Prismas

O que não tem remédio, remediado está

(Imagem Ilustrativa)

Algumas vezes nos deparamos com alguns problemas que nos tiram o sono, nos deixam doentes por não encontrarmos uma solução. Pior ainda quando eles se acumulam ou quando junto com tais problemas há decisões a tomar.

Há uma prece, criada por Reinhold Niebuhr, teólogo estadunidense, a Oração da Serenidade, que em seu trecho mais conhecido traz: “Concede-me, Senhor, a serenidade necessária para aceitar as coisas que não posso modificar, coragem para modificar as que eu posso e sabedoria para distinguir uma das outras.”

Talvez o maior desafio seja o último, distinguir o que posso e o que não posso modificar. Há alguns anos participei de um treinamento que me ajudou a resolver melhor estas questões e acredito tenham me poupado várias noites de sono e causado menos dores de cabeça. A técnica incluía algumas questões para autorreflexão. Entre elas estava: “o que de pior pode acontecer? ”.

Assim, um mesmo problema, já instalado, pode trazer várias consequências, para cada uma delas podemos pensar em formas de eliminá-las ou minimizá-las. Porém pense, foque, dedique seu tempo para a pior consequência entre elas. Se encontrar a solução, ótimo! Se não, volte às mais simples, trate-as, isto já lhe trará algum conforto ou quem sabe encontre um caminho para a mais difícil.

Depois disso, se ainda não tiver encontrado uma solução para resolver a pior delas, não gaste mais energia com isso, pois “o que não tem remédio, remediado está”, e você não deve continuar se desgastando com o problema, pois já fez o que era possível. Só não desista tão fácil, pois o problema poderá voltar a lhe enfrentar.

Uma segunda questão é quanto a tomada de decisão. Acredite, é importante decidir. Ter coragem para decidir e agir. Não o fazer, deixar para mais tarde, só lhe desgasta e toma o seu precioso tempo, que poderia ser melhor empregado fazendo coisas importantes e interessantes. Então, o programa de treinamento sugeria a seguinte questão: “a sua escolha, caso não gere o resultado esperado, lhe permite voltar atrás, recomeçar ou fazer uma nova escolha? ”. Se sim, está resolvido. Se não, volte a primeira questão e pense na pior das consequências, em caso de um resultado não esperado em relação àquilo que pretende fazer.

Portanto, gaste energia com o que é importante. Decida! Aja! Isto lhe trará mais dinamismo, lhe ajudará a empregar melhor o tempo, mantendo-o ocupado, ativo e consequentemente melhor preparado para enfrentar os problemas e construir soluções.

Tenho comigo o pensamento de que a única coisa que não tem solução é a morte. Porém, se você não encontrar uma resposta para o seu maior problema, confie na sabedoria popular e universal.

Adnelson Borges de Campos
Últimos posts por Adnelson Borges de Campos (exibir todos)

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Um teto com vista para as estrelas
Como encarar o fim de uma vida
Estamos emburrecendo?