Cidade

Oficina do Plano Diretor destaca a falta de CMEI no distrito de Fluviopolis

Os moradores também demonstraram a opinião sobre outros pontos das regiões abrangentes como o número de frota do transporte público. (Foto: Arquivo Pessoal)

Na terça-feira (10), moradores do distrito de Fluviopolis, das comunidades do Potinga, Pontilhão, Emboque, Turvo, Colônia Eufrosina, Faxinal dos Elias, Rosas, Erval e proximidades, participaram da Oficina do Plano Diretor de São Mateus do Sul. O local escolhido para o debate foi a Escola Municipal de Fluviopolis, que reuniu o público para a discussão sobre as melhorias do desenvolvimento do local.

Segundo informações do Arquiteto e Urbanista da Prefeitura Municipal, para o Meio Ambiente, os moradores apresentaram como mudança a melhora na coleta seletiva, pois na atualidade os resíduos são recolhidos uma vez ao mês. Eles também exigiram a colocação de lixeiras adequadas, para que os animais da região não tenham acesso às sacolas.

Na infraestrutura, os moradores apresentaram as vantagens e desvantagens de um distrito urbano e rural. Para a educação, os moradores ressaltaram a falta de espaço na escola e abordaram questões como o aumento de salas de aula, reformas no banheiro e a construção de um muro no entorno da escola. A falta de uma estrutura para um Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) também foi apresentado pela população. Junto disso, foi elencado a construção de um parquinho e praças para o entretenimento de crianças e da comunidade.

Para a saúde, os munícipes da região questionaram a falta de uma farmácia e de profissionais de saúde adequados para o atendimento. A melhora na rede de água de Fluviopolis também foi apresentada, pois ainda há falta de água para as casas mais distantes. No local já existe um poço artesiano já perfurado e os moradores questionaram a falta de obra para esse funcionamento.

Para as estradas, eles elencaram a hierarquia da manutenção das ruas do município, respeitando a necessidade de cada uma. Apresentaram também a realização de um estudo de viabilidade para a construção de uma ponte no lugar da balsa; um trevo de acesso para a localidade de Fluviopolis, e o aumento do número de transporte público.

A próxima Oficina acontecerá na terça-feira (17), às 19h, na Escola do Lageado. As comunidades de abrangência são: São Miguel da Roseira; Água Suja; Cambará; Mico Macro; Aliança Velha; Lageadinho; Terra Vermelha; Tesoura; Divisa e Porto Ribeiro.

O Plano Diretor é a lei que prevê as metas para o desenvolvimento do município nos próximos anos. É um direito de todo cidadão participar na elaboração dessas metas.

Estudante de Jornalismo que adora escrever e conhecer um pouco sobre a vida e a história de cada pessoa envolvida. Preza pela essência que é repassada na produção de cada matéria, valoriza os pequenos gestos e apoia o ativismo ambiental. E-mail para contato: claudia@gazetainformativa.com.br

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Audiência pública apresentou a segunda fase do Plano Diretor de São Mateus do Sul
Empresários são-mateuenses reivindicam alterações no projeto de lei que modificou o código tributário do município
Município conquista selo de identificação geográfica

Os comentários estão fechados