Política e Cidadania

Novo prefeito de São Mateus do Sul analisa desafios e projeta ações administrativas

Luiz Adyr não espera por 'mar de rosas', mas aposta na experiência. (Foto: Gazeta Informativa)

Luiz Adyr não espera por ‘mar de rosas’, mas aposta na experiência. (Foto: Gazeta Informativa)

Num cenário diferente, e em tempos de crise, qualquer economia é bem-vinda. Na campanha eleitoral de 2016, que elegeu os prefeitos e vereadores em todo o País neste domingo (02/10), se colocou em prática as novas determinações relativas à concorrência para os cargos do Executivo e Legislativo que, em outras coisas, visavam a diminuição dos custos referentes ao pleito. Também menor de tempo de veiculação em rádio e televisão, redução para 45 dias de campanha e promoção de limpeza e limitação visual.

Ao final da apuração, na maioria das cidades, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Gilmar Mendes, disse que os candidatos a prefeito e a vereador haviam declarado ter gasto R$ 2,1 bilhões com a campanha. O número equivale a um terço das despesas informadas em 2012, quando o montante chegou a R$ 6,24 bilhões no primeiro e no segundo turno da eleição. Isso sem a correção da inflação registrada nesse período. Obviamente que esses números são parciais e ainda podem sofrem alterações, mas representa redução significativa.

Nesse contexto, o prefeito eleito de São Mateus do Sul, Luiz Adyr Gonçalves Pereira (PSDB) vê com bons olhos as mudança. “Avalio positivamente. No caso do nosso município, o tempo de campanha foi suficiente para exposição tanto das propostas como das biografias e do trabalho passado dos candidatos. Como somos uma população relativamente pequena, onde todos se conhecem, a comparação ficou facilitada para o eleitor. A redução do tempo também representa redução de gastos, o que é muito importante”.

Ficha técnica e experiência

À direita, Luiz Adyr Gonçalves Pereira (PSDB), e à esquerda, seu vice José Marciniak Stuski (PSD), comemorando a vitória, no domingo (2), com a população nas ruas da cidade. (Foto: Gazeta Informativa)

O resultado oficial foi divulgado por volta das 19h30. Nele o candidato tucano foi elevado, pelas urnas, à condição de prefeito eleito com 57% dos votos — 14.809 no total — para a gestão 2017/2020. Na votação ele superou os candidatos Francisco Luiz Ulbrich, o Tiquinho (PMDB), que ficou com 30% dos votos (7.855); Clóvis Distéfano (PSC) 8% (2.238) e Hemerson Baptista (PCdoB) 2% dos votos (717).

Luiz Adyr tem 62 anos, nasceu em São Mateus do Sul. É casado, tem três filhos e sua formação é em Odontologia. Ao longo da carreira política já transitou no Legislativo, onde foi o presidente da Câmara, e neste ano eleito para o seu quarto mandato. Já esteve à frente da prefeitura entre 1997-2000, reeleito para novo mandato até 2004. Em 2008 retomou o comando municipal, ficando no cargo dos anos 2009 a 2012.

Campanha para 4º mandato

“De minha parte, procurei utilizar da maneira mais construtiva e respeitosa o tempo disponível, no rádio, nas redes sociais e nos contatos diretos com o eleitorado. Apresentei propostas, forneci dados, mostrei os resultados do meu trabalho anterior. Pensando no interesse do município, recusei assumir compromissos populistas em troca de votos. Lamentei, e em alguns momentos fui obrigado a alertar, para falsidades e comportamentos não-éticos com que procuraram me atingir”, aponta o prefeito eleito.

“Como ficou demonstrado nas urnas, tais procedimentos contrariam a índole do nosso povo ordeiro e respeitoso, e se voltam sempre contra quem os pratica”, observa. “Quero registrar minha admiração pela eficiência da equipe local da Justiça Eleitoral, que fez tudo correr da melhor maneira possível”, afirma ao ser questionado sobre a eleição atual e o que encontrou ao longo da campanha.

Governo em meio à crise

Dados desta semana apontam que existe uma expectativa de retomada econômica no Brasil para a metade de 2017, contudo os novos prefeitos devem encarar situações bem delicadas. “Não conheço exatamente a extensão dos problemas financeiros da prefeitura, mas todos os indícios apontam para sua extrema gravidade. Avolumam-se reclamações de fornecedores em atraso, de falta de equipamentos e de materiais de trabalho nas repartições, de falta de remédios na farmácia, etc.”, explica Luiz Adyr.

Ele também demonstra preocupação com as contas municipais. “Sabe-se também que já há questionamentos feitos pelo Tribunal de Contas [TC] e pelo Ministério Público [MP] sobre os gastos com pessoal, que extrapolaram todos os limites legais. Isso pode trazer as mais graves consequências para o município. Espero ser informado detalhadamente sobre a situação, como manda a Lei Orgânica. Com minha equipe, vamos avaliar tudo à luz das disposições da Lei de Responsabilidade Fiscal, e dar conhecimento dos fatos à população”, acrescenta.

