Com 85 anos de idade, Oscar Ribeiro de Souza iniciou no mundo dos rodeios depois de aposentado, e soma títulos à nível nacional. (Fotos: Cláudia Burdzinski/Gazeta Informativa)

“Fazer o que gosta não tem idade”, garante Oscar Ribeiro de Souza, que completou 85 anos no dia 2 de fevereiro, e leva consigo o título de campeão brasileiro de provas com rédea. Quem convive com a tradicionalidade representada nos Centros de Tradições Gaúchas (CTG’s) entende da paixão pela vida campeira. Além de apresentar uma outra realidade para Oscar, os novos amigos formados nesses mais de 20 anos de CTG resumem o sorriso no rosto do são-mateuense quando conversa sobre o que mais gosta.

Nascido na comunidade de Rio das Pedras, interior de São Mateus do Sul, Oscar não iniciou em competições como a maioria das pessoas, que tem o contato com rodeios desde a infância. O peão vestiu sua pilcha (indumentária tradicional gaúcha) depois de aposentado e desde então não passa um dia sem se orgulhar de toda sua história nesse meio.

Aos 60 anos, o aposentado da Unidade de Industrialização do Xisto (SIX) que trabalhava como oficial de manutenção de serviços gerais, recebeu o convite dos amigos Lico e Adir Franco para iniciar a prática nos rodeios. “Eles me convidaram para laçar, e eu disse que não sabia muito bem como fazia. Cheguei em casa e fiquei com isso na cabeça e decidi que queria aprender. Até hoje meus filhos ficam preocupados quando conto o que faço, mas eu me encontrei no que gosto”, conta. Não foram apenas os filhos que ficaram apreensivos sobre essa decisão de Oscar, mas muitos de seus amigos não acreditavam que ele seria capaz de vencer muitos veteranos com anos de experiência.

O são-mateuense iniciou em 1993 nas provas de laço e com o passar do tempo começou a praticar os desafios com rédea, em que o cavaleiro domina o animal em percursos com baliza. Desde então, Oscar participa de rodeios em diversas cidades e estados, somando troféus em competições e encontros à nível nacional. “Tenho muitas amizades e consideração por todas as pessoas que me ajudaram nesse caminho”, diz o veterano mais velho de toda a 6ª Regional Tradicionalista, que contempla os municípios de São Mateus do Sul, Mallet, Rebouças, São João do Triunfo, Antonio Olinto, Paula Freitas, Paulo Frontin, Irati, Inácio Martins e Rio Azul.

Provas de laço realizadas por Oscar. (Acervo Pessoal)
Prova de rédea cronômetro veterano. (Acervo Pessoal)

Porém, em 2012 um problema no coração fez o peão dar uma breve pausa no mundo dos rodeios. Após passar por cirurgia cardíaca, um acidente automobilístico no caminho de casa fez com que a movimentação do seu braço direito ficasse comprometida, pois houve o rompimento de alguns tendões. Sem desistir e mostrando que não há limitações para fazer o que gosta, Oscar se recuperou e voltou em 2015 para as competições, se tornando um exemplo e inspiração para todos os CTG’s que conhecem a sua história.

Morando atualmente na comunidade da Colônia Cachoeira, o peão elaborou seu próprio centro de treinamento, e junto de seu fiel companheiro Atrevido, pratica a prova de baliza em um campo aberto nos fundos de sua propriedade.

Atualmente o cavalo Atrevido é o fiel companheiro de Oscar em rodeios. Na foto, o centro de treinamento elaborado pelo são-mateuense.

