ainda me questionam sobre minha posição a determinados assuntos e evito emitir, pois na maioria das vezes não é entendida por quem pergunta, e digo que o importante são os fatos que exponho para que cada um forme sua opinião. A minha opinião não importa, os meus desejos menos ainda, apenas os fatos que apuro e divulgo.

Hugo Lopes Júnior
Últimos posts por Hugo Lopes Júnior (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Pequeno gesto de grande valor
Opinião irrelevante
O dom de ser professor