Modo de superação

“A crise econômica do País é gravíssima, mas há condições de ser superada, desde que haja apoio às medidas do novo governo, no Congresso e na população”, frisa o tucano. O prefeito eleito, ainda, avalia a situação estadual. “No Paraná, graças à força do agronegócio e a medidas fiscais adotadas pelo governo do Estado, estamos passando pela crise com danos um pouco menores”.

A preocupação dele incide sobre as duas maiores indústrias locais: a Petrobras e a INCEPA, que em seu entendimento resultam em reflexos econômicos e inquietação social na cidade. “Tudo que pudermos fazer para minimizar as suas repercussões nos empregos será feito”, garante.

Para tanto, Luiz Adyr pretende sedimentar o governo na responsabilidade fiscal e gerencia organizada frente aos recursos próprios e patrimônio público. “Vamos ter que restabelecer o equilíbrio financeiro e orçamentário da Prefeitura, como pré-requisito para voltar a atender com eficiência aos serviços públicos e apoiar o desenvolvimento”.

O receio do novo prefeito é ‘acalmar’, justamente, a maior geradora de empregos da cidade. “E para que a Prefeitura não venha a ser – ela que é a maior empregadora do município –, mais uma fonte de problemas e de intranquilidade, ao invés de ser uma alavanca do crescimento”. Em outro viés, trazer investidores de fora. “Precisaremos, também, trabalhar muito na busca de parcerias e de recursos externos, junto aos governos estadual, federal e outras fontes possíveis de investimentos e apoios”, destaca.

O fator positivo é ter comandado o município em outros três mandatos e saber como superar esses desafios. “Sem dúvida, a experiência e o conhecimento amplo das necessidades do município ajudarão a estabelecer prioridades, numa conjuntura difícil como a que vamos viver”, acrescenta.

MP, TC e o orçamento

Ao perguntar para o futuro gestor sobre a maior dificuldade que ele acredita encontrar a partir do próximo ano, Luiz Adyr, demonstra confiança e estratégias claras. “De imediato, o enfrentamento das dificuldades financeiras da Prefeitura e a necessidade de alcançar o reequilíbrio orçamentário. Também, precisaremos avaliar como está a exposição atual da Prefeitura a sanções jurídicas e administrativas, por parte do Tribunal de Contas e do Ministério Público, por descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal”, salienta.

Relacionamento com o povo e vereadores

Numa avaliação sobre os eleitos para a Câmara, o prefeito eleito entende que há um equilíbrio entre legisladores já experientes, acrescidos de novos nomes. “Acho que nosso relacionamento será produtivo e respeitoso, tendo sempre como valor mais alto o interesse do município. Vou oferecer e pedir ajuda recíproca com esse objetivo”, sinaliza sua postura frente aos vereadores.

Até porque, a vitória dele, segundo o próprio, é fruto de uma raiz já erradicada na sociedade de São Mateus do Sul e, sobre a qual, a resposta do povo foi pela serenidade e confiança. “Atribuo à avaliação favorável que o eleitorado fez do meu trabalho anterior. Sempre procurei também preservar minha credibilidade, jamais incorrendo, ao longo da vida pública, em práticas populistas ou promessas enganosas”.

Luiz Adyr é incisivo ao afirmar que a votação recebida foi uma troca de valores, num perfeito encaixe entre o que o povo quer e um projeto político por ele apresentado. “Faço isso por respeito aos eleitores, e é um alento perceber que essa postura de seriedade tem sido entendida e valorizada por um eleitorado que, também, é sério.”

Um prefeito grato!

Grande "Carreata da Vitória" foi realizada na tarde desta segunda-feira (3), percorrendo os bairros e o centro da cidade. (Foto: Gazeta Informativa)

Grande “Carreata da Vitória” foi realizada na tarde de segunda-feira (3), percorrendo os bairros e o centro da cidade. (Foto: Gazeta Informativa)

“O agradecimento é a todos os que me ajudaram, ao longo dessa jornada eleitoral. O comentário é de que venho, com entusiasmo e boa-vontade, para consertar o que precisa ser consertado e para tentar construir o que precisa ser construído, em nome de um futuro melhor para todos os são-mateuenses”, destaca.

Ao final, o gestor escolhido para o próximo mandato, demonstra duas bandeiras: humildade para pedir colaboração e imenso carinho demonstrado pelo município. “Deixo o convite: quero fazer isso através de uma grande união com todas as pessoas de bem, que são a imensa maioria da nossa população, sem discriminar em momento algum quem teve, ou tem, outras opções ou preferências eleitorais. A tarefa à frente será difícil, exige soma de esforços e, sobretudo, grandeza de propósitos e amor à nossa terra. Nada disso haverá de nos faltar!”

Sidnei Muran

Sidnei Muran

Jornalista (MTB 7597 DRT/PR), formado pelo Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv), pós-graduado em História e Cultura pela Unespar – campus de União da Vitória e Licenciado em História pela Unespar – campus de União da Vitória.
Sidnei Muran

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Secretário Municipal de Educação e Cultura presta esclarecimentos na 5ª sessão da Câmara Municipal de Vereadores de São Mateus do Sul
Câmara Municipal de Vereadores de São Mateus do Sul divulga resultado de concurso público
Vereadores se preocupam com a possibilidade de perda de recurso para o município

Os comentários estão fechados