(Imagem Ilustrativa)

É sempre muito bom ler experiências de vida que de forma ou outra acrescentam em nossa própria vida. É como se fosse um “hey, acorda” para tudo que antes achávamos que era certo. Esses dias não foi diferente. Em uma dessas postagens no Facebook – das poucas que restam e que ainda acrescentam algo –, conheci a história de Isabela e sua família.

O pai, Junior Meireles, inicia o seu relato perguntando: “você cometeu um erro ou passou por um acidente quando era criança e ficou com medo da reação dos seus pais?”, lembrei da vez que eu havia quebrado por acidente alguns pratos lá de casa. Na situação da família, Isabela havia quebrado seu óculos na escola. Mas tudo bem, acidentes acontecem e o pai explicou exatamente isso para ela. Em menos de seis dias, ela quebrou o óculos novamente. “Imagino como foi tenso ficar da hora em que o óculos quebrou na escola até o tempo de nos encontrar tentando descobrir como reagiríamos”, menciona o pai.

Como é a reação da maioria dos pais, esse seria o momento ideal para dizer que ela foi descuidada, não valorizava o esforço da família e dar alguma bronca, não é? A família não agiu dessa forma. O pai, vendo os olhos cheios d’água da filha que chegou da escola, foi pertinho e sussurrou: “você é mais importante que um óculos, beleza?”, e sem ser grosseiro e agir de forma traumática, o pai aproveitou o momento para explicar os devidos valores de cuidado para a filha.

Moral da história?

O pai mostra mais do que uma!
Ele ensinou a filha que não precisa ter medo de lhe contar sobre coisas ruins que ela fez ou que lhe aconteceram.
Estabeleceu a confiança.
Afirmou que ela é sua filha amada que é motivo de muita alegria.
Mostrou pra ela que coisas são importantes, mas não mais importantes que pessoas e seus sentimentos.
Mostrou que ela é mais importante que seus erros.
Ensinou sobre o valor das coisas e a importância de cuidar bem delas.
Pronto! Coisas simples, fazem diferença.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Que boas escolhas tracem o nosso caminho em 2020
A nossa dignidade se dá por conta do trabalho?
Covid-19 expõe as carências da saúde local