Jornal de São Mateus do Sul (PR) e região

O horário de verão passará por mudanças em 2018

O horário de verão encerra no próximo sábado (17), onde será necessário atrasar o relógio em 1 hora, e mais mudanças acontecem no decorrer desse ano. (Foto: Cláudia Burdzinski/Gazeta Informativa)

Criado com o propósito de economizar energia no país para o maior e melhor aproveitamento da luz solar, o horário de verão possui como vantagem a conscientização ligada ao consumo de energia. Usada pela primeira vez no ano de 1931, apenas em 2008 o horário de verão passou a vigorar do terceiro domingo de outubro até o terceiro domingo de fevereiro.

Os estados que passam por essa mudança são: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Distrito Federal. O leste do Amazonas e nos estados de Roraima e Rondônia ficam 1 hora “atrasados” em relação ao horário de Brasília; e oeste do Amazonas e Acre ficam 2 horas atrás.
No próximo sábado (17), o horário de verão será encerrado, e com a volta do horário normal, os relógios devem ser atrasados em 1 hora.

No dia 15 de janeiro desse ano, o Presidente da República, Michel Temer, decretou através do “Diário Oficial” a pedido do Tribunal Superior Eleitoral (TRE) a redução do horário de verão a partir de 2018. A medida encurta em 15 dias a duração do horário, mas não altera o prazo final da mudança, ou seja, continuará havendo uma hora a mais até o terceiro domingo de fevereiro.

Como justificativa apresentada pelo TRE, o horário de verão atrapalharia a apuração dos votos nas eleições de 2018 pela questão da maior diferença de fuso horário. Antes disso, o decreto previa que o horário começasse a partir da meia-noite do terceiro sábado de outubro, com isso, o segundo turno das eleições tinha apurações com horários diferentes em alguns estados.

Dessa maneira, o horário de verão em 2018 começará no dia 4 de novembro, um fim de semana após o segundo turno das eleições. Antes dessa decisão, o governo cogitou a hipótese de colocar o fim no horário de verão, pois, de acordo com eles, a eficácia do consumo de energia estava praticamente nula. O levantamento apontou que a adoção não resulta mais em economia de energia porque não há relação direta com a redução do consumo, e a temperatura é a principal responsável pela influência nos hábitos do consumidor, e não há incidência de luz durante o dia.

Segundo a são-mateuense Luiza Mayer, técnica em meio ambiente que defende a importância da continuidade do horário de verão, ela destaca este método é adotado com o objetivo de aproveitar melhor a luz natural. “Ele visa deste modo o aumento do lazer da população, redução de acidentes de trânsito e redução na criminalidade também, por isso acredito que é de suma importância sua continuidade”, diz.

Cláudia Burdzinski

Cláudia Burdzinski

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br
Cláudia Burdzinski
Compartilhe esta reportagem...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Print this page


Comentários: