(Imagem Ilustrativa)

No último domingo (15), tivemos eleições municipais no Brasil, e sempre que acontece uma renovação, na política, renovam-se também as esperanças da população, por uma condição de vida melhor, todos querem um mundo mais justo, com acesso a saúde, educação e segurança. Mas não podemos esquecer de incluir os governantes em nossas preces, vou explicar porque.

Somos todos espíritos, no momento estamos encarnados, passando pela experiência da vida física, buscando nosso aprimoramento e elevação espiritual, acontece que dividimos esse espaço com os espíritos desencarnados, e somos suscetíveis a influencias desses.

Espíritos bons nos influencia para o bem, mas infelizmente não existem apenas espíritos de luz, tem os das trevas também, que nos influencia para o mal.

São espíritos renitentes ao mal, e por isso sofrem muito, e esse sofrimento, que tem origem na desobediência das leis de Deus, lhes causam inveja dos espíritos felizes.

Um espirito que sofre por guardar magoas durante a vida física, obsidia, fazendo sofrer aquele a quem tem magoa, já os espíritos trevosos, comandantes de hordas de criminosos, não se contentam em fazer sofrer uma pessoa apenas, eles escolhem como alvos, as autoridades em geral, visando atingir toda uma coletividade.

Governantes, juízes e legisladores são vítimas de obsessões corriqueiras, que os tiram do caminho ideal, principalmente quando esses não tem uma condição moral elevada, mas mesmos as autoridades que praticam a lei de Deus, do amor e da caridade ficam vulneráveis, porque os ataques são muitos. É por isso que devemos orar por todos, fortalecendo suas defesas contra os espíritos das trevas, só assim eles conseguem se preservar das influencias funestas e realizar um trabalho digno para toda a população.

Onde uma comunidade precisa de um governante, esse governante também precisa da comunidade, pensem nisso.

Muita paz a todos, e até a próxima semana.

Oscar Okonoski
Últimos posts por Oscar Okonoski (exibir todos)

Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS
Durante o sono
A vida ou a biografia?
Sentimentos de Natal