Especial

Os Anjos Solidários São-mateuenses

A associação visa atender pessoas que estão acamadas devido problemas de saúde. Dentre os objetivos do grupo para 2018, se destaca a pretensão de uma sede própria e a aquisição de veiculo próprio. (Fotos: Alexandre Müller/Gazeta Informativa)

Fundado em outubro de 2017 e atuando desde agosto do mesmo ano, a Associação Anjos Solidários (AAS), tem como principal missão de seus participantes a ajuda ao próximo, principalmente aqueles que por questões de saúde estão acamados.

Com sede na Rua Pedro Effco, número 1967, próximo ao ambulatório na Vila Prohmann, em São Mateus do Sul, o grupo tem como objetivo promover bazares e ações solidárias que visem angariar recursos para serem investidos nas ações da associação.

A sede da AAS encontra-se em local alugado, onde funciona o bazar da entidade, “lá realizamos a venda das roupas à preços acessíveis, no máximo de R$ 10,00 dentro da sede do grupo. A venda resulta na aquisição de fraldas geriátricas, cestas básicas, medicamentos, exames e consultas médicas”, afirma a presidente Márcia Ribas.

O grupo é composto por 8 voluntárias que atuam na sede da entidade cuidando do bazar e também organizando e participando dos bazares e eventos que são promovidos pelos anjos, “recebemos a doação de várias roupas e utensílios domésticos que vendemos em nosso bazar, que é a sede do grupo, além de promover bazares em várias comunidades, uma vez a cada mês”, comentam. Todas as colaboradoras são voluntárias e trabalham diariamente pelo menos meio período e o restante do tempo é dedicado a entidade.

Os Anjos Solidários realizam o cadastramento das pessoas e em seguida as visitam para a análise da situação de quem será assistido pela instituição. Hoje são 25 pacientes atendidos mensalmente com 30 fraldas geriátricas, sondas para traqueostomia, remédios, gases, exames e consultas médicas, “geralmente recebemos uma mensagem ou contato de algum parceiro para analisarmos em uma visita a possibilidade de colaboração e a necessidade verídica daquela pessoa, em que podemos ajudar. Quando é cesta básica e fraldas, procuramos sempre atender quando se trata de auxílio devido a doença”, ressaltam os membros.

Atendendo de segunda a sexta-feira, das 13 às 18 horas, com o atendimento à comunidade e a venda de roupas do bazar, a entidade arrecada cerca de R$ 4 mil a cada mês e destina exclusivamente às pessoas atendidas pela instituição, “o que não conseguimos vender na loja e nos bazares destinamos ao Hospital e Maternidade Doutor Paulo Fortes que sempre aproveita tudo, seja um zíper, um botão, além de fazer estopa e tapetes com aquelas roupas que não tem mais conserto e utilidade”, relata Márcia.

Roupas que encontram à venda no bazar.

Ao serem questionadas sobre o porquê criaram a associação e envolveram-se dessa forma com a causa, as voluntárias de forma absoluta afirmam, “não temos palavras para afirmar o porquê nos tornamos um anjo, mas dedicamos nosso tempo em prol desta causa, pois nos realizamos com isso, é muito gratificante. Estar em paz e poder ajudar alguém, por mínimo que seja, não há dinheiro que pague. Somos apenas uma gota no oceano, mas sem essa gota o oceano não está 100%”.

Com pouco tempo de atuação em São Mateus do Sul, o grupo pretende atender mais pessoas, “todos que chegarem e nos pedirem ajuda, vamos atender, não sabemos como ainda, mas vamos ajudar”, e ainda, pretendem estar em sua sede própria e deixar de pagar aluguel, bem como ter um veículo para a instituição e uma máquina de costura para a manutenção das roupas.

Para que a AAS possa dar continuidade ao trabalho é necessário o apoio de toda a comunidade que pode colaborar com a doação de roupas que é a principal fonte de renda das ações, sem falar em calçados, utensílios de cama, mesa, banho, acessórios domésticos e cestas básicas, “tudo que vier para nós será bem aproveitado e repassado a quem precisa”. A associação planeja também cadastrar sócios contribuintes que possam mensalmente prover a doação de valores simbólicos, “pretendemos atender mais pessoas, mas para isso precisamos de ajuda. Necessitamos de sócios que possam ajudar com minimamente R$ 10,00 por mês”, enfoca a presidente da AAS.

Aos interessados em colaborar com o grupo para a continuidade do projeto que contempla ajudar ao próximo, pode entrar em contato através do seguinte telefone: (42) 9 8812-3639, falar com Márcia Ribas ou prestigiar o trabalho na sede da entidade na Vila Prohmann.

Comentários

Compartilhe:


MATÉRIAS RELACIONADAS
Casal em processo de adoção emociona familiares e amigos com ensaio fotográfico
Psicóloga de São Mateus do Sul participa de missão humanitária na África
Mãe escolhe continuar gestação das filhas gêmeas mesmo sabendo do diagnóstico de malformação incompatível com a vida fora do útero