(Imagem Ilustrativa)

Esses dias eu estava com medo de tirar os meus dentes do siso e percebi como uma coisa tão pequeninha me causava tanto pavor. Sabe, quando você está com medo de algo, quase que no automático, se depara com duas situações: vai existir pessoas que vão te apoiar e vai existir àqueles que te deixam ainda mais apavorada. Você só vai pensar nos comentários das que te deixam apavorada.

O problema não era a retirada dos meus sisos, mas sim tirar todos os quatro de uma só vez. “Mas você é louca, vai sofrer um monte…”, “tem uma prima minha que tirou e ficou semanas de recuperação”, “vai ficar dias sem comer…”, e por aí vai. Quando eu comentava que retiraria todos eles de uma vez, era até engraçado ver a cara não-convencional das pessoas. Ao mesmo tempo que eu me sentia “a corajosa”, dentro da minha cabeça as frases de desespero ficavam martelando ainda mais.

Um dia antes de tirar os sisos fiquei acordada quase que a noite toda pensando em como seria todo o procedimento cirúrgico. Nunca na vida havia feito a extração dos dentes no dentista, e todos os meus de leite eu arrancava sozinha fechada no banheiro de casa. Mas tudo bem, uma hora ou outra eu teria que tirar. Nesse meio tempo também conheci pessoas que tiraram os quatro sisos de uma vez e que no fim das contas tinha dado tudo certo. Mesmo com essas afirmações minha cabeça ainda insistia nos comentários negativos.

Uma hora antes da cirurgia precisei tomar alguns medicamentos para evitar inflamações e inchaços. “E se esses medicamentos me derem uma parada cardíaca?”, pensava. “Meu Deus como o desespero mata aos poucos”, comentava com o meu pai no caminho até o dentista. Quando deitei na maca e as primeiras anestesias começaram a ser aplicadas, pensei “vish, agora já era”. No fundo do consultório tocava algumas músicas – uma playlist que por sinal era muito boa – que quase como um sinal divino, me acalmou. Em menos de 40 minutos eu estava sem os quatro sisos e ainda anestesiada. Foi menos ruim do que eu esperava.

Lógico que cada situação cirúrgica é uma situação cirúrgica. No meu caso, os quatro dentes já haviam nascido e não tinha nenhum nervo interferindo no procedimento. Quando cheguei em casa, tomei um remédio para dor e desde então parecia que nada havia acontecido. Sem dor e sem inchaço. Totalmente ao contrário das previsões feitas pelos desentendidos.

Mas em que lugar eu quero chegar com tudo isso? Afinal, aqui não é um espaço de cuidados de saúde né? Bem, como eu havia recebido – na maioria das vezes – comentários que me deixavam ainda mais apavorada, acabei esquecendo daqueles que realmente me deram força e coragem – e que eram esses que eu deveria ter me apegado desde o começo. Agora além de estar sem juízo, tenho a certeza que nem tudo é tão ruim como parece.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Bola de vidro
O Paraná pedia socorro, e escutaram (previamente) esse pedido
A Barbie do século XXI