Artigo de Opinião

Não olhe para baixo

A força de vontade é bastante relativa de pessoa para pessoa. Muito disso depende do quanto o indivíduo deseja aquilo, e de como ele irá se esforçar para conseguir o que pretende.

Nessa mistura de querer e ir em busca de algo que nos faz bem, estamos acostumados em enganchar essa possível necessidade com a reclamação do quanto isso está consumindo seu tempo, e de como a demora pelo insaciável lhe causa mal.

Infelizmente as pessoas ainda são criadas pelo momentâneo e por querer sempre e cada vez mais aquilo no agora, deixando muitas vezes de lado a meritocracia final, que acredito que seja a principal recompensa pelo esforço.

Na edição de perfil dessa semana pude presenciar de perto o significado de meritocracia conhecendo o passado de Valdir e de como ele, apesar das dificuldades enfrentadas, jamais deixou isso abalar seu principal objetivo.

Um homem que usou das necessidades enfrentadas uma maneira de olhar para trás para fazer com que o mal não se fixasse novamente, e é isso que está faltando na vida de muitas pessoas.

Cada vez mais estamos cômodos e aceitando o que nos é imposto, tanto de maneira pessoal quanto na social, política e econômica. A falta de atitude é reforçada na forma com que a aceitação do “não” é feita, padronizando e fazendo com que as pessoas acreditem que tudo que acontece é “normal”.

Não é normal quando você leva a sua vida como apenas mais um boi em uma boiada indo para o abate. Somos muito mais que isso, precisamos olhar para o ontem para fazer com que o hoje e o amanhã se tornem diferentes. A vida é uma só, então faça com que a sua passagem nesse plano transforme não só apenas a sua vida melhor, mas de um coletivo todo.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Aprendendo a lidar com o 1º
Ô mãe, eu tô na Globo!
Aquela frase, “não adianta ir na missa todo domingo e matar o gato envenenado”