Histórias de Terra e Céu

Noites do Caçador

Imagem Ilustrativa

Imagem Ilustrativa

Após vários meses sofrendo com as chuvas, na última semana tivemos a oportunidade de nos reencontrar com o céu estrelado. E entre as várias constelações que aparecem durante o verão, nenhuma é mais amada pelos astrônomos do que a constelação do Órion. Embarque comigo nesta história!

Na mitologia grega, Órion era um gigante caçador. Há duas versões sobre a sua relação com a deusa Diana. A primeira versão eu já contei há alguns meses, quando falei sobre a constelação do Escorpião. Então vamos abordar a segunda: Diana era apaixonada por Órion e os dois quase se casaram, mas o irmão de Diana, o deus Apolo, não gostava de vê-la próxima ao gigante caçador, e sempre achava uma maneira de afastá-los. Um dia, Diana e Apolo estavam na margem de um rio, e Apolo notou Órion nadando ao longe. Então Apolo desafiou a irmã, que era uma exímia arqueira, a tentar acertar aquele ponto que se deslocava nas águas. Diana, sem saber que o “objeto” era o seu amado, disparou sua flecha e matou Órion. Ao descobrir o que havia feito, a deusa ficou profundamente triste, e pediu para Zeus eternizar Órion entre as estrelas.

Falando agora da constelação, mesmo que a maioria das pessoas não consigam achar o Órion no céu, há uma parte dele que é bem conhecida: seu cinturão. Este cinturão é formado por três estrelas alinhadas, que popularmente são chamadas de “as Três Marias”. Se você olhar para o céu por volta das 22h já vai encontrar estas três estrelas quase no topo do firmamento. Olhando com atenção você verá que as Três Marias ocupam o centro de um retângulo formado por quatro estrelas. No desenho da constelação, estas estrelas demarcam o pé esquerdo (a brilhante estrela Rigel), o joelho direito (a pequena Saiph), o ombro direito (a avermelhada Betelgeuse, 250 vezes maior que o Sol) e o ombro esquerdo (a estrela Bellatrix).

Um pouco abaixo das Três Marias (ou acima, depende de onde você estiver olhando) você encontrará uma região que parece ter pequenas estrelas, como se fossem uma névoa. Ali fica uma das mais belas nebulosas do céu: M42, a Nebulosa do Órion. Ao telescópio é possível ver as nuvens de gás e poeira, deste que é um grande “berçário estelas”, local onde novas estrelas estão nascendo. Esta nebulosa está a 1.344 anos-luz de distância, ou seja, a luz que você enxerga ao olhar para ela saiu de lá há mais de mil anos.

Teríamos outras nebulosas e aglomerados de estrelas para observar no Órion, mas se você conseguir identificar as Três Marias, Betelgeuse, Rigel e a Nebulosa M42, pode considerar que sua “carreira” na astronomia é promissora. Tente fazer isso. Escolha um local bem escuro e prefira noites sem lua. Depois me conte se você encontrou o caçador de Diana.

Até a próxima semana e céus limpos para todos nós!

Gerson Cesar Souza
Últimos posts por Gerson Cesar Souza (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
O encontro do Profeta e do Feiticeiro
Somos filhos das estrelas!
Nadolny contra os Ervateiros