(Imagens Ilustrativas)

A descoberta do fogo foi um salto gigante do homem em busca da civilização e desenvolvimento da humanidade.

Entre 1,5 milhões e 300 mil anos atrás, o Homo Erectus descobriu que ao friccionar duas pedras uma na outra, conseguia produzir uma faísca, que se colocada em algum lugar de fácil combustão, pegaria fogo normalmente e ele não precisaria mais esperar que o raio caísse em alguma árvore para obter fogo.

O domínio de algo tão revolucionário permitiu que o homem das cavernas tivesse ao mesmo tempo luz, calor e proteção, e pudesse viver e se locomover no escuro, se aquecer em qualquer estação, afugentar animais perigosos e cozinhar seus alimentos. Esse homem mal sabia que dominava uma das mais poderosas e eficientes fontes de energia e evolução.

O fogo foi a primeira grande e significativa revolução da gastronomia, assim como a agricultura, a pecuária, o surgimento do forno e da imprensa. Mas isso só ficaria claro muitos anos depois.

As técnicas de cocção são muitas e o uso do fogo na cozinha é uma experiência cotidiana que se exprime ao máximo quando o fogo toca o diretamente o alimento, permitindo reações fisico-químicas que alteram suas características naturais. É a expressão do poder da cozinha, do homem e da sua magnitude que sobrevive aos seus ancestrais.

O flambado é o processo de atear fogo em alguma bebida alcoólica numa panela para criar uma explosão de chamas sobre o alimento e transformar sua textura, aroma e sabor. É minha técnica favorita na cozinha. A palavra “flambé”, em francês, significa “em flamas”, e Flambô é uma brincadeira de neologismo sonoro e divertido que brinca com a musicalidade da técnica e da palavra, um tempero latino de sabor bem brasileiro. Flambô?

Agora é a sua vez de dominar o fogo e criar uma explosão de sabores na cozinha.

Bananas Flambadas ao rum

Vou começar minha primeira receita ensinando uma sobremesa super fácil e gostosa. Essa é de quase todo fim de semana aqui em casa, e fica uma delícia com sorvete de creme!

3 bananas não muito maduras
2 colheres de sopa manteiga sem sal
1 colher de chá de gengibre ralado
2 colheres de sopa de açúcar refinado
2 colheres de chá de canela em pó
1 pitada de noz-moscada ralada fresca
20ml de rum ouro (pode trocar por whisky ou conhaque!)

Corte as bananas ao meio no sentido do comprimento. Numa frigideira, derreta a manteiga, refogue o gengibre por 1 minuto, adicione o açúcar, a canela e a noz moscada e deixe caramelizar. Coloque as metades das bananas com a parte plana pra baixo e deixe cozinhar por 2 minutos.

Adicione o rum, e com muito cuidado, mova a frigideira para que a bebida caia para a lateral e encoste no fogo. Não aproxime o rosto e tenha muito cuidado. Quando o fogo apagar, naturalmente, cozinhe por mais 1 minuto para evaporar o aroma alcoólico, e sirva quentinha com sorvete, nata fresca ou creme de leite. O caldinho da panela fica muito bonito e delicioso, pode ser colocado por cima, e outro toque especial é colocar folhinhas de hortelã ou manjericão fresco por cima, para dar um frescor à receita.

Bon Appétit!

Lincoln Molinari
Últimos posts por Lincoln Molinari (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
O olho maior que a barriga
Porque comemos o que comemos?
Para surpreendo o amor e o paladar