Oscar já participou do CTG Manotaço, Rancho Alegre e atualmente faz parte da Chapada dos Ervais, que soma cerca de 50 membros. “Sempre tive muito respeito com as pessoas mais velhas, gosto de escutar suas longas histórias do passado. Seu Oscar é um exemplo de superação, pois sei que ele iniciou nas provas campeiras na mesma época que comecei, ele com mais de 60 e eu com 10 anos de idade. Para mim ele é um espelho de homem com garra e determinação. Quero ter a sua força de vontade para provar que a velhice não é um tempo de tristeza e esquecimento, pois ele afirmou que é um tempo de recomeço, de se orgulhar das marcas do passado, de conhecer novos amores e que isso tudo não tem idade. Mostrou a todos que nunca é tarde para vencer e que não há nada melhor que viver fazendo o que gosta. Sou muito grato pela nossa amizade e pelos seus ensinamentos e lhe desejo um feliz aniversário”, afirma Alexandre Witkowski, patrão do CTG Chapada dos Ervais.

Oscar e Alexandre Witkowski, patrão do CTG Chapada dos Ervais.

Oscar é pai de 10 filhos e tem 21 netos e 5 bisnetos, e incentiva os pequenos desde cedo nesse caminho. “Tenho muito orgulho de ser sua esposa, companheira e conselheira. Aprendo com o Oscar todos os dias e agradeço por ele me deixar fazer parte da sua vida”, diz a esposa Ana Rita Guimarães.

Oscar e a esposa Ana Rita Guimarães.

“Seu Oscar representa uma figura ícone dentro do nosso movimento tradicionalista. Ele sempre está sorrindo, bem receptivo e respeitoso com todos. E nós, tradicionalistas, admiramos muito a pessoa do seu Oscar, um exemplo que deve ser seguido. Um grande companheiro e batalhador. No lombo do seu cavalo ele se transforma num monarca, imponente e altivo! Gostaria de parabenizar pela passagem do seu aniversário e dizer o quanto ele é importante para todos nós, principalmente para as novas gerações. Que o patrão celestial lhe permita ainda muitas campeiradas no potreiro da existência!”, expressa Geomara Kavilhuka, integrante do CTG Tropeiros de São Mateus do Sul.

Suas principais vitórias

Brasileirão
2003 – 3º lugar na prova de laço, na cidade de Sorriso – Mato Grosso;
2005 – 2º lugar na prova de rédea desafio e 3º lugar na prova de rédea cronômetro, na cidade de Santiago – Rio Grande do Sul;
2007 – 1º lugar na prova rédea desafio, na cidade de Pato Branco – Paraná.

Seleção Paranaense
1996 – 2º lugar na prova rédea desafio veterano, na cidade de Guarapuava;
1998 – 3º lugar na prova pealo sobre o lombo, na cidade de São João do Triunfo;
1999 – 2º lugar na prova desafio veterano e 3º lugar na prova pealo sobre o lombo, na cidade de Paraíso do Norte;
2000 – 1º lugar na prova rédea desafio e 2º lugar na prova pealo sobre o lombo, na cidade de Francisco Beltrão;
2002 – 2º lugar na prova rédea desafio veterano, na cidade de Telêmaco Borba;
2003 – 1º lugar na prova rédea cronômetro veterano, na cidade de Mandirituba;
2004 – 2º lugar na prova rédea cronômetro veterano, na cidade de Santo Antônio da Platina;
2005 – 3º lugar na prova rédea desafio veterano, na cidade de Pato Branco;
2006 – 1º lugar na prova rédea desafio veterano e 1º lugar na prova rédea cronômetro veterano, na cidade de Tibagi;
2007 – 2º lugar na prova rédea desafio veterano e 3º lugar na prova rédea cronômetro, na Cidade Gaúcha;
2008 – 3º lugar na prova rédea cronômetro veterano, na cidade de Papanduva;
Pausa por conta do acidente, voltando no ano de 2015.
2016 – representou a 6ª região em Pato Branco;
2017 – 2º lugar na prova rédea desafio, na cidade de Pitanga;
2018 – representou a seleção paranaense na cidade de Paraíso do Norte.

Cláudia Burdzinski

Cláudia Burdzinski

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br
Cláudia Burdzinski

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
A história do Sargento Sandro Skodoski e a simplicidade que leva a vida
O Papai Noel são-mateuense!
A arte de jovem dançarina através de Wakanda

Deixe seu comentário

*